quarta-feira, julho 29, 2015

Planejado


Pode ser que, ao olhar para um prédio nas fases iniciais da construção, a gente fique imaginando se vai dar mesmo tudo certo. Porque, aparentemente, são coisas meio sem pé nem cabeça. Uma abertura é de um jeito, outra, de outro, um número x de camadas de tijolo, esperas para alguma coisa... não parece que vai dar pra fazer aquilo ficar bom. Pelo menos para quem entende pouco ou quase nada do assunto.
Mas é claro que sabemos que alguém planejou aquela construção, e que tudo vai dar certo no final - a menos que seja um empreiteiro corrupto. Como um belo bolo, que primeiro passa pelo estágio de uma massa disforme, um prédio passa por momentos de "nada a ver" para poder ficar bonito de ver.
Lembre-se disso naqueles momentos meio sem sentido, em que nada parece dar certo, e tudo parece somente confusão. Confie, em fé, sua vida Àquele que nos criou. Ele é o mesmo que nos deu nova vida, perdão e oportunidade de vivermos com sentido e direção. E mais, com plena certeza de que não vivemos ao acaso, mas sim, nas mãos que planejaram com carinho o caminho por onde andar.Com Jesus Cristo, a vida é uma obra segura e completa.

Pois ele sempre sabe muito bem o que está fazendo.


(P. Lucas André
Minuto Toque de Vida
Mix FM Poa)
 

sexta-feira, julho 24, 2015

Depende do ponto de vista

por Marcos Schmidt

Ao pisar na Lua naquele 20 de julho de 1969, Edwin Aldrin fez uma descrição intrigante: “Um lugar tão desolado, tão completamente sem vida”. Segundo consta, Aldrin deixou uma pequena placa na Lua com o Salmo 8, que oferece uma confissão comprometedora a um explorador da Nasa: “Quando olho para o céu, que tu criaste, para a Lua e para as estrelas, que puseste nos seus lugares – o que é um simples ser humano para que penses nele? (...) No entanto, fizeste o ser humano inferior somente a ti mesmo (...) Tu lhe deste poder sobre tudo o que criaste; tu puseste todas as coisas debaixo do domínio dele”. 

Dizem os astronautas que a visão da Terra lá de cima é uma experiência arrebatadora. Mas não é preciso ir às alturas para ver as belezas aqui em baixo. E nem duvidar de que isto é obra do mesmo Deus que um dia desceu para fazer da Terra um lugar diferente da Lua, isto é, com vida. Mas isto depende do ponto de vista. Como, por exemplo, ver o arco-íris, que é um reflexo da luz do sol causado pelas gotas da chuva. Dependendo da posição ocupada, a pessoa não vai perceber o fabuloso colorido no céu. Em Gênesis, o Criador diz que o arco-íris é o sinal da aliança que ele fez com todos os seres vivos da terra. O texto explica: "Não haverá outro dilúvio para destruir todos os seres vivos". No Novo Testamento, o apóstolo fala desse dilúvio para comentar outra aliança: "Aquela água representava o batismo, que agora salva vocês (...) o compromisso feito por Deus" (1 Pedro 3.21). Nesse caso, o compromisso divino é a salvação “por meio da ressurreição de Jesus Cristo” (3.22). Mas que também, por conta da posição, pode estar escondido ou revelado.

Nesta semana o famoso cientista Stephen Hawking (aquele que virou filme) lançou um grandioso projeto para buscar vida extraterrestre. Mas, e se não encontrarem nenhum sinal? Tudo depende do ponto de vista. Ou como diz o Salmo cravado na Lua: “Ó Senhor, nosso Deus, a tua grandeza é vista no mundo inteiro”.
           
                                               
Rev. Marcos Schmidt

quarta-feira, julho 22, 2015

SINAL


Na Idade Média, dizem alguns, vendiam-se pedaços da cruz de Cristo, pedras do túmulo, ou talvez gotas do seu sangue, e outras relíquias. Quando estádios famosos são demolidos, muitos tentam guardar pedaços como recordação.

Já alguns seres humanos modernos preferem ser mais bizarros.
 Há alguns anos, vi a notícia de que uma pessoa comprou um pedaço de sanduíche de ovo, supostamente descartado por Britney Spears.

O homem tem necessidade de ligar-se ao seu sagrado através de sinais. Seja sua família, seu ídolo, sua religião, seu deus. A fé, a religiosidade, de uma ou de outra forma, sempre se manifestam em nosso coração
 e vida.

