quarta-feira, maio 30, 2012

terça-feira, maio 29, 2012

Esperança e vida


Seja recente, ou já há muito tempo, a perda de uma pessoa querida sempre nos marca. Pode ser pela dor, tristeza e saudade -  o que é natural para o ser humano, criado para viver, mas que, por causa da imperfeição, viu a morte entrar na existência. No entanto, também pode marcar pela alegria e gratidão pela vida e, especialmente, pela esperança da vida eterna. Pois a morte até pode ter entrado, mas entrou para perder. Jesus Cristo é quem saiu vencedor.

Neste sentido, compatilhamos com vocês, estimados leitores, depoimento de uma de nossas amigas do Toque de Vida, que perdeu o pai recentemente. Talvez muitos de nós vamos nos identificar com estas palavras, seja por um ou outro motivo. Mas acima de tudo, desejo que nos identifiquemos com a esperança e a certeza da vida que não tem fim. Isto nos dá segurança e nos move em frente: sabermos que não estamos sós, e que, por meio da fé, um dia estaremos todos juntos.

“Meus queridos amigos do face!!!!!! Quero dizer a todos que passei por uma experiência muito forte, mas muito consoladora. Meu pai, aos 93 anos, pouco antes de partir para os braços do Senhor, falou comigo e com minha filha e diante de enfermeiras, fisioterapeuta e outras pessoas que estavam no quarto do hospital, deu um testemunho de fé com uma força e uma alegria indescritível. Pediu que não deixássemos de falar de Jesus, nosso único Salvador, disse que nada mais na vida interessava a não ser a felicidade de estar com Jesus. Agradeceu pelo milagre da vida, pelos seus 93 anos de bênçãos e pediu que o Senhor tivesse piedade e que lhe desse o descanso eterno.
Foi tudo tão lindo e abençoado que não conseguia me sentir triste.
Tive a graça de conviver com o melhor pai do mundo, com um grande amigo, com um exemplo de fé, de justiça, de retidão e de amorosidade.
Eu sei que ele está bem e descansando nos braços de seu Senhor, mas só fico triste por mim mesma, porque não terei mais meu cafuné quando estava triste, nem meu beijo estalado de boa noite que me deu até a última noite que passamos juntos no hospital.
Meu pai com 93 anos ainda cuidava de seus filhos, netos e bisnetos. Sabia tudo de todos,orava por todos e se mantinha firme no estudo diário da Palavra.
Eu sei que meu Redentor vive e sei que vamos nos reencontrar. Até lá, apenas saudade e todas as lembranças e ensinamentos de um cristão justificado pela fé.
Meu pai, meu grande amigo,meu porto seguro, meu exemplo, um beijo estalado e eu sei que nosso verdadeiro lar não é aqui, espero que no céu possamos dar muitos beijos estalados. Eu vou amar para sempre, mas o melhor de tudo é que sei que fui muito amada.Obrigada pai, obrigada meu Deus de amor por tantas bênçãos, obrigada por ter nos dado todo este tempo na companhia do teu servo.
Como agradecimento meu Senhor, cada dia mais quero te servir, cada dia mais quero te louvar, cada dia mais quero estar perto de Ti.
Queridos amigos, só o que importa é que Jesus morreu por nós, nos deu a vida eterna e a oportunidade de vivermos este amor entre nós. Amo a vida, amo todos vocês, amo meu Senhor!


(Depoimento de Lea Weber


É bom, quando estamos longe, lembrar de como é bom estar em casa.
Melhor ainda é já ter esta certeza antes mesmo de sair.

segunda-feira, maio 28, 2012

Letras juntas


A letra U não parece ser sinônimo de algo ruim, não é verdade? Palavras como União, Unidade e Universidade indicam coisas boas e proveitosas.

Também a Letra I pode ser lembrada por boas referências, como Inteligência, Inovação e Identidade.

Tampouco a Letra T pode ser temida, já que Trabalho, Tempo e Tenacidade fazem parte da nossa lista de coisas importantes.

Mas quando as três estão juntas, aí acontece o problema: UTI.

Só de ouvir falar que alguém está na UTI o arrepio já nos percorre as costas, mesmo quando o risco de morte é reduzido. Estas três letras juntas, na sequência, estão longe da nossa lista de “coisas que gostaria de ouvir a qualquer hora do dia”.

