Buracos na escuridão


“O grande autor Robert Louis Stevenson, foi uma criança frágil. Pelo fato de seguidamente estar doente, tinha muitas horas para pensar e filosofar. Uma noite, sentado á janela de casa, reparou o caminho do homem que acendia as lamparinas da rua. Viu como ele ligava o gás, abria o vidro da lamparina e com a chama na ponta de uma vara acendia a luminária de rua.

Virando-se para sua mãe, ele então comentou: “Olhe, mãe. Um homem está descendo a rua fazendo buracos na escuridão!” “

Eu acredito que é assim que seus amigos percebem sua presença positiva e suas palavras de incentivo. Que seu companheiro(a) nota seu sorriso e carinho. Acredito que é assim que as pessoas com quem você trabalha recebem seus gestos de responsabilidade, confiabilidade, gentileza. É assim que pessoas que você nunca viu apreciam seu gesto de cuidado. Buracos na escuridão.

É assim que a fé age, neste mundo cheio de espaços escuros. Esta é a luz do menino de Belém, Jesus Cristo, que perfura as trevas de uma humanidade cegada por seus próprios conceitos e embriagada de suas próprias definições sobre vida e fé. Quando Ele ilumina um coração, a luz é vista de longe e o que vale a pena fica mais perto. Diminuindo o espaço do escuro. Aumentando a esperança sob a Luz.

É neste tipo de buraco, eu tenho certeza, que todos gostamos de cair.

E ficar dentro dele para sempre.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração