segunda-feira, dezembro 31, 2007

Feliz Ano Novo!

De toda equipe do Toque de Vida e da Pastoral da Ulbra, um desejo sincero de um Ano com muita coisas boas, e com a presença de sempre que nunca pode faltar - o melhor Amigo, Jesus Cristo, pela fé!

Até o ano que vem!

**********

"Lembre-se de que, não importa aonde você vá, é lá que você vai estar."

Earl Mac Rouch

domingo, dezembro 30, 2007

Quênia

(Clique na foto para ampliar)


No Quênia, África, o Reveillon não promete muita paz, como é o que todo mundo deseja. As eleições presidencias geraram tumultos e uma onda de violência. Até oficios religiosos estão sendo cancelados.

O Pastor luterano Carlos Winterle, ex-presidente da IELB, há um ano atuando naquele continente, escreve:

"Estimados irmãos e irmãs:

Vocês podem imaginar como se sente um pastor ao telefonar para as famílias da congregação no sábado à noite, pedindo para elas não irem ao culto no domingo de manhã?... Pois é esta situação que estou enfrentando neste momento.

Houve eleições aqui no Quênia quinta-feira desta semana. O candidato da oposição está ganhando por uma margem muito pequena de votos. O resultado está demorando para ser divulgado. E há muito tumulto nas ruas, com saques de lojas, queima de carros e de casa de comércio, e mortes. No bairro de Kawangware, onde temos uma igreja e onde mora meu colega, Pastor Enos Omodhi (responsável pela paróquia e pelos cultos em Swahili) morreram 9 pessoas hoje à tarde nos tumultos. Ele mesmo está receoso de sair de casa. Perto da igreja de Kibera (que faz parte da paróquia) foram queimadas várias casas comerciais. Nós não saímos de casa desde quinta-feira e vamos ficar reclusos até passar esta onda de violência.

Espero que possamos celebrar o culto programado para o dia 1º de Janeiro, Dia Mundial da PAZ. Orem por nós e pela paz da cidade, como Deus recomendou através do profeta Jeremias (29.7)."



Para conhecer um pouco do trabalho do pastor Winterle em Nairóbi, capital do país, acesse o blog do casal.

sábado, dezembro 29, 2007

Frase

As falhas acontecem mais quando desistimos de superar obstáculos.

Ano Novo

Com que óculos você vai iniciar o ano?

Pergunta um tanto estranha, mas importante. Faz diferença quais são nossas lentes diante de um novo ano, quando sabemos que muitas coisas novas, e outras repetidas, vão estar diante de nossos olhos.

_Um muro. Onde muitos vêem o fim, outros vêem a chance de um salto maior.
_Uma porta. Para alguns, a saída de uma boa idéia. Para muitos, a entrada para outra melhor
_Uma curva perigosa. Alguns vêem desastre iminente. Outros seguem em frente e descobrem uma paisagem diferente
_Uma ponte quebrada, que tantos vêem como fim da linha, para outros, é a visão da construção de um novo caminho.
_Uma rua sem saída. Onde muitos vêem apreensão, outros aproveitam para reflexão.
_Uma cruz. Onde muitos só vêem peso ou provação, é sempre o olhar para o ponto de salvação.

Este texto, para muitos, poderá ser sem utilidade. Mas para você, eu quero que seja meu sincero desejo de que em 2008, mesmo havendo situações inesperadas, caminhos surpreendentes ou descobertas diferentes, você olhe sempre através das mesmas lentes: fé em Deus.

quinta-feira, dezembro 27, 2007

Vinheta de fim de ano

Da galera da Ulbra TV.
Confere aí!





Caso não consiga visualizar no You tube, confira aqui.

Fuga

Para alguns, o dia 24 de dezembro pode ser o mais chato do ano, diz uma matéria do UOL.

O texto mostra pessoas que preferem passar a véspera de Natal sozinhas a se reunirem com familiares e amigos, o que alguns consideram uma espécie de alegria forçada.

O curioso é que, para fugir do que definem como 'ode ao consumismo", as alternativas são, por exemplo, 'um aconchegante filme e um queijo quente no tostex', 'ver televisão', 'uma garrafa de vinho e uma pizza'.

Fuga do consumismo? Até que não parece tanto assim...

Parece ser o caso de olhar soccer ou calcio, mas não gostar de futebol.

quarta-feira, dezembro 26, 2007

Ser

“Até que você esteja em paz com quem você é, nunca estará contente com o que você tem”.

Doris Mortman

onde encontrar

Um jovem pai comentava com amigos uma das lições que aprendera com a sua filha.
Falavam sobre o supermercado onde costumam fazer as compras. Por ser muito grande, é difícil um achar o outro caso se separem.
Mas para ela, não. “É bem fácil”, garantiu a mocinha. E quando ele perguntou: “e como você faz pra me achar logo?”, a menina respondeu:
-É só ir nos corredores dos produtos que estão na lista de compras.

Uma conclusão simples e que demonstra duas coisas fundamentais: conhecimento e confiança.
Conhecimento prévio dos itens a serem comprados. Um interesse talvez não tão usual para uma criança, mas que fez a diferença na hora da necessidade.
Confiança na previsibilidade do pai. ‘Ele certamente vai estar lá onde eu imagino que esteja’.

Um bom roteiro para finalizar um ano e iniciar outro.

Porque, olhando para trás, temos a confiança renovada no Pai que jamais deixou de nos guiar em Seu caminho. E relembramos a importância deste conhecimento, que nos dá orientações e inspirações seguras do trajeto a percorrer.

E porque, olhando pra frente, vemos o novo ano chegando, com grandes corredores, largas opções, imensas expectativas e oportunidades. E também com erros, sem dúvida, quando separamos do nosso Pai. Mas é o momento em que, conhecendo bem a lista que Jesus deixou, sabemos onde Ele vai estar. Sabemos onde encontrá-lo. Sabemos como buscar refúgio e orientação na previsibilidade característica de suas promessas: “Nunca te deixarei nem jamais te abandonarei” E, ao chegarmos no ‘corredor’, com alivio e alegria, poderemos dizer: ”Eu sabia que te encontraria aqui!”

Conhecimento e confiança. Produtos sempre disponíveis na prateleira divina. Basta crer. `
Como uma criança.

O ano inteiro

O nosso Natal pode ser o ano inteiro.
Podemos levar de janeiro a janeiro
o Rei que nasceu para em nós governar.
Seus dias sigamos do berço ao calvário,
vivamos com Ele em contato diário
e, assim, no Natal, mais o havemos de amar.

sexta-feira, dezembro 21, 2007

Quando?

Quantas vezes por ano é Natal?
Ao menos uma, já sabemos. Dia 25. Mas não só.

Quando a fé, que parece difícil, se torna certeza na vida. É Natal
Quando você estende as duas mãos a quem apenas pediu um gesto. É Natal
Quando você dedica um bom tempo a quem, enfermo, se alegraria com alguns instantes. É Natal
Quando o coração agradece, mesmo quando queria gritar. È Natal.
Quando Jesus Cristo deixa de ser apenas o menino da manjedoura. É Natal.

É Natal quando perdoamos. É Natal quando pedimos perdão. Natal acontece no quarto escuro e no iluminado salão. Natal quando corações distantes reencontram o caminho comum. Natal é aquele dia em que a vida deixa de ir a lugar nenhum. O Natal chega perto quando as mãos se unem, quando os olhos se tocam, quando as vidas se envolvem, quando o abraço é real. Natal acontece no começo e mesmo quando perto do final.

Natal não é uma data. É uma convicção para se crer
E saber que todo dia é um presente com que Deus sempre vai nos surpreender.
Natal é hoje mesmo, é agora, é adiante,
Ou quem sabe amanhã - quem sabe, afinal?
O certo é que a fé, quando move a vida,
É certo, é feliz,
é Natal.

quinta-feira, dezembro 20, 2007

Profundo

Existem várias formas de se praticar mergulho com segurança. Alguns o fazem de snorkel. Ao que parece, dá para ir até onde o cano de respiração alcança. Outros, já bem mais preparados, utilizam o escafandro, que permite ver muito mais das maravilhas submarinas. Quando se quer ir a fundo mesmo, entretanto, a opção é o batiscafo ou o submarino.

Qual deles predomina em nossos relacionamentos? Com a maioria das pessoas, está certo, snorkels e escafandros são suficientes e até recomendados. Mas o Natal é época de lembrarmos que o ano inteiro somos pilotos de submarino. Está certo, com boa parte das pessoas podemos ficar na superfície ou um pouco além. Em alguns casos, é até o mais recomendado. Mas com aqueles que amamos, é importante nos envolvermos profundamente, ir até onde for preciso para amar, ajudar, estar ao lado.
Isso é meio que um contra-senso numa sociedade do rápido e descartável, onde ‘não sou obrigado a agüentar isso’ e ‘não deu certo, troca’ são duas frases que freqüentemente vêm à tona do pensamento. Mas lá no fundo sabemos que são os relacionamentos aprofundados que fazem emergir as realidades efetivamente duradouras e proveitosas.

O menino do Natal, Jesus Cristo, é exemplo disso. Entrou de submarino na realidade humana. Tornou-se homem, nasceu em humildade. E quando se esperava que dali ele só subisse, a história não foi bem essa Foi lá pra baixo, como ninguém mais. Foi humilhado e morto. Mas voltou a viver, emergiu mostrou sua força e também seu carinho e amor. Amor profundo.

Diante de tantas propostas epidérmicas e que não vão muito além da superfície, é bom podermos, com Ele, mergulhar num mar de amor, do qual emergimos mais fortes, mais confiantes.

E profundamente felizes.

quarta-feira, dezembro 19, 2007

Sobre fonte

Se a fonte está poluída, o rio tem poucas chances

Conversas

Foto: Prof. Guershon Kwasniewski
‘O diálogo tem o poder de adiar o conflito’ dizia o Prof. Donaldo Schuler em uma palestra da qual tive o privilégio de participar algum tempo atrás. Conversar, como ele demonstrou, é a capacidade importante que o ser humano tem de evitar, ou ao menos postergar, uma das coisas que desabona bastante– a imposição forçada, a briga, a violência, verbal ou física. Claro, é possível apimentar discussões, acalorar o debate, destacar diferenças. Mas sempre que isso permanece no campo das idéias, permanece no âmbito mais adequado.

Lembrei disso por participar, hoje pela manhã, da gravação do programa “Conversas Cruzadas” da TVCom. O jornalista Lasier Martins conduziu um debate sobre o Natal e seu sentido hoje. Além de mim, estavam presentes Dom Remídio Bohn, bispo auxiliar de Porto Alegre, Prof. Guershon Kwasniewski, da Sociedade Israelita Brasileira de Cultura e Beneficência e o Prof. Ahmad Ali, do Centro Islâmico do RS.