Talvez esse seja o problema de algumas coisas andarem errado em nossas vidas. Determinado comportamento até que não é de todo ruim. Aquela tal pessoa não chega a ser má influência. O costume de ingerir, comer, fazer ou tentar aquela outra coisa também não parece ser tão ofensivo. Mas quando algumas delas andam juntas, ou em exagero, e aí que o estrago começa a ser maior.

É o que acontece, por exemplo, quando várias pessoas, que sozinhas até se comportariam bem, se juntam e permitem que o nível de palavras ou atitudes vá para baixo. Quando um hábito não tão ruim que temos é combinado com a impropriedade do momento. Quando permitimos que o trabalho ande junto com comportamentos que a ele não se adequam. Quando o casamento anda junto com companhias erradas. Até mesmo a fé, quando acompanhada de pensamentos e atitudes que, unidos, conduzem um fanatismo que pode cegar.

Quando andam juntas, algumas coisas podem nos deixar mal. Com risco de morte. Eterna.

Já estas cinco letras separadas, podem dizer pouco, mas juntas, dizem tudo. JESUS. Pois elas lembram que este risco de morte está afastado e que as letras V-I-D-A ganham sentido e fundamentação. Quando andamos junto a ele, e junto ás coisas que, juntas, constroem, sempre será um som que vamos querer ouvir. O tratamento intensivo que nosso coração recebe junto a esta fonte de amor fortalece nosso ser e sustenta nosso viver. Para termos, com qualidade, tempo, identidade, trabalho, unidade, trabalho, união... E mais tudo de bom que o alfabeto possa indicar.

São as letras que, quando juntas, indicam Aquele que nos faz andar bem. E sempre na direção certa.



Rev. Lucas André Albrecht


terça-feira, maio 22, 2012

Pastoral Visita> Santa Maria, RS


No inicio de maio, dias 09 e 10, o projeto pastoral Visita esteve na cidade considerada o coração do Rio Grande do Sul. A ULBRA Santa Maria, RS, completa, em 2012, dez anos de atividade na região. Esta também é a marca que atinge o capelão local, Rev. Vilson Regina, que iniciou as atividades juntamente com campus.

A Pastoral local, alem dos momentos de reflexão como o "Veritas", nas quintas-feiras, atua junto ao corpo discente e docente, em disponibilidade e presença no campus. Age também em parceria com a direção, liderada pelo Prof. Augusto Kirchhein e, ainda, aproveitando as oportunidades na sociedade local.

Confira em video o relato do Rev. Regina e, ao final, o depoimento do Capelão Regional SUL, Rev. Marcelo Muller, destacando as principais contribuições das Coordenações Regionais da Capelania para o trabalho Confessioal (3'35'')

video


O projeto “Pastoral Visita” teve origem no objetivo de conhecer trabalhos pastorais da Grande Porto Alegre, mas já abrange também outras cidades e estados, aproveitando oportunidades de mútuo conhecimento e troca de experiências.


Próxima Visita: Capelania em Santarém, PA -  23 a 25 de maio


Visitas anteriores:
Pastoral ULBRA Manaus, AM
Pastoral ULBRA Torres, RS
UniLassale
Província Marista Centro-Sul
Capelania Hospitalar Luterana
IENH
PUC-RS
Faculdades Dom Bosco

sexta-feira, maio 18, 2012

Afirmação


Estou conectado ao Facebook há 4 anos e, por isso, acompanhei o crescimento da rede no Brasil. De alguns milhares de seguidores na época, hoje já é nossa principal rede social, assim como em vários países do mundo.

Neste período, diversos fenômenos podem ser notados, desde o estabelecimento de redes de divulgação e contato às infinidades de banners e convites para aplicativos. Mas o comportamento surgido que mais me chama a atenção é a necessidade de auto-afirmação, de “gritar para o mundo quem eu sou”. Seja por meio de frases, mensagens, ou atualizações de status. Por exemplo:

“Campanha pela vida, cada um cuida da sua”
“Vai falar de mim, me chame. Sei coisas horríveis a meu respeito”
“Promoção do dia> pague minhas contas e resolva os meus problemas, e ganhe o direito de falar da minha vida”
“Quando eu estiver no chão, bate bastante. Mas quando eu levantar, corre. Corre bastante”
 “Você sabe meu nome, mas não a minha história”

Dentre dezenas de outras.
Muitas delas refletem verdades especificas para alguns momentos, especialmente em face da curiosidade alheia sobre o que não é devido. Por outro, lado, ficamos pensando qual a lógica de exigir privacidade de forma exagerada ao postar frases similares em redes sociais, onde exatamente estamos nos expondo ao mundo inteiro?