Para os cristãos, nenhum sinal mais claro - e mais contraditório - do que a fé. Pois ao mesmo tempo que é uma certeza, ela se dirige a alguém que não se vê. Jesus Cristo, no entanto, se fez e se faz presente de uma forma única, suprindo nossa maior necessidade – perdão e vida -. Além disso, dá segurança e orientação para a vida e o coração.

Um sinal que é cego para os olhos, mas claro para o coração.


(P. Lucas André
Minuto Toque de Vida
Mix FM Poa)
 



domingo, julho 19, 2015

Carta de amor


Muitas esposas guardam como tesouros envelopes com carimbos postais antigos. São cartas de amor que que seu então namorado lhe escreveu em tempos idos. Elas provavelmente ainda acham lindo o que está escrito lá, mas muitos maridos, após alguns anos de casado, quando lêem uma delas, ficam meio sem jeito lembrando de como eram "melosos" naquele tempo. Claro, eles não se arrependem do que escreveram, afinal, continuam amando sua esposa, mas preferem que o conteúdo tão sentimental fique mesmo só entre os dois....
Com Deus isso não acontece. A Bíblia, com a declaração de amor Dele pela humanidade, tem o carimbo postal de séculos atrás, mas continua a mesma. Quem crê no Filho de Deus passa a ter um relacionamento de amor intenso, meloso, sentimental ou como quisermos chamá-lo.

O Pai não se sente embaraçado pelo que escreveu, ao contrário, faz questão que seus amados filhos divulguem este conteúdo pelo mundo.

E como tem gente que precisa dele, sofrendo de abandono, falta de amor, falta de alguém que lhes diga: "filhinho, eu te amo"!
A Palavra de Deus é uma carta de amor para todos nós. Com carimbo postal de hoje.


(P. Lucas André
Minuto Toque de Vida
Mix FM Poa)
 

segunda-feira, julho 13, 2015

Respostas - Minuto Toque de Vida

Não é raro nos depararmos com perguntas como estas, feitas por outros ou por nós mesmos:

-Por que eu e não outro?
-Se Deus existe, por que há tanta maldade no mundo?
-Se Deus existe, por que ele não aparece pra mim?

Já lhe ocorreu que, em muitos casos, isso pode equivaler a, por exemplo, estarmos na BR-116 rumo ao norte e perguntarmos
-Se Deus existe, por que não me fez chegar em Montevidéu em 2 horas?
-Por que não estou vendo a praia de Porto de Galinhas?
-Porque tantos conseguem chegar em Brasília e eu não?
 

A mim, já.
Perguntas erradas não podem dar respostas certas. Pense nisso.

E, então, pergunte outra vez!


(P. Lucas André
Minuto Toque de Vida
Mix FM Poa)




Minuto Toque de Vida
Ouça, diariamente,às 6h55 e 18h40:
Mix Fm Poa 107.1

terça-feira, julho 07, 2015

Pobre - Minuto Toque de Vida



Você acredita na história de que pessoas menos favorecidas financeiramente, quando agem de maneira errada, estão apenas reagindo à desigualdade social? Que os muitos pobres agem erradamente por culpa da sociedade, ou por serem explorados, ou por causa da concentração de renda, ou... ? Ou seja, que fazer algo errado não seria uma escolha moral, mas ação de uma vítima das circunstâncias?

Pois veja o que aconteceu em Porto Alegre, em função de um jogo de futebol, há alguns anos. Cambistas pagaram papeleiros para irem para a fila comprarem ingresso, em troca de, digamos, 10 ou 20 reais. Estes foram, compraram e, na hora de receber, o que aconteceu? Nada. Não receberam. O pobre roubou o mais pobre. O pobre não pagou o pobre. O ser humano mostra sua cara: alguns cambistas não pagaram o que prometeram.

Neste assunto, a Bíblia tem algo a dizer. Não é o dinheiro que nos faz maus, nem a pobreza que nos purifica.O fato é que o ser humano tem o erro, a maldade dentro de si. E se não for transformado de dentro pra fora, não tem dinheiro, fachada ou cara de coitado que ajude. A paixão e a cobiça vão predominar. Vão instigar a maldade básica, lá no fundo, e, nessa hora, todos querem marcar gol, de placa ou de mão.

A única troca 100% confiável é com Jesus Cristo. Ele troca maldade por perdão, erro por correção. Por meio da fé Nele, troca o que de pior nós temos, pelo melhor que Ele quer nos dar. E não cobra 10 vezes o preço, como muitos cambistas de ingresso fazem.

Na verdade, não cobra nada. Tudo de graça. Um presente de amor..


(P. Lucas André
Minuto Toque de Vida
Mix FM Poa)
 




Minuto Toque de VidaOuça, diariamente,às 6h55 e 18h40:
Mix Fm Poa 107.1

sexta-feira, julho 03, 2015

Minuto Toque de Vida

Duas mensagens, desta semana, do Minuto Toque de Vida, da Mix FM Poa.