Dois celebram o Natal, e acreditam no menino de Belém como o Salvador da humanidade. Dois, discordam. Teoricamente, uma mistura com bom potencial para algo não ir tão bem. Mas creio que os quatro, ao cruzarem palavras, oportunizaram àqueles que assistirem ao programa no dia 25.12, às 22h50, uma oportunidade tranqüila de reflexão e também de conhecimento de pontos de vista diferentes.
Conversar não quer dizer necessariamente concordar. Mas normalmente quer dizer crescer. Ao menos quando o diálogo é feito de com coragem e consideração. Coragem de dizer o que se pensa e acredita. Consideração em colocar-se no lugar de quem vai ouvir o que está sendo dito.

A mensagem do Natal é assim. Em Jesus Cristo, Deus resolve falar com a humanidade pessoalmente. E as conversas cruzadas por Ele com as pessoas de seu tempo – e conosco, ainda hoje, através de Sua Palavra – mostram que Ele quer atrair, e atrai de fato, muitos a si com a boa notícia daquela noite especial. Mas que em nenhum momento autoriza a utilização da violência, conflito ou briga para tal. “Meu Reino não é deste mundo”, pregou. Suas Palavras - e também suas ações – apreendidas pela fé são suficientes e completas.

“Acho que o debate foi bom!”, disse Lasier Martins, ao final.

Concordo, Lasier..

terça-feira, dezembro 18, 2007

Imagem do natal


Presépio montado em frente à Capela Universitária em Canoas.


Foto de Aldrin Bottega - ACS ULBRA

Frase

“Se as pessoas pudessem considerar os acontecimentos de suas próprias vidas com a mente mais aberta, freqüentemente descobririam que elas, na verdade, não desejavam realmente muitas das coisas que falharam em obter”.

Andre Maurois

Luz

A Catedral de pedra em Canela, RS, estava com um bom público na noite de sábado, 15.12, quando o Coro Sacro da Ulbra iniciou seu Concerto Natalino com os primeiros acordes de ‘I’m Gonna sing’. Mas ficou bem mais cheia depois que algo inesperado aconteceu.

Bem no meio da quinta ou sexta música, faltou luz. Escuridão total não apenas na Igreja, mas na cidade inteira. Os coralistas não mais podiam contar com suas pastas e partituras e quase não mais enxergavam a regência do Pastor Paulo. Eu não pude mais conduzir ao microfone trechos bíblicos intercalando as músicas. Os presentes não puderam mais ver a expressão dos cantores. A maioria não conseguia mais ver um palmo além do olhar.

Mas foi então que viram - e ouviram - muito mais.

A luz parou, mas o Coro, não. Seguiu seu canto. “É Natal...”. Flashes de câmeras começaram a lançar clarões sobre os rostos determinados do regente e coralistas. Centenas que estavam do lado de fora entraram e a Igreja lotou. Ao mesmo tempo, o seminarista Luciano e ajudantes colocavam velas nos degraus do altar ao redor de todo o coro.

A falta de luz, que parecia indicar uma tragédia, proporcionou um momento único.
O preparo, a convicção e a vontade de seguir em frente fizeram Coro vencer a escuridão.

E a escuridão, de repente, conduziu milhares de pessoas para a luz.

Não apenas para a luz das velas, que modelava os rostos, que contornava o canto, que emoldurava as melodias. Mas para o conteúdo transmitido, que viajava pela nave da catedral em direção a muitos corações. O que era murmúrio no fundo virou silêncio. Onde havia trevas, de repente houve luz. De velas. De vozes. De Vida.

Diante de centenas de olhares, uma clara ilustração para um concerto de Natal: Jesus, a luz do mundo, atrai a si corações em meio à escuridão do mundo. Atraídas pelo seu brilho, por Sua voz, pelo seu encanto, encontram Nele a mensagem de paz, salvação, recomeço. Vidas apagadas que, num instante, se iluminam.

E também uma clara inspiração para o nosso concerto pessoal. O Coro Sacro foi até o fim com sua apresentação. Em nossa vida, podemos seguir confiantes até o fim, sem medo da escuridão. A luz sempre prevalece. Se até com a elétrica, que mais tarde voltou à serra gaúcha, é assim, muito mais com a Aquela que nos ilumina o coração. E, neste caso, podemos contar com mais do que preparo, convicção e força de vontade. Pela fé, estamos ligados à fonte da Luz.

E esta, pode confiar, nunca falta.

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Fitas brancas

A história era freqüentemente contada por Kenyon Scudder, famoso superindendente de uma prisão na Califórnia, EUA. Acontecera com um amigo dele.
O amigo estava em um trem ao lado de um rapaz visivelmente nervoso e ansioso. Após um início de conversa, ficou sabendo que aquele era um prisioneiro que recém havia sido libertado e estava voltando pra casa.
Entretanto, seu crime tinha trazido vergonha para a sua família. Por isso, antes de pegar o trem, ele tinha enviado uma carta, para avisar que estava voltando e pediu um sinal. Se a família o tivesse perdoado, que colocassem uma fita branca na grande macieira próxima aos trilhos do trem. Caso contrário, ele seguiria viagem e nunca mais voltaria.
Ao se aproximarem do local, a ansiedade do ex-prisioneiro aumentou cada vez mais, até que ele pediu ao amigo de Scudder que olhasse para a macieira, pois ele não conseguiria fazê-lo.

“Está tudo bem” – disse o acompanhante logo após passarem pelo local – “A macieira inteira está coberta de dezenas de fitas brancas.”

Existem feridas que só o perdão cura. Existem vidas que só o perdão recupera. Existem recomeços que só perdão proporciona.

Existe o perdão que só Deus oferece: pleno, irrestrito e confortador.

É seu. Utilize.

Dia e hora

Já está confirmado:

Gravado na Capela Universitária, com participação do Coro Sacro da Ulbra, orquestra e encenação.


Música e mensagem para reunir a família.

quinta-feira, dezembro 13, 2007

Frase

"Se o Natal não é achado em seu coração, você não o achará debaixo da árvore."

(Charlotte Carpenter)

Dose adequada

Desde pequenos aprendemos que nossa dieta regular precisa conter o elemento ferro. Além do feijão, costelas de porco, vitela e cordeiro são exemplos de boas fontes deste que é o segundo metal mais abundante sobre a terra. Tem papel fundamental em nosso organismo. A célula do sangue é formada por proteína e ferro, além de outros componentes e, por isso, a falta deste mineral causa a anemia.

Mas esta semana conheci um caso ao contrário. Alguém que estava com o seu nível de ferro perto de 2000. Não conheço a ‘escala ferrífera’ do nosso organismo, mas fui assegurado de que isso é muito. Acontece que quando a alimentação não é correta – exagero em gorduras, por exemplo - o fígado, que é nosso deposito e distribuidor de ferro, acaba recebendo uma dose exagerada deste elemento. E fica sem saber o que fazer com tanto estoque. Aí, começa a distribuir o metal pelo corpo inteiro. Para o rim por exemplo, ou o coração. E isto é sinônimo de problema. Sério.

Essa pode ser uma boa analogia para explicar o que acontece neste período do ano.

As pessoas passam seus meses com uma dose regular de alegria, tristeza, conquistas, derrotas, mas via de regra uma vida mais ou menos bem levada. Só que, quando chega perto do Natal – ou ultimamente, até longe mesmo –, elas começam a receber doses exageradas de ‘ferro’, isto é, acreditam que precisam ser desesperadamente felizes, alegres, ter paz, alegria, felicidade, comprar presentes, dar presentes, receber presentes, desejar presentes, ganhar presentes, comprar, gastar, visitar, contatar, confraternizar... haja fígado pra tudo isso. O resultado é que começam a distribuir da maneira mais desordenada e desesperada possível toda esta ‘energia extra’. E os resultados não raro são frustrantes. Ou perigosos.

Ausência do componente ferro no organismo pode gerar anemia. Mas o excesso pode ser ainda pior.

Igualmente, não é porque um velhinho de barbas brancas fica insistindo que temos que sorrir de outubro a 24 de dezembro – pois sabemos, de 25 em diante, poucos ficam com a paz, alegria, esperança e felicidade do Natal. – que precisamos consumir este apelo desenfreadamente. O excesso pode matar. Nossa fé. Nossa alegria. Nossa consciência.

Quando o centro do natal permanece Jesus cristo, a chance de equilibro é maior. Porque Ele não existe só algumas semanas antes do dia 25. Está bem distribuído pelo ano novo. Ele avança pelo verão, morre na sexta-feira santa, ressuscita na Páscoa, passa conosco o outono e o inverno. Ele está por perto todos os dias. Ou seja, a dose de fé, que é nosso ‘ferro’ pra vida, está equilibrada, constante. O que colabora para mantermos níveis saudáveis de sanidade e paz da alma. E do corpo também.
Contra a superdose natalina de ‘ferro’ - que esconde uma anemia preocupante-, podemos tratar nosso ‘figado’ como ele merece: viver o Natal em fé.

Uma dose adequada de paz e equilíbrio.

quarta-feira, dezembro 12, 2007

Falha

Cometer uma falha não significa que somos uma.

Atílios

Fonte da imagem

O objeto foi criado com um propósito em mente – manter determinadas coisas juntas. Dinheiro, papéis, materiais diversos. Ele é elástico, para poder se ajustar ao tamanho do material que ser abraçado. Estamos falando sobre o atílio, ou “borrachinha’, como muitos conhecem.

De fato, é grande a capacidade de alcance e adaptação do atílio. Entretanto, se ele for esticado além de suas limitações, se rompe e não mais pode cumprir seu propósito. E ainda vai causar dor se, ao arrebentar, bater contra o corpo.

Deus nos criou com propósitos específicos – em especial, viver a vida na sua presença, em fé e amor. Também servir ao nosso próximo e abraçar tudo aquilo em que nossos dons podem ser úteis. Até mesmo desafios e dificuldades da nossa vida ele utiliza para alargar nossa fé e aumentar nossa força. É supreendente nosso alcance e capacidade quando estamos nas mãos certas – as Dele.

No entanto, Deus também fixou limites para isso. Por escrito, em Sua Palavra. Quando vamos além deles, podemos nos romper, ir longe demais. E ainda causar dor, tanto para nós, quanto para o próximo.

Mas há uma diferença entre nós e os atílios. Estes, rompidos, ficam sem uso. Nós temos o perdão e o amor de Deus, que restaura nossa vida, quando vamos longe demais e nos arrebentamos. Ele perdoa, reanima e nos coloca de novo no caminho de seus propósitos.

Para abraçarmos com ainda mais fé e alcance as oportunidades que Ele nos coloca nas mãos.

terça-feira, dezembro 11, 2007

Desnecessário

Fonte da imagem



Nos anos 1920, um imigrante europeu resolveu tentar a vida nos Estados Unidos. Julgou que a melhor forma de levar seus pertences para a nova vida seria vender tudo o que tinha e, com o dinheiro, comprar uma pedra preciosa. E foi o que fez. Adquiriu um diamante.