Fiquei pensando sobre o que está por trás desta proliferação, e se um dos motivos não seria a necessidade de afirmação de identidade, do valor intrínseco e pessoal, do gritar ao mundo “hei, eu sou alguém de valor, olhem para mim desta forma!”.  E, de fato, em alguns momentos este grito acontece em nossa vida.

Se olharmos para as paginas da Bíblia, no entanto, veremos que esta ansiedade pode se acalmar. Veremos que lá Deus já deixou recados claros a respeito de quem somos. Afirmativas que não deixam duvidas da identidade e do valor do nosso perfil. A principal delas, a de que valemos nada menos que a vida de seu próprio filho, Jesus Cristo, filho de Deus.

Desta forma, podemos olhar para nos mesmos com esta noção e certeza de valor e importância. E compartilhar o mesmo valor com as demais pessoas, pois todas são alvo deste amor. Compartilhar com nossa rede social, real ou virtual, a alegria e certeza de que nosso status é de valor único e permanente.

A maior e melhor afirmação que podemos ter.

E fazer.


Pastor Lucas André Albrecht


Boss


Who is your boss?

Some will be quick to answer while others will take longer.  There may be people who will affirm, "I have no boss." Nonetheless, one way or another in our lives someone or something ends up assuming that position.

For some people, money is their boss. Everything they do is intended to bring more money to their pockets. Every step is calculated considering the amount of money it will bring.
Others obey the agenda, always struggling to keep up with what's required even when other matters of importance come up. Diligently going to appointments and meetings but hardly ever choosing to take control of what is happening.
Many let other's opinions boss them, afraid to take a stand. Usually that's because they are waiting to find out for sure what other people think of their actions, words, clothing or body language.
Shocking as it sounds, there are those controlled by pain, the pain of playing the victim. They use problems and personal issues as excuses for not making their own decisions and sticking to them.

And the list goes on of other bosses - deadlines, clocks, our sexual desires, pressure from other's of their desires, false teachings, to get revenge: The Self...
All given in to by - Humans. Therefore none of these bosses can give the correct destination or goal. And further still, none can bring us safety or trust in a happy life. We are left with - No Hope For The Future.

Only One boss guarantees that. Only One can bring trust and safety in life, for salvation. Also, strength and guidance. Although he is bigger than we may think he does not like to be called a boss. He prefers that we cann him "Father," "Friend," "Brother," " Savior." God, who in Jesus Christ, reveals himself to mankind in love. He gives us all the assurance which only the One who knows us entirely, even better than we know ourselves, can do. So that we can put the other candidates in their appropriate place, not as bossess, but as subordinates. Then we can head for the goal that faith shows us.

For a “boss” like that, any of us would give a beautiful smile every morning, without any doubt.

Rev. Lucas André Albrecht
Chaplain at Ulbra, Parish Pastor at “St. Paul”,
Canoas ,RS, Brazil
www.twitter.com/lucasdje



Translator:
Rev. Paulo S. Albrecht
Rio de Janeiro, RJ, Brasil


Text  revision
Ms. Kim Starr
MA Practical Theology & Deaconess Certified
Wisconsin, US

Un delirio


Un británico llamado Richard Dawkins, famoso por sus ideas ateístas y libros como “Dios es un delirio”, finalmente ejerció el verdadero raciocinio científico sobre el tema. En un debate con el arzobispo  de Canterbury, Dr. Rowan Williams, en la universidad de Oxford, admitió que no puede tener la certeza de que Dios no existe. Mencionó el famoso “espectro de 7 puntos de la escala teísta”, donde 1 seria la certeza completa que Dios existe, y 7, la completa certeza de que el no existe. Dawkins dijo que su posición en la tabla seria 6,9. (en el mismo debate, aun paso por una situación vergonzosa. Después de afirmar que muchos cristianos no saben el nombre del primer libro de la Biblia, no pudo, preguntado por Willians, decir el nombre completo de “La origen de las especies”, de Darwin.)
En las palabras del ex ateo, ahora gnóstico, Dawkins, “Ningún científico podría saber con convicción absoluta que cualquier cosa no exista, sea Dios o otra cosa”. Esto es raciocinio científico. Y, por esta, gana más respecto, por lo menos de mi parte. La verdadera ciencia no puede negar lo que no puede comprobar. Siempre existe espacio para nuevas investigaciones.
Entretanto, por lo menos una cosa tenemos que concordar con el libro de Dawkins: “Dios un delirio”. Pues, ¿qué otra explicación puede haber para lo que El hizo y haz por el ser humano?  Alguien que deja su gloria para encarnar, yendo para el encuentro de quien lo rechazaba. Para sufrir, en una escala de 1 a 7, el nivel 8 o arriba. Entregar su propia vida por quien lo mató. Estar presente todos los días, sin nunca descansar. La origen de tanto amor es única, el corazón de Dios. Amor que no se puede medir en una escala, es infinito.
De 1 a 7, Dawkins dice estar en 6,9. Allí estábamos nosotros, antes que recibimos el regalo de la fe. Pero y el 0,1, que parece tan poquito para el ser humano, se oculta este infinito y incomparable amor. Quiere decir, no se oculta, se hace real en el rostro y nombre de Jesucristo.
Esto cambia todo. Comenzando por nos enseñar que no somos solamente una especie con origen. Somos hijos con un origen especial, que usa la razón e inteligencia al máximo alcanzable, entretanto, sin miedo, mantiene la fe con la esencia del vivir.
Un delirio, sin dudas, para la mente solitaria. Pero algo lógico, clarito y seguro cuando esta acompañada por el corazón.

Pastor Lucas André Albrecht
Capellán de la ULBRA, Pastor de la Congregación ‘San Pablo’ 
Canoas, Brasil



Traducción:
Rev. Walter T.Ries Jr.
Misionero Luterano en La Republica Dominicana

quarta-feira, maio 16, 2012

Dificilmente há uma vitória mais satisfatória do que cumprir uma promessa feita a si mesmo.

terça-feira, maio 15, 2012

Promessas possíveis


Se tem uma coisa que nos frustra, chateia, e até deprime, são promessas não cumpridas

Podem ser as promessas do outro. Aquele que disse que estaria lá e não estava, a promessa de casamento, a entrega na data certa, a satisfação garantida. Aquele tipo de sujeito prometedor que não costuma ser bom cumpridor do que diz.

Podem ser as nossas promessas. As palavras não cumpridas ditas aos filhos, ao cônjuge, ao patrão. Especialmente, quando não cumprimos as promessas que fazemos a nós mesmos. “A partir de hoje, vou perder peso”. “Esta é a ultima vez em que faço isso”. “Sim, eu vou largar este meu vício”. “Eu nunca mais vou...” “A partir de hoje, sempre vou...”

Por que será que nem sempre cumprimos?

Talvez porque muitas das promessas que fazemos são promessas impossíveis. Falamos em perder peso, ganhar confiança, começar isso, impedir aquilo, largar uma tentação. Mas como não são bem refletidas, com uma base realista, levando em conta tanto nossa força quanto nossa fraqueza de vontade, tornam-se promessas impensadas. E, por conseqüência, impossíveis.

Promessa mal pensada é promessa mal feita. E promessa mal feita, é candidata a ser descumprida. Sejam as pequenas ou as grandes. As inofensivas ou as cruciais. Seja as que geram vida ou as que acabam em morte. Ainda que não a física, mas pode ser o fim de um relacionamento, de uma amizade, de um grande projeto, de um recomeço. De um sonho que tinha tudo para ser bom.

Nesta hora, podemos lembrar da palavra suave, firme e segura de Deus: para Ele, não há impossíveis em todas as suas promessas. A palavra não é ‘algumas’, ou ‘muitas’. Nem mesmo ‘quase todas’. É  abrangente e completo: Ele só promete o que cumpre. A maior destas promessas, em Jesus Cristo, se cumpriu e nos certifica de que as Suas são sempre possíveis. Presentes, permanentes, reais.