Na viagem, para passar o tempo, começou a entreter os passageiros no convés fazendo malabarismo com maçãs. Feliz com os aplausos que sua habilidade começou a lhe render, resolveu tornar a coisa mais emocionante: colocou seu diamante junto com as maçãs em sua exibição.
Os demais viajantes ficaram apreensivos. “Não, não faça isso! Uma coisa é brincar com maçãs, outra, com um diamante!” Mas aquele medo só serviu para deixá-lo mais ousado em seu show particular. E então, o pior aconteceu. Durante uma das exibições, o navio balançou e inclinou para um dos lados. As frutas lhe saíram do controle. E o diamante também. Caiu no chão, rolou pelo convés e acabou caindo pela amurada, perdendo-se em direção ao fundo do mar.

Tudo o que tinha pereceu no fundo do oceano.

Olhando para o mundo, podemos ver muitas pessoas fazendo malabarismos com diamantes. Com os tesouros que Deus coloca em suas mãos. A fé, a vida, esposo, esposa, filhos, amigos, colegas de trabalho... Brincam com pedras únicas, que não podem ser repostas. Muitos não calculam o depois ao fazerem ‘malabarismos’, colocando estes bens em risco. Então, antes que possam fazer alguma coisa, um solavanco da vida pode causar uma perda irreparável – e que poderia ser evitada.

Uma coisa é brincar com maçãs. Outra, com diamantes.

Por isso, até dá pra fazer malabarismos com o secundário. Mas não dá pra brincar com o principal. Pois para o periférico, em maior ou menor importância, há recuperação. Mas para essencial, nem sempre. O problema não é correr riscos, que, em muitas situações da vida, se tornam fundamentais para o avanço. O problema é correr riscos desnecessários. Jogar pra cima o que deveria estar bem guardado.

Os instantes de aplauso valem uma vida de arrependimento?

Se precisar jogar algo pra cima, faça isso com as maçãs. Cuide bem dos diamantes. Aqueles que estão acompanhando sua vida – Deus e as pessoas que se importam com você – vão ficar bem menos apreensivas. E vão aplaudir ainda mais.


segunda-feira, dezembro 10, 2007

Discurso

"Fale quando estiver com raiva e você fará o melhor discurso de sua vida pelo qual se arrepender. "

Ambrose Bierce

Sustentação

Mais um chavão que poderá ser revisto.
“O Brasil é um país abençoado, não tem terremoto, ciclone, vulcão...” Ao menos na parte do ‘terremoto’. Ontem, em Minas Gerais, nossa realidade geológica deu sinais de que pode estar começando a mudar. Conforme o portal Terra, “...o tremor de terra atingiu 76 casas e aproximadamente 380 pessoas foram afetadas. A parede de uma delas caiu sobre três crianças que dormiam em um dos quartos. Jeissiane Oliveira da Silva, 5 anos, morreu na hora sob os escombros. Foi a primeira vez que o Brasil registrou um tremor de terra com vítima fatal.

Caso aconteçam mais fenômenos naturais como este, os estragos serão grandes. Pois quase nada e quase ninguém em nosso país é preparado para este tipo de ocorrência. Em vários países, as casas já são construídas levando em conta essa possibilidade. Mas por aqui, se o ditado popular mudar mesmo, teremos dias muito difíceis antes podermos enfrentar este tipo de situação com eficácia.

Você nunca pensou que a dificuldade financeira poderia bater à porta... não esperava que seu cônjuge pudesse ir embora....Não imaginava que seu filho entrasse no mundo do submundo...que batessem no seu carro....que surgisse uma dificuldade de saúde... que o seu plano não desse certo...
Ao menos não agora. Mas aconteceu. Um terremoto. E para este tipo de coisa, nem sempre estamos preparados. Quando acontece, nos resta lidar com o depois, da melhor maneira possível.

Mas ao menos para um tipo de ameaça – contra nossa fé – podemos estar preparados. Ela sofre constantes ataques ideológicos, racionais, e também superficiais. Por isso, é importante estarmos construídos sobre Deus, onde temos estrutura, segurança, confiabilidade, saída de emergência – muito preparo para seguirmos firmes na fé.

E por que investir tudo neste item, fé? Porque é ela que permanece de pé quando as outras coisas sofrem abalos sísmicos, clínicos, físicos, morais. A fé em Jesus é força duradoura que, presente no coração, garante proteção antecipada para os momentos em que a terra treme, a alma vacila, o coração quer desistir. Um centro seguro e confiável para quando tudo o mais ameaça desabar. Um presente de Deus que terremoto não derruba, furacão não leva, vulcão não destrói. Não foge com o vizinho, não pega fogo, nem afunda na enchente.

Ao contrário. E justamente nestas horas que ela ganha mais sustentação.

domingo, dezembro 09, 2007

Pós Visão

Fonte da imagem
Tentar prever o futuro continua sendo uma ciência inexata, como todos sabemos. Algumas se acerta, outras, se passa longe. Como qualquer 'chute'. Depois do acontecido, é possível verificar a exatidão desta imprecisão.

Este trecho da matéria publicada em 31 de dezembro de 2006 é exemplo disso.

"Pai Alexandre de Oxum, babalorixá
A Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro têm tudo para ficarem com times de São Paulo. Na Copa do Brasil, vejo que um time da região sudeste, sem ser do Rio de Janeiro, ficará com o título.

Adriana Kastrup, taróloga
Vejo os times de São Paulo muito bem na disputa do Campeonato Brasileiro. O São Paulo não será pentacampeão. Pelo que as cartas me mostram, o Corinthians vai ficar com o título. O ano todo vai ser muito bom para os corintianos, começando pelo Campeonato Paulista.

Mago, pai de santo
O Corinthians vai ter um bom desempenho em um torneio sub-20. Nos profissionais, a torcida vai fazer a diferença, mas o time terá um ano difícil. O Leão falará menos que esse ano. Ele será mais comedido."

Fonte

sábado, dezembro 08, 2007

Sobre a Bíblia

"A maioria das pessoas se preocupa com as passagens da Escritura que não entendem. Já para mim as passagens que me preocupam são aquelas que eu entendo."

Mark Twain

sexta-feira, dezembro 07, 2007

Uma janela para Belém

É hoje.

Gravação do especial de Natal da Ulbra TV.”Uma janela para Belém”

A partir das 20h, na Capela universitária do campus em Canoas

A exibição acontece dia 24.12, noite de Natal.


Entrada franca!

Tempo

“Ficar se remoendo pelo tempo perdido é mais tempo perdido”.

Mason Cooley

Cara a cara

Anônimos viram famosos na internet graças a manipulações de imagens digitais. Elas são chamadas por muitos de “fotos photoshopadas”. Algumas delas podem ser vistas aqui.
Outra cara

Um pastor do Espírito Santo diz que pode ter 7 mulheres e ainda acha que pode defender o argumento com a Bíblia.
Cara de pau.

“A vida é bela, seja também”. Cirurgia plástica versão popular. Agora com pagamentos a perder de vista.
Cara nova.

Vereadores trocam agressões na Câmara de Chapecó (SC)
Tapa na cara.

Todo o dia nos vemos diante de notícias que lembram que nós, seres humanos, temos duas caras. Acertamos aqui, pisamos na bola ali. Agimos de cabeça erguida em uns momentos, damos de cara no chão em outros. Sem falar naqueles em que nossa cabeça fica confusa entre o que fica ou não fica legal fazer.

Quando Jesus vem ao mundo, ele assume definitivamente um rosto humano. Não com plástica ou ‘photoshop’. E nada de duas caras. Mas apenas uma - o menino Deus que encara a missão mais cara que alguém poderia ter: dar a própria vida, carregando um peso espiritual que cálculo nenhum consegue alcançar. E ele veio. Deu a cara pra bater. Tudo porque sabia que frente a frente conosco ele mostraria quem Deus realmente é.

Claro, muitos acabam virando a cara, mas Ele também não é alguém de obrigar ninguém a nada. Quem não quer cara, que fique com coroa, mas a oferta sempre será feita. E até que fiquemos com vergonha na cara – isto é, reconhecer nossa fragilidade e dependência –, ficamos privados de ver face a face o perdão e a paz que, conforme a bênção bíblica, o rosto de Deus levantado sobre nós pode refletir. Isto não é novela. É realidade para encarar a vida

Natal é Deus cara a cara conosco. Para nos alimentar com o que o nosso coração anseia – paz. Neste caso, é certo que vamos fazer cara de quem comeu... e adorou.

quinta-feira, dezembro 06, 2007

Acertos

“Eu errei mais de 9000 arremessos em minha carreira. Perdi quase 300 jogos. Em 26 vezes, me foi dada a bola para decidir a partida e eu errei. Falhei muitas e muitas vezes em minha vida. E é por isso que eu tive sucesso”.

Michael Jordan

Parênteses

Fiquei pensando hoje de manhã que as mensagens do Toque de Vida que envio todos os dias podem transmitir uma idéia sobre mim que ultrapassa um pouco a realidade. Especialmente para quem não me conhece mais de perto. Pode haver o risco de se formar a imagem de um cara sempre de bem com a vida, que escreve mensagens para os outros por estar sempre alegre, super confiante, nada abala sua fé, poucas dúvidas e muitas respostas. Sem dúvida alguém que não sabe o significado de ‘dia ruim’.

Mas não é assim.

Eu também preciso do Toque de Vida. Não porque eu escrevo, mas porque os textos são sobre temas que dizem respeito sempre primeiro a mim. Eu aprendi muito depois daquele texto do “não se preocupar tanto co o que os outros dizem”. Lembrei da importância de fazer buracos na escuridão. De utilizar meus talentos como aquela senhora do piano. Pensar melhor em como utilizo o acelerador. Cuidar com a egoíte. Lembrar da linha divisória. E tantos outros.
O que não fala pra mim primeiro, dificilmente falará para alguém mais.

O texto de hoje está bem autobiográfico, reconheço. Mas abri este parêntese para relembrar hoje com você o fato de que a Palavra de Deus fala a todos nós, por igual. Ao doutor em Teologia e ao analfabeto. Ao simples e ao complexo. A todos os que se enquadram na categoria ‘ser humano’. Pois ser reforçado nesta certeza alimenta a confiança para seguirmos em frente. Sabendo que todos precisamos ser tocados constantemente por Jesus, que é a nossa Vida e nossa paz.

E, é claro, para dizer o óbvio. Não, não sou alguém sem dúvidas. Não, não sou sempre confiante, também sou fraco em vários momentos. Sim, eu sei o que é um dia ruim. Sim, eu tenho dificuldades pra levantar da cama de manhã.

Mas principalmente, para afirmar esta realidade da qual creio que você também compartilha: podemos ter dias ruins, dias bons. Momentos fracos, momentos fortes. Chuva e sol. Mas a certeza que jamais nos é tirada é a de que em todos eles podemos continuar felizes e certos da presença de Deus em nossas vidas. Porque se feliz não é um sentimento de momento, uma alegria isolada, uma euforia passageira. É estar no caminho certo, saber disso, e agradecer a Deus sempre por este privilégio.