E é na sua Palavra, onde suas promessas estão registradas, que encontramos sustentação para fazermos as nossas. Promessas realistas, pensadas, possíveis. E que, por isso, têm mais chance de darem certo. Só que, mesmo assim, nem sempre darão. Para estas horas de falha, a promessa do perdão continua a se cumprir, para dar segurança e nova força para viver.

Promessa assim é impossível não trazer alegria ao coração. 

segunda-feira, maio 14, 2012

Pastoral Visita: Manaus, AM

No final do mês de abril, o projeto "Pastoral Visita"conheceu, dos dias 25 a 27, o trabalho confessional na Unidade da ULBRA em Manaus, AM. Liderada pelo recém chegado capelão, Rev. Gerson Prates,  a capelania da unidade trabalha com eventos, ações, presença, proximidade e parceria com a direção.

Trabalhando tanto no Ensino Superior como na Escola Concórdia, com aulas de ensino religioso no nível fundamental e médio, o Rev. Prates destacou a imersão em uma nova cultura, o testemunho cristão na sociedade e as oportunidades de contato e interação. A atuação junto com a equipe diretiva também propicia crescimento da confessionalidade como parte dos processos da instituição.

Confira, em vídeo, o relato do P. Gérson (3'29'')
video


O projeto “Pastoral Visita” teve origem no objetivo de conhecer trabalhos pastorais da Grande Porto Alegre, mas já abrange também outras cidades e estados, aproveitando oportunidades de mútuo conhecimento e troca de experiências.


Próxima Visita: Capelania em Santa Maria, RS -  10 de maio


Visitas anteriores:
Pastoral Ulbra Torres, RS
Pastoral UniLassale
Província Marista Centro-Sul
Capelania Hospitalar Luterana
IENH
PUC-RS
Faculdades Dom Bosco

domingo, maio 13, 2012

Às vezes sempre


Às vezes você está longe – mas está sempre por perto do meu ser.
Você pode ter momentos tristes – mas a ser alegre, aprendi com você.
Às vezes você pode estar cansada da vida real - mas com você aprendi a sonhar.
Você até ralhou comigo em tantos momentos – mas com você aprendi belas palavras, que valem por uma vida.
Às vezes você me deu o seu colo – mas sei que muitas vezes gostaria do meu abraço.
Você é sempre exaltada pelo que faz – mas sei que às vezes não dispensaria ser lembrada por quem é.
Às vezes você quase perde as esperanças – mas sempre ensinou o melhor caminho: fé em Deus.
Às vezes lembramos da mãe somente em um dia especial. Mas sabemos que este dia se repete sempre. Porque mãe não deixa de ser nem por um minuto. É uma missão de Deus para toda a vida.

Às vezes ser mãe tem seus momentos de tensão, ansiedade e dificuldades, mas jamais torna-se apenas uma obrigação ou fardo. Porque uma mãe não trabalha apenas com as mãos, orienta apenas com a voz, nem enxerga somente com os olhos. Uma mãe não sorri apenas com os lábios nem repreende apenas com o olhar.  Ela faz tudo isso sempre com o coração. Ele é quem faz. Quem acolhe e quem educa. Quem sustenta.

Por isso, mãe, se às vezes teu coração está triste, machucado ou sofrido, lembre-se sempre de que o Papai do céu te ama como filha, te acolhe com carinho e te fortalece a fé no Filho para que sigas em frente, com a força que Ele dá.

MÂE!
Às vezes eu não digo,
Mas sempre penso muito:
EU AMO VOCÊ!