Felicidade que ultrapassa determinados conceitos efêmeros, imediatistas e finitos do mundo de hoje. Em muito.

Fecha parênteses.

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Amor e vento

“A distância é para o amor o que o vento é para o fogo: extingue os pequenos e alimenta os grandes”

Comte DeBussy-Rabutin

Buracos na escuridão


“O grande autor Robert Louis Stevenson, foi uma criança frágil. Pelo fato de seguidamente estar doente, tinha muitas horas para pensar e filosofar. Uma noite, sentado á janela de casa, reparou o caminho do homem que acendia as lamparinas da rua. Viu como ele ligava o gás, abria o vidro da lamparina e com a chama na ponta de uma vara acendia a luminária de rua.

Virando-se para sua mãe, ele então comentou: “Olhe, mãe. Um homem está descendo a rua fazendo buracos na escuridão!” “

Eu acredito que é assim que seus amigos percebem sua presença positiva e suas palavras de incentivo. Que seu companheiro(a) nota seu sorriso e carinho. Acredito que é assim que as pessoas com quem você trabalha recebem seus gestos de responsabilidade, confiabilidade, gentileza. É assim que pessoas que você nunca viu apreciam seu gesto de cuidado. Buracos na escuridão.

É assim que a fé age, neste mundo cheio de espaços escuros. Esta é a luz do menino de Belém, Jesus Cristo, que perfura as trevas de uma humanidade cegada por seus próprios conceitos e embriagada de suas próprias definições sobre vida e fé. Quando Ele ilumina um coração, a luz é vista de longe e o que vale a pena fica mais perto. Diminuindo o espaço do escuro. Aumentando a esperança sob a Luz.

É neste tipo de buraco, eu tenho certeza, que todos gostamos de cair.

E ficar dentro dele para sempre.

terça-feira, dezembro 04, 2007

sobre humor

“O Humor é também uma maneira de dizer algo sério.“

T.S. Elliot

Talento

Fonte da imagem


Uma senhora, viúva já há algum tempo, quase não saia mais de casa. Isto fez com que, aos poucos, ela fosse trazendo um desânimo profundo para sua vida.

Porém, certo dia, ela decidiu que não iria desistir. Começou a pensar em alternativas para lutar e sair daquela situação. E encontrou uma maneira de fazer tudo ficar diferente.

Como sabia tocar piano desde moça, resolveu voltar a praticar no antigo instrumento da sala. Alguns dias depois, colocou um anúncio no jornal: “Pianista disponível para tocar piano por telefone para quem tiver interesse. Serviço grátis’. Quando as pessoas ligavam, ela perguntava: ‘que hino ou canção você gostaria de ouvir”? Se por acaso não conhecia, sugeria outras. Tocava belas melodias, com lindos acordes. E, desta forma, ela tocou muitas vidas. Especialmente de pessoas que estavam desanimando e começavam a desistir da vida – exatamente como ela se sentira.

Eu não sei qual sua dificuldade agora. E Deus também não me deu o dom de adivinhar seu talento. Mas de uma coisa tenho certeza: Deus quer utilizar esta capacidade para tocar a vida de muitas pessoas. Assim como ele toca nossas vidas com o amor de Jesus e sua obra salvadora, também quer nos ver compartilhando este amor com tantos que estão prestes a parar de lutar, sofrendo no silêncio de sua solidão – mesmo cercada de pessoas.

Você pode não saber tocar piano. Mas não tenho dúvida de que sabe tocar muitos corações. De algum jeito, com o seu talento e com o alcance que estiver ao seu alcance. A melodia produzida por um coração cheio de fé e de vontade de compartilhar um toque de vida sempre é claramente ouvida por muitos corações.

Especialmente aqueles que anseiam por inspiração para escrever novas partituras.

Fonte da ilustração.

segunda-feira, dezembro 03, 2007

Diferença

"Teoria é analisar e estudar decisões. Prática é tomá-las."

Paulo Brum

Frase

“Motivação é o que te faz iniciar. Hábito é o que te faz prosseguir.“

Jim Ryun

Prática

Teoria e prática deveriam andar juntas, para o bem de qualquer atividade, mas o abismo muitas vezes é maior do que as pontes que se consegue construir. Entre a aula de enfermagem e a enfermeira no quarto, por exemplo. Entre a aula de teologia e a prática na paróquia. Entre o militar na casamata e o soldado no campo de batalha. Entre o colega de trabalho que adora teorizar sugestões e aquele que as coloca em prática.

Nem sempre é fácil entender onde está o problema, mas hoje o colega Paulo Brum, em uma reunião pela manhã com o Diretor Linden, do Seminário Concórdia, resumiu bem: Teoria é analisar e estudar decisões. Prática é tomá-las de fato.

E é por isso que você vai ‘levar chumbo’ mesmo, de algum lado, toda vez em que você tomar uma decisão, ao invés de apenas teorizar sobre ela. Quando você decidir ser mais enérgico na correção do seu filho. Quando você precisa cortar gastos. Quando realizar algum trabalho de assistência e auxílio. Quando administrar um negócio. Se tiver que servir café com açúcar ou adoçante.

A ênfase do texto de hoje na prática não é por desprezar a teoria, a reflexão, mas porque a verdade é que para a última mais facilmente se encontra voluntários do que para a primeira. É importante lembrar que as coisas começam a mudar e acontecer quando alguém age, Quando a ponte é construída. Ou seja, quando as decisões que são teorizadas e analisadas são de fato tomadas. São levadas a termo. E com a consciência de que todas elas podem ter dois finais: erros e acertos. Estamos sujeitos a elogios e também a sugestões.

Para todas elas, podemos contar com quem fez do auxilio uma teoria prática. Quando Deus resolveu amar o ser humano, Ele fez disso uma decisão tomada, efetivada, em Jesus Cristo. Quando o conteúdo ‘teórico’ de Sua Palavra passa pelo coração e se reflete em decisões praticas, o aprendizado se multiplica. Muitos resultados acontecem. Claro, nem todos positivos, mas perdão e recomeço também são reflexo prático da teoria do amor de Deus. Pois se tem um enunciado que sempre está certo é o que afirma que Ele jamais vai deixar de nos dar amparo e suporte em qualquer situação. E decisão.

Apoio sempre servido em doses generosas. Seja com açúcar ou adoçante.

sexta-feira, novembro 30, 2007

Frase

“A liberdade implica responsabilidade; é por isso que tantos homens a temem.“

Bernard Shaw

Acelerador

A invenção do automóvel como uma extensão dos nossos pés facilitou a vida, nos fazendo chegar mais rápido. Mas também trouxe esta peça que permitiu a muitos mostrarem nas ruas e estradas muito do que são: o acelerador.

O pedal de aceleração é uma das mais reveladoras extensões do nosso corpo, escreveu o teólogo alemão Helmuth Thielecke. Ele tinha razão. Basta pensarmos no que está por trás do acelerar ‘a mil’. Sair ‘cantando pneus’. Andar muito devagar; ‘costurar’. Usá-lo para pressionar o carro da frente. Acioná-lo depois de chegar no carro com os pés tropeçando um no outro...

O acelerador do carro revela quem e como o motorista é.

A solução não é simplesmente andar devagar. Andando a 30 por hora numa auto-estrada você também vai estar errado, Um avião não decola a menos de 200 km/h. Há momentos na vida em que a pressa é amiga da promoção, da finalização, da negociação, da solução, e por aí vai. Mas o ponto aqui é descobrir a velocidade adequada para a estrada em que estamos. Até Jesus Cristo fez isso. Houve momento em que ele pisou fundo com vendilhões no templo. Em outros, praticamente ‘parou o carro’ para acolher criancinhas e brincar com elas.

É fundamental termos a noção em nossa vida de que não estamos sozinhos na estrada, e que precisamos utilizar o acelerador levando em consideração o outro. Não é necessário pressionar sem motivo, provar sem razão, achar-se mais algum motivo ou andar devagar pra prejudicar. O que se aplica também a quem não tem carro. O uso adequado do acelerador na estrada em que estamos pode ser a diferença entre segurança e risco, entre acidente e prevenção. Até mesmo entre morte e vida.

Deus deu para cada um seu velocímetro pessoal, e é preciso saber respeitar. E existem as leis da estrada que se aplicam a todos, que sempre faz bem observar

quinta-feira, novembro 29, 2007

Livro

Diversos leitores e telespectadores têm sugerido lançarmos um livro com mensagens do Toque de Vida. Quem sabe 50, ou 100 delas.

E você, o que acha da idéia?

Estável

Silvio e Antônio voltavam do horário de almoço quando passaram por duas colegas de trabalho que vinham na direção oposta.
-Passamos por elas todos os dias nesse horário, não? – comentou Antônio.
-Sim, são lá do andar de baixo, concordou Silvio
-Já notou que elas nunca cumprimentam?
- Pois é.
- Ás vezes me dá uma curiosidade.. o que será que essas duas antipáticas estão pensando?
- Olha...graças a Deus eu não sei.

É melhor assim. Mesmo que dê curiosidade de saber porquê este não olha, aquela não cumprimenta, o outro faz uma cara que parece que não gosta da gente. Saber o que os outros estão pensando.

Graças a Deus não sabemos.

Basta pensar no contrário. Vamos tentar fazer uma lista de possíveis pensamentos de pessoas com quem convivemos, diária ou regularmente.
“Como é antipática, cruzes”
“Que bom passar por aqui todo dia, acho ele uma gracinha”
“No mínimo é mais uma daquelas pessoas chatas”
“Vai ver é puxa saco do chefe, por isso tem esse cargo”
“Ela esta sempre de bem com a vida”
“Só de olhar pra cara no primeiro dia já não gostei”
“Como ela se veste bem, dá gosto de olhar”

Aonde isso vai nos levar? Os reflexos rápidos do espelho de nosso ambiente social não são fiéis. Nunca são. Porque poucas são as pessoas que realmente conhecem nossa clara e nossa gema. A maioria só vê a casca.
Se soubéssemos tudo o que os outros pensam a nosso respeito, fatalmente isso influenciaria nossa percepção de nós mesmos. Querendo ou não. E aí estaríamos sujeitos a tantos pensamentos diferentes e contraditórios que não teríamos segurança sobre quem e como exatamente somos. Uma vida totalmente instável. E talvez em breve uma camisa de força do nosso número apareceria sobre nossa mesa.

É de dentro pra fora que se constrói valor. A partir do caráter, dos princípios, do coração, das idéias. Qualquer pensamento ou julgamento que desconsidere isso, vai estar bastante fora de rota. Tudo bem, é possível reconhecer características das pessoas pelos seus gestos, postura, olhar, entre outros. Mas assim se conhece a superfície e um pouco além, nunca o fundo do mar..

É muito melhor saber o que Deus pensa sobre nós. Especialmente quando estamos com o caráter fundamentado nos princípios que Ele nos dá. Pela fé temos valor já de saída, não só quando nossa imagem chega na retina alheia. Somos filhos, somos amados, recebemos dons. Ou seja, uma opinião absolutamente estável, que não muda conforme o clima, o humor, a temperatura ou a expressão facial.

Esta é uma forma de viver com segurança. Evitando ocupar espaço de memória com todos os pensamentos alheios, mas pensando no que, impulsionados por esta fé, podermos fazer, nossa superfície será o melhor reflexo possível das riquezas de nosso oceano pessoal.

quarta-feira, novembro 28, 2007

Frase

"Fui eu que o fiz", diz a minha memória. "Não posso ter feito isso", diz o meu orgulho e mantém-se inflexível.
Por fim é a memória que cede”.


Nietzsche

Ponte Nova

Estava mais para ‘muito velho’, segundo especialistas, mas mesmo assim o estádio da Fonte Nova, em Salvador, seguiu sendo utilizado. Acabou em tragédia, domingo passado. O desabamento de um degrau da arquibancada matou sete pessoas. Depois do estrago – mas principalmente, da repercussão – o governo local anuncia que decidiu implodir do estádio e construir outro, que ‘seja digno’.

A Fonte Nova, onde cabem 60 mil pessoas, será colocada abalo. E isso por causa de um buraco até pequeno, se comparado com o tamanho do estádio. O problema é que as conseqüências foram muito ruins. Terríveis. Uma pequena abertura... e um grande monumento vê seu fim.

Isso acontece o tempo todo longo da História.com grandes líderes, também. Muitas grandes trajetórias de vida tiveram grandes derrotas pela falta de atenção com detalhes, que levaram a buracos; que levaram a tragédias; que levaram à implosão.

Isso pode acontecer também com a nossa trajetória. Alguns danos que pemitimos permanecer em nossas vidas mais dia menos dia podem nos levar à tragédia. Não dá pra ignorar. Aceitar a pequena ‘gorjeta’ por fora. Concordar com ‘jeitos não convencionais’ de soluções. Achar que não tem problema faltar com gentileza e humildade em pequenas doses. Conviver pacificamente, sem ao menos reagir, contra pequenos e inofensivos maus desejos.
Nestes casos, pode não demorar o dia de colocar a dinamite e a hora de detonar a implosão.

Só que Deus não quer isso. De jeito nenhum. Se com a Fonte Nova o caminho é sem volta – deu problema, fim da linha –, em Deus a Fonte sempre se renova. Há sempre uma ponte nova, pronta para nos levar de volta aos Seus braços. Novo começo. Fonte de conserto para o coração e uma nova chance de os buracos serem preenchidos de paz e nova força. E mais, avisos preventivos, para não precisarmos deixar chegar a este ponto. Mudar de trilho antes que o fim da linha se agigante

Talvez você esteja perto da implosão, neste momento. Pode até mesmo já estar recolhendo os pedaços de uma. Para você também – para todos nós – existe esta ponte nova que nos leva de volta à Fonte, sempre nova, de amor e cuidado de Jesus Cristo por nós. Reconstruir com Ele aponta a certeza de uma explosão de fé e nova maneira de viver.

Para bem mais que sessenta mil pessoas

terça-feira, novembro 27, 2007

Mente

"Ter uma mente boa nã é suficiente. O importante é usá-la bem"

René Descartes

jeito e gosto

Pode não ser algo muito grande, mas costuma nos dar alguma satisfação. Veja se você concorda comigo.

Fazer um comentário, até despretensioso, com uma pessoa. “Sabia que é possível economizar combustível fazendo assim... ‘ “Eu costumo guardar meu sapatos daquele jeito.. “ “Comprei este CD e gostei muito, essa banda é muito boa!

Dali algum tempo, você nota que ela adotou sua sugestão, seu gosto seu jeito. Está ouvindo aquela banda, assando a carne do mesmo jeito que você, arrumando as coisas no armário da maneira em que é feito na sua casa. Você nem notou que falou, ou nem notou que ela notou, mas a pessoa incorporou à sua vida um novo jeito, um novo gosto. Influenciada por sua opinião.

Nunca sabemos do que uma palavra ou um pequeno gesto é capaz. Nosso poder de influência às vezes extrapola nossa capacidade de consciência. Por isso, se pudermos espalhar muitas palavras e gestos de boa qualidade, melhor. Pois existe o outro lado. Pode acontecer de alguém nos pegar justamente num momento da palavra errada, ou do gesto indevido. Aí, será um problema se ela resolver ser influenciada por esta sugestão.

Problema que Deus gosta de e quer evitar, mostrando com sugestões claras e gestos precisos, pelos seus ensinos, suas obras, pelo que nos acontece em nosso dia. Pode ter certeza de que Ele também fica muito feliz quando nota que você e eu acatamos uma sugestão feita por ele. “Ore continuamente’ . “Entregue o seu caminho para mim’. “Encha sua mente com tudo o que é bom”. “Chame meu nome do dia da angústia, eu te livrarei, e você me glorificará”.

Uma influência que, tenho certeza, deixa nosso Pai muito satisfeito. E que incorpora à nossa vida um jeito e um gosto que ninguém consegue igualar.

Creio que concordamos sobre isso, não?

segunda-feira, novembro 26, 2007

Mapa Mundi

Primeiro achei que ela ficaria só nos países mais 'famosos'. Mas ela sabe até onde é o Sri Lanka, Turcomenistão e Costa do Marfim.
Lilly é uma menina de 2 anos que sabe encontrar praticamente qualquer país no Mapa Mundi.
Quer competir com ela?




Ou aqui.

Frase

“Nós não conseguirmos amar realmente alguém com quem nunca damos risadas”.

Agnes Repplier

egoite

Gastrite é no estômago. Rinite, no nariz. Otite, no ouvido. São vários os lugares, mas o significado é o mesmo. Ite é o sufixo grego que indica inflamação. Sempre que o médico disser alguma coisa que termine com ele, é porque algo em nosso corpo está inflamado.

Existe um perigo maior que ronda nossa vida. A ‘egoite’. Neste caso, o problema está em outro lugar. E, infelizmente, é uma região que dificilmente a pessoa que sofre dele consegue alcançar. Por isso, precisa de ajuda.

A inflamação do ego, está certo, não é uma doença nova, mas ultimamente tem ganho mais combustível para seu desenvolvimento. A busca desesperada por exposição nos meios de comunicação é um dos principais sintomas. Mas não o único. A disputa por vagas no ambiente de trabalho. A busca pelo centro no circulo de amizades. As rivalidades e competições. O ego se inflama, se sobrepõe ao dono, e infecciona não apenas a si, como contamina todo o ambiente com o qual interage.
E é transmissível. Em efeito dominó.

Todos nós estamos sujeitos à egoíte, mais dia, menos dia. Por muitos dias ou poucas horas. Mas também todos somos alvos do tratamento eficaz que Deus propõe: doses continuas e diárias de humildade e auto-crítica. Sem confundir com auto-depreciação, como não dá pra confundir paracetamol com omeoprazol. Humildade nada tem a ver com desfazer-se, mas sim, construir-se à luz da orientação divina que nos mostra que ninguém de nós tem motivos para se inflamar em vaidade, pois todos um dia voltamos ao pó. E ao mesmo tempo, pela fé, todos nós somos as criaturas mais especiais do mundo, por quem o próprio Filho de Deus deu sua vida.

Egoite, portanto, se cura com ajuda externa. Como uma doença do corpo. Precisamos de Alguém que nos leve a reconhecer que estamos doentes, para então recebermos o tratamento que nos coloca de volta nos trilhos certos. Tratamento que, bem usado, pode causar grandes benefícios aos usuários e seus relacionamentos.

Em efeito dominó.

sexta-feira, novembro 23, 2007

Frase

“Tudo o que nos irrita que vemos em outros pode nos levar a um conhecimento melhor de nós mesmos”

Carl Jung

de mãos dadas

Fonte da imagem

Coloque duas pessoas de opiniões bem diferentes, ou opostas, para discutir. Uma é gremista, outra, colorada. Uma é pró-aborto, outra, pró-vida. Uma gosta de Beatles, a outra, de Rolling Stones.
O Pastor Grasel, nosso capelão geral da Ulbra, comentou ontem sobre este exercício interessante, que ele conheceu numa das aulas em seu mestrado.

Primeiro, deixe-as uma de costas para a outra, e as estimule a discutir por um tempo. Observe a reação.

Depois de um tempo, coloque-as de frente uma para a outra. E então peça para se darem as mãos e continuarem a discussão.

Se elas toparem dar as mãos e continuar discutindo, é quase certo que o resultado será o seguinte: voz mais baixa, opiniões mais ponderadas. Menos agressividade. Aumento na consideração pelo outro. Ninguém necessariamente vai mudar de posição. Mas de atitude, a chance de mudança é grande.

Discutir de mãos dadas. Que fórmula impactante para um casal. Que gesto surpreendente para adversários políticos. Que discussão respeitosa entre pessoas de convicção doutrinária diferente.

Tudo bem, sempre tem quem defenda que contra algumas posições precisamos ser veementes . Não dá pra baixar a voz, é necessário ser forte. Mas o que também é bastante evidente hoje em dia é o estimulo ao confronto, bate-boca, o 'mostrar pra ele/a'. Isto é compreensível, já que, num mundo onde o que existe é o que aparece (na TV, de preferência),.'partir pros finalmentes' é uma opção interessante de existir para a sociedade. Pois todos sabemos que briga e confusão costumam dar mais audiência do que paz e amor. Nas novelas, por exemplo, as mocinhas são mais facilmente rejeitadas pelo público do que as vilãs.
Bem, talvez às vezes seja necessário ser firme. Mas que estas vezes podem ser a minoria menor absoluta mínima, podem. Dá pra incorporar como padrão o discutir de mãos dadas. Se não de fato, pelo menos de coração. Este é o exemplo material perfeito da mistura entre coragem e consideração. Coragem sobre o que falar. Consideração no como falar. E nos leva a resultados surpreendentes.

Se nos dermos conta, é de um jeito parecido que Deus também lida conosco. Ele repreende, aponta nossos erros, nos mostra quando estamos errados. Sem esconder nada. Mas Ele jamais solta nossa mão. Quer dizer, Ele jamais tira Sua mão de sob os nossos pés. Se nós é que quisermos pular fora, esta escolha é possível. Mas no que depender Dele, falar em erros tem um único objetivo - levar ao perdão e ao recomeço.

Seja de fato, ou de coração. Discutir de mãos dadas é o jeito certo de qualquer discussão ter dois mocinhos no final.

Jô e alunos da Ulbra

"O Programa do Jô que será exibido nesta semana pela Rede Globo de Televisão, irá contar com uma platéia especial", diz a matéria da Assessoria de Comunicação Social da Ulbra. São alunos de Administração da Ulbra de Gravataí, RS, participaram das gravações do programa na segunda passada.

O programa deve ir ao ar hoje à noite.

Imagem: ACS Ulbra.