sábado, maio 12, 2012

Entregar su vida


Mirando un documental en televisión, conocí un poco la historia de Peter Norman. Un hombre blanco, australiano, que en las olimpiadas de 1968, que se solidarizo con dos estadunidenses negros, Tommie Smith y John Carlos, en la ensena historia que hicieron juntos la famosa gesticulación conocida como Black Power – mano derecha arriba y puño cerrado. Después de esto, no solamente Smith y Carlos sufrieron ataques en su país, como también Norman sufrió lo mismo en Australia. Sus carreras en el atletismo fueron perjudicadas para siempre. En dado momento durante el documental, uno de los estadunidenses dice apuntando para Norman: “¡Hombre, yo daría mi vida por este hombre. Enserio! Ahora mismo, se él necesitara.”
Un gesto muy noble para el punto de vista humano, no hay duda.
Pero, ¿y se Peter Norman no fuera un hombre bueno? Y ¿Si en verdad se descubriera después que el fue una mala persona? (lo que no fue)
Por una persona considerada buena, probable la gente se animara a sufrir. Pero, y ¿por alguien malo? Creo que se complica, ¿No?
Este ejemplo nos enseña la grandeza del amor de Dios en Cristo Jesús, que entrego su vida cuando estábamos en la situación de sus enemigos. Estábamos lejos, alejados, no éramos buenos  para nada. Ahora por medio de la fe, estamos cerca, perdonados. Somos amigos. Pero, más que esto, somos hijos de Dios por medio de esta fe (Libro de la Biblia, Romanos, capitulo 5). Esto es más que solidaridad o un gesto noble. Es amor profundo, reconstrucción, vida.
Cuando nos sentimos abatidos, cansados, en la duda si alguien está de nuestro lado, podemos recordar: se cuando éramos enemigos de Dios El nos amó, imaginen ahora que somos amigos íntimos, cercanos, hijos del Padre. Podemos seguir corriendo nuestra corrida, seguros del resultado final, y seguros del coraje y consideración de Aquel que entregó su vida por Peter Norman, por los Blacks, por los Whites, por todos nosotros.
Y que es el Power de impulsión para nuestros pensamientos, gesticulaciones y acciones.



Pastor Lucas André Albrecht
Capellán del Campus, Pastor de la Congregación ‘San Pablo’ 
Canoas, Brasil



Traducción:
Rev. Walter T.Ries Jr.
Misionero Luterano en La Republica Dominicana

sexta-feira, maio 11, 2012


“Há momentos na vida que são como um parto: grande dor, mas imensa alegria”

Giving one’s own life


I learned in a TV documentary about the life of Peter Norman. He was part of an historic moment at the 1968 Summer Olympic Games. Two black American men, Tommie Smith and John Carlos raised their right arms high with their fists clenched tightly. Norman, a white Australian joined in. The three men suffered the same fate within their respective countries, reprisal. Their athletic careers were forever damaged. The documentary revealed one of the Americans pointing out Norman and saying this about him,"Man, I would give my life for this man. Really! Right now, if I had to."

A noble attitude from a human perspective, no doubt.

However, what if Peter Norman wasn’t a good man? What if he was found out later as a bad person? (That was not the case)

For a good person, maybe we would be willing to suffer. But for someone who is evil…then, not so much…

This gives us a glimpse of the greatness of God’s love in Jesus Christ, who gave up his own life while we were still sinners. We were far away, removed from his sight, we were not good. But now, through faith we are close, forgiven. We are friends with him. More than that, we are sons of God, through this same faith (Biblical book of Romans, chapter 5). This is much more than solidarity or noble attitude. It is deep love, new beginning, life.

When we feel down, tired, doubting if someone is still on our side we may remember: if God has so loved us as we were still his enemies, what can we say now that we are his close friends, nothing less than sons of the Father? We keep on running in our races, knowing what will be the outcome and assured of the courage and consideration of the One who gave his own life for Peter Norman, for the blacks, for the whites; for all.  

He who also is the power that propels thoughts and actions.


Rev. Lucas André Albrecht
Chaplain at Ulbra, Parish Pastor at “St. Paul”,
Canoas ,RS, Brazil
www.twitter.com/lucasdje



Translator:
Rev. Paulo S. Albrecht
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Text  revision
Ms. Kim Starr
MA Practical Theology & Deaconess Certified
Wisconsin, US

Marcação cerrada


por Júlio Jandt



Certa vez, um grupo de escoteiros foi realizar um acampamento de verão. Chegando ao bosque, o chefe do grupo começou a inspeção nas mochilas dos garotos, de acordo com uma lista previamente fornecida. Qual não foi a surpresa quando encontrou na bagagem de um deles comprimidos para resfriados, mercúrio-cromo, esparadrapo, um grosso cobertor, dois pares de meias de lã, um cachecol e um guarda-chuva desmontável. “Por que você trouxe essas bugigangas em pleno verão?”, perguntou o chefe.  “Chefe, será que o senhor nunca teve uma mãe?”, respondeu o menino.

Já vi no futebol muitos jogadores que marcam seus adversários com extrema competência. Em se tratando da vida no lar, pode-se dizer que a tarefa da “marcação cerrada” cabe às mães.

Apenas ela escuta, com seu ouvido biônico, o simples sussurrar do bebê no meio da noite. E levanta para ver o que aconteceu. Quando o filho é bebê, a marcação acontece até quando dorme: a mãe fica acordada só olhando ele dormir. Quando o filho já é maior, a mãe mesmo assim o coloca para dormir e canta para ele.

Isso sem falar nos conselhos: “Leve guarda-chuva!” ou “Está levando um casaco de frio?” – mesmo que estejamos em janeiro. Está sempre perguntando se queremos comer alguma coisa. Quando nos atrasamos para o almoço ou demoramos a chegar, o celular toca: “Vai demorar?” E ainda reclama que o filho não liga...

Elas querem saber aonde vamos, onde fica esse lugar, o que é propriamente esse lugar, quem são nossas companhias, a que horas retornaremos e assim por diante. Elas querem conhecer nossos amigos, querem que eles entrem em casa, que contem de suas famílias, o que fazem e do que gostam. Querem conhecer bem e profundamente a futura nora, ver suas habilidades e contar para elas do que o filhinho gosta.

Uns chamam de exagero. Na verdade, chama-se “amor maternal”. E provavelmente eles só entenderão esse amor o dia que forem mães ou pais. E amarem incondicionalmente. E se preocuparem. E não dormirem. E cuidarem de alguém mais do que cuidam a si próprios.

Nesse dia os filhos também compreenderão melhor o amor de Deus. Um Deus que faz uma “marcação cerrada” com cada um. Não para tolher a liberdade. Mas justamente para concedê-la sem esperar pelo pior. Às vezes achamos que já somos tão donos do próprio nariz que não precisamos mais daquele “telefonema divino” da Sua Palavra, nem do “casaco divino” de Seus conselhos, muito menos da “canção divina” do perdão para dormirmos em paz, sem ansiedade ou preocupações quanto ao amanhã.

O legal disso tudo é que, mesmo com nossa birra, mau humor e incompreensão, mãe é mãe. Ela não faz caso do nosso nariz torcido e continua sempre igual. Na “marcação cerrada”, em profundo amor, carinho e dedicação para uma vida feliz.

O mais legal, porém, é que Deus já nos mostrou, em Jesus, que Sua “marcação é ainda mais cerrada”: revela amor, carinho, dedicação para uma vida feliz e... eterna.



Rev. Júlio Jandt
Itararé, SP

quinta-feira, maio 10, 2012

7 Minutos Itinerante - Dia das Mães

Atividade que será realizada nesta sexta, 11.05, no campus de Canoas.


Nesta sexta-feira, 11.05, a Pastoral da ULBRA Canoas conduzirá um devocional alusivo ao Dia das Mães. Mas se você não puder vir até à capela às 8h45, não se preocupe. O momento 7 Minutos vai até perto de você!

Serão diversos horários ao longo do dia, no saguão de vários prédios do campus. Escolha o local mais próximo ao seu setor e participe!

Pela manhã, participação especial do quarteto misto da Pastoral.

À tarde, a presença do quarteto masculino da Pastoral.


Um momento de música, reflexão e agradecimento a Deus por este maravilhoso presente em nossas vidas: MÃE!


Agenda:
MANHÃ
8h45 – Capela
9h15 – Saguão do prédio 14
9h45 – Saguão do prédio 06
10h15 – Saguão do prédio 01
11h – Saguão do prédio 59 (Odontologia)

 TARDE
14h – ULBRA TV - 4º andar do prédio 16
14h45 – Saguão do Hospital Veterinário
15h15 – Saguão do prédio 55 (Educação Física e Esporte Universitário)
16h – Saguão do prédio 10

SESMC

Postura errada. Deixar o computador receber reflexo da janela. Comer no local de trabalho. Estes são três dos sete erros no escritório, matéria do Jornal Zero Hora que mostra pequenos cuidados que podem melhorar nossa qualidade de vida no trabalho.

É importante evitarmos estes erros. Mas a matéria não aborda outros – o que também não era seu foco –, bem comuns e ainda mais prejudiciais nos ambientes de trabalho. Estes afetam com mais profundidade e não se resolvem com comprimidos, pequenas mudanças ou meras pausas para descanso.