O Programa do Jô que será exibido nesta semana pela Rede Globo de Televisão, irá contar com uma platéia especial, formada por alunos e professores do curso de Administração da ULBRA Gravataí. O grupo participou na última segunda-feira (19/11) das gravações do programa de entrevistas no Projeto da Globo, em São Paulo. Na ocasião, o apresentador Jô Soares falou sobre a presença de estudantes da ULBRA Gravataí no público, e conversou com alguns dos universitários gaúchos presentes. O programa deverá ira ao ar nesta sexta.


Os 30 alunos e dois professores convidados para compor a platéia seguiram para a capital paulista no dia 17 de novembro, em ônibus fretado e retornaram na terça-feira (20/11). O curso contou com o apoio da empresa Viemar, de Canoas, para a confecção de uma camiseta, feita especialmente para a ocasião.

quarta-feira, novembro 21, 2007

Palavras

Otorrinolaringologista.
Paralelepípedo.
Obnubilado.

Qual é a palavra da nossa língua que é mais difícil de dizer?

Eu aposto em duas.
A primeira, ‘desculpe’. Admitir um erro é tão fácil quanto abrir uma garrafa de vinho com os dentes. E sem reconhecer o erro, não há como pedir perdão.

A outra, ‘obrigado’. Pode não parecer, mas tem horas que um obrigado sincero custa a aparecer. Aquela gratidão sincera, de quem realmente reconhece que o outro pode contribuir, e não apenas aquela gratidão forçada, de quem acha que fica chato não agradecer.

Ambas são muito difíceis, pois são uma luta nossa contra nós mesmos.

Neste sentido, Martinho Lutero estava certo quando escreveu que a obra de Jesus Cristo foi nos salvar de nós mesmos. Pois nosso ego tem mais armas e artimanhas para nos derrubar do que nos damos conta. O Mestre ensinou que precisamos abandonar a busca somente em nós mesmos, e olhar para o alto, para ajuda que vem de fora. E ela vem. Pois Deus quer nos dar forças para lidarmos com o nosso ‘eu’ de um jeito que não saiamos prejudicados. Pedir ajuda.
E, é claro, agradecer por ela.

Amanhã é celebrado em vários países o Dia Internacional de Ação de Graças. Um Dia que, claro, pode ser diário, mas que ao menos em uma data do calendário nos lembra desta importante luta. Ampliarmos a presença em nosso vocabulário do ‘obrigado’, uma palavra um tanto difícil de falar, mas que tem facilidade em afastar do coração os sentimentos procelosos.

Palavrinha difícil essa última aí, não?.

terça-feira, novembro 20, 2007

Provérbio

“Uma palavra gentil pode aquecer três meses de inverno”

Provérbio japonês

alimento

Qual o benefício de ler um Toque de Vida quase diário? Será que ele tem a capacidade de alimentar a alma? ‘Alimentar a alma’ acontece mesmo? Pois a gente lê o texto e, depois, passou, seguimos em frente. Um ou outro guardamos, mas é humanamente impossível lembrar de todas as mensagens. Nem quem escreveu consegue.

Talvez você já tenha se perguntado sobre a necessidade de ir todos os domingos, ou todas as semanas, à Igreja. Ouvir a palavra, cantar louvores, orar... Os ministros dizem que isso é “alimentar a fé”. Mas acontece mesmo? A gente vai lá, ouve, fala... mas periga não lembrar de mais nada no domingo seguinte.

A pergunta que me ocorre às vezes é: de que maneira somos alimentados em nossa fé?

Mas também já me fiz outra pergunta: compreender totalmente como isso acontece é pré-requisito para ser efetivamente alimentado?

Pense na sua alimentação diária. Você entende exatamente como o pão, a carne, as frutas (a batata-frita, o doce, as guloseimas...) realizam a alimentação do seu corpo? Creio que para a maioria de nós, depois que o alimento passou da garganta é assunto morto. Não fazemos idéia como, mas de alguma forma aquele bolo alimentar vai nos sustentar por mais algum tempo.
Mas e se entender completamente o processo alimentar fosse indispensável? Talvez somente profissionais da saúde e da alimentação, e alguns poucos interessados no tema, sobreviveriam.

Não quero dizer que o bom é ser ignorante espiritual, simplesmente aceitar o que qualquer um diz. O ponto é: não só porque não entendo como acontece que não esteja de fato acontecendo. (E não é só porque não lembramos do que comemos há 3 meses que aquela refeição não foi importante para nossa sustentação).

A Bíblia nos garante que suas palavras são genuíno leite espiritual, pelo qual nos é dado o crescimento para a salvação. É leite mesmo, não água oxigenada ou soda, como recentemente presenciamos em nosso país. Alimento que... alimenta! De verdade. Deus age de seu jeito, um tanto misterioso para nossa mente, para alimentar com comida de primeira o nosso coração. Pela fé, sabemos que o alimento é bom e vai realizar seu trabalho.

Mesmo sem lembrarmos de cada mensagem, de cada reflexão. Melhor que confiar só na memória ou no intelecto, é confiar em Deus, que jamais esquece de nos alimentar. Se fortalecer o coração acontece de forma misteriosa, os resultados, de maneira maravilhosa.

segunda-feira, novembro 19, 2007

Frase

“Uma das melhores regras de conversação é: nunca dizer alguma coisa que qualquer dos presentes, por alguma razão, poderia desejar que tivesse ficado sem ser dita.”

Jonathan Swift

Retorno

Nem sempre os notamos, nem sempre nos são úteis. Passamos por vários deles na estrada ou na cidade, e só vamos nos dar conta de que existem quando precisamos muito: retornos.
Pegar a rua errada, mudar de idéia, cruzar para o outro lado da rodovia... Nada está perdido quando lembrarmos que o retorno sempre nos dá a chance de buscarmos a nova alternativa de que tanto precisamos.

Tanto que é muito, muito ruim quando precisamos muito retornar em uma rodovia, por exemplo, e nos damos conta de que acabamos de passar por uma oportunidade. O próximo, só mais alguns quilômetros adiante. O que significa perda de tempo, de gasolina e, em muitos casos, de grande parte da paciência.

Você já perdeu algum retorno hoje? Com seu chefe ou colega de trabalho, com o cônjuge, com um amigo; ou mesmo com um mau costume ou vício que você garantiu que ia deixar para trás, mas não conseguiu?

Ainda dá tempo. Talvez nem seja necessário percorrer muitos quilômetros, às vezes são só alguns metros, algumas letras digitadas, alguma frase. Uma decisão firme. O retorno pode estar bem ao alcance. Vale a pena aproveitar agora. Porque o próximo pode demorar. E se para alguma situação tiver sido o último... tudo fica mais difícil. Basta perguntar a uma pessoa que perdeu a chance com alguém e nunca mais pôde retornar, o quanto custa carregar um peso extra por um longo trecho da estrada.

Retorno. Uma oportunidade de não perder a paciência e manter a esperança que começa sempre. Agora, se você quiser. E continua em cada oportunidade que Deus nos dá de reconhecer, retomar. E reconstruir.

sexta-feira, novembro 16, 2007

frase

“As crianças que o mundo quase destrói tornam-se os adultos que vêm a salvá-lo”

Frank Warren

por instrumentos

Pra seguir em frente, e manter a vida o mais estável possível, nossos sentidos não bastam. São algumas vezes que eles nos enganam, ou nos deixam perdidos.
Pior ainda quando ficamos de ponta cabeça. É o momento em que confiar apenas em nossa capacidade de percepção atinge seu ponto mais crítico. Não sabemos se vamos continuar voando, ou se a próxima parada é repentina - de encontro do chão.

Pilotos de caça voam a velocidades que quase não podemos imaginar. Alcançam alturas diversas. E até voam de ponta-cabeça.
Mas para isso, eles não podem confiar apenas nos seus sentidos, apesar de que precisam tê-los todos em ordem. Eles voam por instrumentos. Ainda que ‘sintam’ que algo não está bem, ou ‘tenham a impressão’ de que alguma coisa está diferente, sempre verificam os instrumentos para ter certeza do que está acontecendo exatamente, e de que procedimentos precisam tomar para reverter a situação.

A idéia é aplicável ao nosso vôo. Por instrumentos, ele fica mais seguro. Ao invés de confiar apenas em nossas ‘sensações’, confiar no que o painel mostra dá mais certo.
Painel que recebe outro nome, neste caso. Palavra de Deus. É o instrumento mais preciso que existe para vôo humano. Ela nos dá um quadro real do que acontece. E as melhores sugestões para revertê-lo. Até mesmo de ponta cabeça. Pela fé, dá direção em qualquer altitude. Sustentação pra mantermos nossa rota e para que nossa parada seja suave, com segurança, nos braços de Jesus Cristo.

Nem o melhor piloto do mundo prescinde dos instrumentos do painel. Do mesmo modo, nem o mais ‘pense positivo e tenha auto-confiança’ dos seres humanos pode confiar só nos seus sentidos. Voe confiando no Painel de Instrumentos de Deus. É seguro e eficaz. E significa também muito mais tempo voando de cabeça erguida.

só metade

Chinesa tem apenas a metade do cérebro.

Informa o portal Terra, citando o Anannova, que Zhang Linhong, diretor do Departamento de Reabilitação Neurológica do hospital local, disse que "nos exames de ressonância magnética fomos surpreendidos ao ver que ela só tinha massa cinzenta no lado direito. O entendimento comum é de que o lado esquerdo do cérebro controla a linguagem. Mas esta paciente não tem problemas em se comunicar".

A mãe da mulher disse que a filha vive uma vida normal. "Ela se formou no colégio com boas notas e consegue lembrar números de telefones e nomes imediatamente."


E agora, as pequisas científicas e convicções neurolinguísticas sobre as propriedades e habilidades de cada lado do cérebro estão ameaçadas?

O certo é que a criação, obra de Deus, é algo estupendo demais para ser reduzido somente a definições humanas.
E não cansa de nos surpreender a cada dia.

quarta-feira, novembro 14, 2007

Frase

“Pensando ou fazendo, você incorre em erros. Há somente uma situação em que isso não acontece: ouvindo.”

Martinho Lutero

feriado

Amanhã, feriado da proclamação da República, espero que seja um dia de descanso pra você, ou ao menos, de uma parada na rotina. Faz bem.
E se Deus faz feriado? Ou se, por hipótese, Ele nem mesmo existisse? O que aconteceria?
Vamos ver nossas chances.

Passamos a depender, por exemplo, de governantes. Torcer para que não iniciem guerras, que sejam justos, que tomem decisões favoráveis ao ser humano.
Hum... mau começo.

Talvez pudéssemos depender do humor dos chefes. Para manter o emprego, para ter um aumento, ou um bom ambiente... Puxa, continua não muito bom. Humor já não é algo estável, e se a lenda estiver certa, humor de chefe, então... complicou.

E dependendo do salário? Hum, a maioria viveria somente uns 10 a 15 dias por mês.

Que tal dependermos dos elogios dos outros para saber se temos valor? Até dá pra sobreviver enquanto eles vierem. Mas, e quando se acabarem?