Sete exemplos: falar mal pelas costas. Usar linguagem inadequada. Torcer pela queda do outro. Tratar mal um colega ou um subordinado. Agredir verbal ou fisicamente. Julgar sem conhecer. Não ser humano
E a lista pode aumentar.

São erros que aparentemente podem não prejudicar a saúde física, mas detonam a saúde integral. Pois prejudicam a postura da alma, não dão descanso ao coração e são reflexo de uma atitude que, se for continua e não tratada, nenhum SESMT pode resolver.

Somente o Serviço Especializado em Segurança e Manutenção do Coração, o SESMC. Este tem um único médico e uma único Livro de receitas. Mas que cobre todo e qualquer erro que possa haver. Perdão, novo começo e orientação para seguir o caminho certo, mostrando princípios que apontam para o bem, para convivência em respeito, para a atitude de consideração e cuidado. Para o ser humano. Pois, afinal, crachás, uniformes e hierarquias são invenções nossas, e têm a sua utilidade específica. Para Deus, não há diferença. Todos são alvo do amor incondicional de Jesus Cristo.

Recorrer ao SESMC é garantia de reparo para os erros. Sejam sete, setenta, ou setenta vezes sete.

E certeza de uma postura que fará muito bem ao corpo e ao coração.

terça-feira, maio 08, 2012


  • Muitos homens conseguem construir uma sólida fortuna, mas não muitos, uma sólida família”."


    (J.S. Bryan)

sábado, maio 05, 2012



“Muitas pessoas conseguem construir uma sólida fortuna, mas não uma sólida família.”

(J.S. Bryan)

sexta-feira, maio 04, 2012

Ligação


No convívio com as pessoas, estabelecemos não apenas relações, mas também construímos ligações. Quando o nível de relacionamento se aprofunda, nos ligamos ao outro de forma constante e duradoura. E isto é algo que sempre nos faz bem, não é verdade?
Bem, nem sempre.

Algumas ligações podem nos complicar. É o que acontece no momento no centro do país, e também em muitos arredores. Conexões estão sendo feitas à pessoa de Carlinhos Cachoeira e, por conseqüência, a atos ilícitos de corrupção. Além disso, pode haver muita gente nervosa sobre outras que possam surgir. Isto porque levam não apenas a uma pessoa, mas a um conjunto de valores e atitudes reprováveis, seja para a vida pública ou privada.

No entanto, não apenas nas “cachoeiras” esta o risco. Também nas águas sujas ou nos pequenos reservatórios de águas paradas bem perto de nós. Ali estão tentações similares de estabelecermos ligações que, aparentemente são boas, mas que trazem contaminação para dentro de nossas vidas e dos nossos corações.

No Evangelho de João, capitulo 15, Jesus diz que ele é a Videira e nós, os ramos. Quem está ligado a Ele, dá muito fruto. Aí está uma ligação que sempre faz bem e traz somente boas conseqüências para a vida. Conectados ao Mestre temos a fonte de alimentação e sustentação que não só nos dá sentido e orientação, como também nos leva a produzir muitos e bons frutos.

Esta ligação, que pode ser divulgada aos quatro ventos, às vezes, por medo ou vergonha, fica escondida. Já o tipo de ligação ‘cachoeira’ normalmente se tem medo da divulgação, mas se lida com tranquilidade se estiver escondida. Claro, pois mexem com anseios e interesses que movem o ser humano. Dinheiro, poder, influência, desejos carnais...  No entanto, mesmo que os frutos das ligação com a Videira não pareçam os melhores do ponto de vista humano, já que os frutos das ligações com ‘cachoeiras’ parecem mais vistosos, são permanentes. E conduzem à vida eterna.

E mais, são de natureza e princípios totalmente opostos dos da “cachoeira”. Tanto que, digitando no Google “videira perto de cachoeira’, a resposta é “nenhum resultado encontrado” * Uma brincadeira para ilustrar que os princípios da videira são diferentes, permanentes e conduzem à vida, gerando a melhor e mais duradoura ligação.

Esta, sim, seria bom se toda imprensa pudesse noticiar.



*depois da publicação desta mensagem no blog, já haverá uma referência...




Pastor Lucas André Albrecht