Dependermos, então, somente do sistema de saúde, dos médicos, e dos medicamentos para estarmos saudáveis.
É, está difícil...

Dependermos somente de nós mesmos para alcançar o que precisamos? Aí, no dia em que não estivemos com vontade de sair da cama, quando não estivermos motivados, quando a depressão bater à porta ou quando a desesperança tornar o mundo cinza, será o começo do nosso fim.
Piorou de vez

Não bastasse nenhuma das alternativas acima serem suficientes, ficamos na dependência de nenhuma delas fazer feriado ou tirar férias. Especialmente quando mais precisarmos...

Hum.. não creio que seja muito alentador pensar assim. Em todos estes casos, dependemos de seres humanos: imprevisíveis, voláteis, falíveis - inclusive nós mesmos. Ou seja, estaríamos jogados ao... hum... Deus-dará!...
Exato, na verdade, é isso mesmo. Quando estamos ligados a Ele em fé, estamos mesmo ao Deus dará. Não só sentido aleatório, mas bem preciso. E não num sentido mágico, mas no jeito prático de ver as coisas, e honesto para conosco e com os outros: Se Deus fizer feriado, todo o mundo pára.
Mas Ele ‘não dorme nem cochila’, como diz o Salmo bíblico 121. Trabalha para que você descanse Nele. Não descansa para que você tenha forças para o trabalho, para o dia, para a vida.

Mas lembre-se. Ele não faz feriado, mas não vá pensar que você é Deus. Pare periodicamente, descanse. Recupere as energias. Não precisa e não adianta correr desesperadamente atrás do dia de amanhã. Deixe o futuro nas mãos de Quem está trabalhando para isso o tempo todo. Deus não faz feriado para que você possa fazer.
Porque a vida não paga horas extras. Ela cobra.

Sobre conduta

"A única munição eficaz contra você são as balas que você faz e dá ao seu inimigo."

Wade Hughes.

terça-feira, novembro 13, 2007

Frase

“Jamais derrube uma cerca até que você tenha certeza da razão pela qual ela foi erguida”.

G.K Chesterton

modo de ver

Moisés era visto como um simples pastor de ovelhas, gago e até um pouco medroso. E como Deus o viu?

Zaqueu, personagem bíblico, era visto por todos como um baixinho desonesto e indesejável, por ser cobrador de impostos.E como Deus o via?

O apóstolo Paulo era visto por muitos como um falso ou duas caras, pois de perseguidor de cristãos passou a pregador de Jesus.E como Deus o via?

O apóstolo Pedro foi certamente visto por muitos como um traidor, que negou a Jesus na hora de dificuldade.E Jesus, como o viu?

Você também é visto por muitas pessoas, inclusive por você mesmo. E estes modos de ver, diferentes entre si, podem não ser tão bons assim. E, infelizmente, os ruins são os que freqüentemente absorvemos e aceitamos como fato. Gordo, magrela, feio, chato, desengonçado, ranzinza. Desonesto, falso, traidor...

E como Deus vê você?

Do mesmo jeito que viu os personagens acima. Como Deus. Como Pai. Com amor. O modo de Deus muda nossa vida. Para ele não tem aparência, jeito, humor ou condição que mude sua visão de amor para com o ser humano. Seu olhar cuida, seu jeito ampara, sua mão conduz. Deus, pela fé, sempre nos vê com perdão, paz, alegria e vida eterna. Ele olhou para Moisés, Zaqueu, Paulo, Pedro. Ele olha para você de um jeito que ninguém mais é capaz.
Mudança para sempre. E para hoje.

Quando olhar para si, não pergunte apenas o que vê, nem o que os outros vêem. Pergunte sempre ‘como Deus me vê?” A resposta, que é sempre boa, agradável e absolutamente precisa, é muito mais que uma ‘força para a auto-estima’. È certeza para o coração e esperança para a vida inteira.

Pois o modo de ver, muda o viver.

segunda-feira, novembro 12, 2007

Ele nos segue

Muitos pensam em Deus como um ser estático, longe do coração ou da vida humana. Mas a verdade é que seus olhos nos seguem, seu olhar nos acompanha, a cada movimento que fazemos.

O video abaixo, uma ilusão de ótica bem interessante causada pela incidência de luz, é uma boa ilustração disso.







Conforme a incidência da luz da fé sobre o coração, melhor se compreende o genial amor do Pai.

Linha divisória



Confesso que depois eu até fiquei meio na dúvida se devia ter falado ou não. Na hora foi mais rápido que eu, quando vi, já tinha dito ‘mão!” e então, já não dava pra voltar atrás.

Deixa eu explicar. Foi no futebol de sábado. Eu estava marcando o Clever, dentro da área, quando ele chutou a bola e ela pegou não apenas no meu corpo, mas também na minha mão. Foi quando eu exclamei mais rápido que pensei, “mão!”. Acontece que provavelmente ninguém além de mim teria visto o fato, e o jogo teria seguido. Mas eu já tinha falado, e confirmei. Pênalti. Gol do time adversário. Marcado pelo próprio Clever.

Dada a reclamação de um companheiro de time e a zombaria que veio de fora da quadra, fiquei pensando se tinha feito certo mesmo. Mas, no fim, tudo bem, é só um jogo. Saindo dali, tudo acabou e a vida de ninguém vai mudar pra melhor ou pior por causa daquilo.
Minha preocupação é outra quando saímos das quatro linhas e entramos em uma sociedade em que a linha entre o certo e o errado é traçada com aqueles sprays dos árbitros de futebol. Permanece visível por um tempo, mas vai se apagando, sumindo, até ninguém mais ter certeza de onde estava. ‘Já que todo mundo faz, vou fazer também’. ‘Já que o negócio é ser esperto, vou tentar ser mais’. Já que ninguém é perfeito, porque vou tentar ‘dar uma de bom’?
Mas o fato de não podermos fazer tudo serve desculpa para não fazermos nada? Não precisa ser assim. Nem sempre a jogada vai ser leal, mas precisam ser regra as desleais? Nem sempre vamos acertar, mas vamos também nos contentar em ir errando?

No fundo estamos falando de princípios. Quando o fundamento moral de uma pessoa diz que tudo é relativo e que o importa é o resultado, vamos ver muita falta no meio. Mas quando aponta para o certo como o certo e o errado como jogada não intencional, ai a defesa fica mais firme e o ataque, mais certeiro. Bolas pra fora ou na trave continuarão em cena. Mas sempre com chance de replay – que, diferente da transmissão dede TV, pode ser alterado. A bola pode ir pra rede na segunda chance.

Para isso podemos contar sempre com a mão de Deus. Não a do gol do Maradona, mas aquela que nos orienta e auxilia a termos sempre grandes chances de marcar. E também para, movidos pela sabedoria e fé que vêm do banco, darmos uma mão para um mundo carente de enxergar com clareza esta linha divisória.

sábado, novembro 10, 2007

Sobra

O vídeo é só pra ser engraçado.




Mas dá pra aproveitar e fazer uma aplicação.
É bom escolhermos bem nossas companhias. Pois às vezes, os outros fazem coisas erradas e a gente acaba levando a pior.


PS: O vídeo já foi visto mais de 25 milhões de vezes... Impressionante.

sexta-feira, novembro 09, 2007

Camille

"Quando intelectuais tomam a posição de que as pessoas inteligentes não crêem em Deus e que apenas os fracos ou os tolos acreditam no que diz a religião, é um desastre para os mais jovens. Não dá para entender o mundo e sua história sem conhecer as grandes religiões."

Camille Paglia


Mais, aqui.

Publica




Está quase pronta a casa em formato de vaso sanitário.
Dia 11 abre para visitação, na Coréia do Sul, próximo à capital, Seul.


Em breve deve vir a casinha do cachorro, em formato de rolo de papel higiênico.
Um jeito inusitado de tornar pública ao mundo a sua vida: privada.

Fonte

A descoberta do poço de petróleo de Tupi, na bacia de Santos, deve levar o Brasil às 8ª ou 9ª posição das reservas mundiais do produto. Afirmação da ministra das minas e energia, a gaúcha Dilma Roussef. Já se pode imaginar os benefícios que esta nova reserva pode trazer para o país - desde que bem administrada. Aliás, entre outras coisas, é o que a ministra anunciou: “...e ver a melhor forma de transformar essa riqueza num maior benefício para o povo deste país”.

Sabemos que esta descoberta significa tanto porque o petróleo e seus derivados são produtos indispensáveis para mover o mundo. Apenas uma semana ou um dia sem ele bastariam para instalar o caos em todo o planeta. Quase todos os setores da sociedade entrariam em colapso pela falta de algo tão essencial, que move máquinas, motores e vidas.

Por isso, é difícil alguém afirmar que é o ser humano é autônomo, que não depende destes fatores externos para mantê-la. Ou que tudo isso é ilusão e crença de gente limitada que depende de coisas fora de si para continuar vivendo...

Para a maior fonte e reserva de energia que temos, a verdade é ainda mais precisa. Ela não está no Brasil. Nem tampouco na Venezuela ou nos países árabes. Quer dizer, não está somente lá. Está em toda a parte. Todo o ser humano depende de Deus, como fonte geradora da vida, para continuar a viver, existir, se mover. Não é possível que a vida aconteça sem que Ele alimente, abasteça, mantenha de pé.

E quando o amor de Deus perfura a imperfeição, tristeza e indiferença do coração, a vida se torna ainda mais completa, pois ai entra o perdão de Jesus Cristo, pela fé. Uma nova vida em que reconhecemos - com alegria - a dependência desta fonte e passamos a consumir este combustível que não se compra e não se vende – se ganha, para quantos quilômetros precisarmos rodar

Tudo bem, talvez alguém conseguiria escolher um tipo de vida sem nenhum derivado do petróleo. Poderia prescindir de ‘acreditar’ que ele seja necessário. Mas não precisar não significa não existir. Indiretamente, sua vida e o mundo em que ele vive continuarão dependendo também deste combustível fóssil.

Não precisar de Deus, não faz com que Ele deixe de existir. Ele continua agindo na direção do ser humano. Mantendo a vida de todos. Ele tem a melhor forma de transformar essa riqueza em benefício para o povo de qualquer país.

Pois os recursos do Seu amor, ao contrário de poços de petróleo, jamais se esgotam.

quinta-feira, novembro 08, 2007

Luz

Os olhos não percebem o que acontece nas imagens abaixo.
Mas nem por isso deixa de ser real.





Uma boa definição também para a realidade da existência do Criador da luz.


Sobre Deus II

On Nov 8, 2007 2:13 PM, Helio Schwartsman <helio@folhasp.com.br> wrote:

Lucas,

Se eu, que não sou melhor do que ninguém não preciso de Deus, está provado que todos podem prescindir.

Abraço,

H.

*************
On Nov 8, 2007 9:47 PM, Lucas wrote:

Opa, obrigado pela resposta, Hèlio!

Acrescento apenas que nâo precisar não significa não existir. Ninguém precisa de aspirina até ficar com dor de cabeça.

Abraço, igualmente,

Lucas.


PS: Continuação do email de hoje de manhã

Sobre Deus

Estava há pouco lendo uma matéria do jornal Zero Hora sobre Christopher Hitchens, ‘Ele contesta até Deus’, publicada em 03 de novembro. Segundo o autor da matéria, Gabriel Brust, Hitchens respondeu de forma clara e direta. ‘As religiões são ruins porque elas mentem. Simples assim”

Não dá pra negar que, do ponto de vista humano, Hitchens vai sempre levar certa vantagem. Ele trabalha apenas com o que se vê, com o que sente. Com o que pode tocar. E mais. Somente com o que consegue apreender com seu raciocínio mental. Teoricamente, com mais chances de persuadir o pensamento humano.Já cristãos e outros religiosos trabalham com muito do que se percebe, se nota, se crê. Não necessariamente se vê.

Mesmo assim, dá para fazer alguns contrapontos a este jornalista e filósofo britânico, para exercitamos a reflexão, o raciocínio, e também a fé. Já que,do ponto de vista científico dificilmente um tema pode ser declarado encerrado.

_O universo, o sentido da vida, a existência humana e toda a sua complexidade cabem dentro de palavras humanas? Podem ser explicados plenamente pelo que nosso cérebro consegue conceber, nossas mãos conseguem tocar ou nossa capacidade de raciocínio consegue julgar?

_É um ato bastante desonesto. Colocar uma lupa sobre o que pessoas ligadas a religiões fizeram e fazem – fruto da imperfeição e maldade que estão em cada ser humano – e ignorar todo o bem causado pelos que procuraram seguir sua fé de forma séria.
Existem mais homens bomba e guerras santas ou mais pessoas vivendo a sua fé em ações solidárias e humanas na direção ao próximo? Na vida real, é a segunda alternativa. Mas nas paginas dos jornais de alguns livros de história, é a primeira. São as que mais vendem.

_Antes de Hitchens, outros já tentaram matar Deus e as religiões na base do raciocínio. Todos eles estão mortos, enquanto Deus permanece vivo. Pode ser este também o mesmo caminho de Hitchens?

No fim, falta um pouco de base comum para uma discussão honesta. Pois os argumentos de HItchens sempre levarão em conta somente o que o cérebro humano – alguns gramas – consegue conceber, como “livre pensador’. Enquanto a visão cristã sempre se renderá Àquele que é infinitamente mais do que podemos descrever, mas que na simplicidade de duas letras, fé, revela todo o Seu amor, cuidado e veracidade.

Não só para o cérebro, mas também para o coração. Hitchens escolheu só um deles. Os cristãos escolhem os dois.

e-mail a Hélio Schwartsman


A respeito do texto "O renascimento de Deus". Na verdade, sobre a conclusão dele.



"Prezado Sr. Helio:

"Quanto ao ser humano, num ponto ele de fato difere dos outros animais. Insiste em prestar reverência a uma hipótese implausível, que se provou desnecessária e, nos dias de hoje, tem-se mostrado mais destrutiva do que agregadora. "

Errado. O problema é o ser humano, não Deus. Onde houver ser humano, independente de sua crença ou ausência dela, haverá tensão. Até os regimes politicos que tentaram acabar com Ele sucumbiram. Em alguns casos, como o socialismo, se mostraram e se mostram infinitamente mais cruéis do que todas as religiões juntas.

Este é o problema de juntar filosofia com idealismo. Acaba se acreditando na capacidade e autonomia do ser humano muito além do que a realidade pragmática inexorável permite.

"se provou desnecessária". 'Provas' até hoje nunca apresentadas satisfatoria e conclusivamente.


"mais destrutiva do que agregadora". Quando pessoas como o sr. que têm o poder da midia nas mãos quiserem enxergar o bem causado por pessoas comprometidas seriamente com a fé em Deus, serão obrigados pelos fatos a reverem seus silogismos carregados de apriorismos. E a aumentarem o número de páginas dos seus jornais.Se quiser começar agora, com apenas um clique e um exemplo (o da maior universidade brasileira):


Atenciosamente,

PLucas




Problemas

Os problemas, quando enfrentados com fé, são como a neblina. Até prejudicam a visão por algum tempo. Mas logo são obrigados a dar lugar ao Sol.

quarta-feira, novembro 07, 2007

Frase

“Prazer pelo que se faz coloca perfeição no trabalho.”

Ariostóteles

ocupação

Ele vinha passando, indo de um lugar para o outro, correndo para mais uma atividade. Já não bastasse a manhã cheia de atividades, a tarde parecia cada vez mais curta. O dia.
Pra falar a verdade, as semanas estavam parecendo ter só quatro dias.
Ao passar, viu dois jovens sentados, à sombra, tomando um chimarrão. Aparentemente calmos, serenos. “curtindo a vida”.

-Ah, eu queria poder fazer isso a tarde inteira – foi o primeiro pensamento.

Mas a medida em que seguiu caminhando para a próxima tarefa, veio um segundo. E um terceiro.
_Será que é tão ruim ter tanto trabalho?
_Será que eu agüentaria ficar mesmo a tarde inteira sem o que fazer?
_E se agüentasse, seria com calma ou acumulando ansiedade e tensão pelo ‘fazer nada’?

E mais alguns, correlatos. E imediatamente ele se deu conta de que era uma das pessoas mais abençoadas do mundo, porque tinha a lhe esperar vários emails, planejamento, agenda, ligações, vários relatórios... Trabalho. Ocupação. Vida.

Pode haver exceções. Os preguiçosos com orgulho são uma delas, mas creio serem a minoria. O mais certo é que tempo demais para não fazer nada começa a cansar. Ansiar. Prejudicar. Sem falar no que uma mente desocupada consegue planejar de maldades ou besteiras. E não estou falando da mente do outro. Começo pela minha.

Deus mesmo inventou o trabalho, lá no Éden, criando dois jardineiros. Poderíamos quem sabe denominá-los também biólogos, zootecnistas, administradores ou outra qualificação atribuída a eles. Mas trabalho. Ocupação.
Concordo, em nossos dias, o excesso tem prejudicado nosso jeito de viver, de pensar, de se concentrar. Sem falar no jeito de se relacionar, conosco mesmo e com o próximo. Mas é bom poder se ocupar. Exercitar os talentos e habilidades. Produzir. Quem está desempregado ou sem trabalho que o diga. Não é tão divertido assim passar horas tomando chimarrão, olhando televisão ou pensando, ‘será que vou conseguir um trabalho’?

Não digo que alguém vai viver agradecendo pelas incomodações, atrasos, brigas, acúmulo de funções – até porque trabalhar traz muitas coisas boas, não só ruins. Mas que elas nos auxiliam a mantermos nossa vida em foco, não dá pra negar.
E ainda nos fazem valorizar ainda mais as horas que temos para a sombra e o chimarrão.

terça-feira, novembro 06, 2007

gênio

"Talento é quando um atirador atinge um alvo que os outros não conseguem. Gênio é quando um atirador atinge um alvo que os outros não vêem."

Arthur Schopenhauer

Dia perfeito

Ontem tivemos a oportunidade de levar a Dorcas, nossa amiga da Nova Iorque (e leitora do toque de vida, fala português fluentemente) para um passeio em Gramado e Canela. Foi uma tarde-noite bem agradável, com vistas muito belas, como só a serra gaúcha pode proporcionar.

Ao final do dia, ao deixá-la no hotel em Porto Alegre, ela resumiu o passeio em uma frase
- Foi um dia perfeito.

É difícil acreditar que existe algo assim, um 'dia perfeito'. Ela mesmo estava resfriada, caminhando pelas ruas e interagindo conosco com os olhos lacrimejando, provavelmente até um tanto cansada.
Um dia perfeito. Como?


Eu tenho um palpite: um dia pode ser perfeito ou perdido, dependendo de como nos relacionamos com ele. Até mesmo um passeio a Gramado, que tem grandes chances de ter muitas coisas boas, pode ser um dia perdido se ficássemos só pensando nas outras coisas que podemos ter deixado de fazer. Ou se teríamos tempo para tudo. Ou se por acaso não iria chover, ou fazer muito frio. "E se o pneu furar?"

Nosso problema é a tendência notar mais o não bom. O pneu furado, não o macaco e a chave de roda. O cliente que nos xingou, não o que elogiou com um 'obrigado'. A frase mais seca, não o olhar mais doce.Pior ainda quando sofremos por antecipação, pensando no que de ruim poderá acontecer. E acabamos mesmo transformando o perfeito em perdido.

O fato de ser um 'dia' já indica que é muito bom. Estamos vivos, temos oportunidades, relacionamentos. Podemos ter escolhas, tomar decisões – atributo único nosso. Aprender algo novo. Ajudar. Sorrir. E ele se torna perfeito com a companhia certa. Deus, que nos ama tanto e que nos dá sempre um novo dia, é companhia que sempre garante um dia bom.

Quer seja de sol, de chuva, de passeio ou de trabalho no escritório, um ‘dia perfeito’ é assim. A estrada pode ter curvas perigosas, mas sempre com paisagens que agradam o olhar.

segunda-feira, novembro 05, 2007

salmo 23

Este video já ultrapassou 4 milhões de visitas no God Tube - que você já conhece da nossa barra de utilitários ao lado. Marca que poucos videos do You Tube alcançam.

Mesmo não entendendo inglês, ele vale a pena. A menina é uma graça.,

O texto, também.




Mais sobre o que é o God Tube

"Site sobre vídeos cristãos atrai mais de 3 milhões"

quinta-feira, novembro 01, 2007

Batidas

Você já passou por uma pequena batida de trânsito? Daquelas em que há o dano material, mas ninguém se machuca seriamente?
Eu já. No momento, é uma incomodação tremenda. Perde-se um bom tempo até que a situação seja resolvida. Entretanto, passando-se os dias, já contamos o episódio com um fato isolado, lá atrás no tempo, e às vezes, dependendo do caso, até como uma situação engraçada.Às vezes passamos por momentos que nos tomam tempo, dificultam as coisas, emperram nossa vida. Mas talvez possam ser vistos como "pequenas batidas na estrada para a eternidade". Passamos por aquilo tudo, mas sabemos que não vai durar.

Para o dia de finados, esta é uma boa lembrança. A morta é uma batida violenta me nossa alma, em nossa vida. Deixa marcas fortes. Mas sabemos também que isso não via durar. Até porque aquela frase não é verdadeira, “Tudo na vida tem solução, menos a morte”. Até ela já foi solucionada, pela vida de Jesus Cristo.

Ainda mais que sabemos que Deus está presente, não meramente como um guincho para nos rebocar, mas como o próprio mecânico, capaz de nos consertar integralmente e nos fazer seguir viagem. Confiando nele, somos lembrados de que as batidas passam, mas a estrada continua. A morte entristece, mas ela é a penúltima palavra. Pois a última, é do Senhor da Vida. Vida em abundância. E pra sempre.


Para isso, basta apenas estar coberto pelo seguro: Fé.