Chuva


Chuva pode significar bênção ou maldição. Quer dizer, depende da hora, pode trazer alegria ou incomodação. É o caso de alagamentos e enchentes. Ou de auxílio para a lavoura em épocas de seca. Problema na hora de descer do carro todo arrumado. Solução em dias de muito calor.
Tudo o que a chuva causa, deve à união de suas partes. A gotas são seres minúsculos, mas juntas, são capazes de influenciar o mundo inteiro.
Até a natureza dá provas de que unir-se é o caminho mais certo para grandes feitos. Claro, há os que se unem para desviar dinheiro, para prejudicar pessoas, para desrespeitar a sociedade e as liberdades individuais. Mas o princípio permanece. Ninguém de nós sozinho pode tanto quanto todos nós juntos.
E todos nós juntos, mas sozinhos, não podemos tanto quanto unidos ao amor de Deus - o Pai que se une aos filhos pela fé em Jesus Cristo.
Para fazer deles agentes de perdão e amor num mundo que está perdendo, mas precisa urgentemente reencontrar, a esperança.
(inspirado na mensagem do Samuel Fuhrmann, estudante de Teologia da Ulbra, no programa 7 minutos)


Perguntas

Professores de Teologia costumam dizer que, para uma boa compreensão da Bíblia e da teologia em si, precisamos começar com as perguntas certas.
E não é que muitas vezes a gente começa com as erradas? Especialmente em tempos de crises. Quando ficamos doentes, temos um acidente, ou estamos diante de alguma outra dificuldade, colocamos nossa atenção na pergunta: “quem é o culpado por isso?”. Mas há uma pergunta melhor a ser feita: “Como posso ver a ação de Deus nesta situação?”
Quando um homem cego, certa vez, veio até Jesus Cristo para ser curado, os discípulos do Mestre fizeram uma pergunta errada; “Jesus, de quem é a culpa de ele ser cego?”. Pergunta errada dá em respostas erradas.
O Salvador mostrou que não há como responder a ela. Não se procuram culpados, a não ser a causa geral, isto é, a imperfeição que permeia todo o mundo. O que Ele faz é responder a pergunta que eles não fizeram: “como pode ser vista a ação de Deus apesar disto?” E ele restaura a visão àquele homem.
Antes da resposta, procure a pergunta certa. Pela fé, você tem Alguém que direciona seu olhar para respostas que vão acabar sendo surpreendentes. Não importa a interrogação que a vida venha a colocar.


(P. Lucas André Albrecht)


Minuto Toque de VidaOuça, diariamente,às 6h55 e 18h40:
Mix Fm Poa 107.1
A vida cristã não é um eterno cobrar e cumprir leis, mas sim, um constante viver e crescer na Graça.

quarta-feira, julho 01, 2015

"Misericordia" - HDR

Clipe da Banda Herdeiros, de Porto Alegre;

Em Julho, na programação do Toque de Vida, na Ulbra TV!

 

terça-feira, junho 30, 2015

Lei e Graça

Você ouve um discurso cristão e ele soa como uma cartilha completa do como agradar a Deus.

Você ouve outra palavra cristã e ela desenha somente o cenário de tudo o que não se deve fazer, para não desagradar a Deus.

Você ouve mais comunicações cristãs e pensa que está ouvindo somente o decálogo de como ser moderno, socialmente aceito e ligado ao que há de melhor e mais tolerante, apenas se seguir aquelas regras que ali constam.

Ao contrário do que possa parecer, na verdade, pregações como esta, e muitas outras, não são cristãs. Ou melhor, sendo mais preciso, cumprem apenas parte do que prevê a comunicação bíblica.

A parte que elas cumprem, tem o nome de Lei. Isto se refere a todas as cobranças, imperativos, condenações e determinações que a Bíblia apresenta. E não são poucas. Mesmo que se pegue apenas o Novo Testamento (que, no imaginário popular, não tem lei, ao contrário do Antigo), imperativos e leis não faltam. Começando com o resumo da Bíblia inteira, dada pelo próprio Cristo: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração...amarás o teu próximo como a ti mesmo.” São frases perfeitas, já que ditas pelo próprio mestre. Mas são...Lei.

E o que isto significa? Significa que aponta para, exatamente, o que não conseguimos fazer. Nunca. Nem de modo parcial, quanto mais, perfeito. A partir daí, podemos ver o quão  equivocado é querer transmitir uma mensagem cristã completa anunciando apenas lei. “Faça isso, não faça aquilo, tolere,  não tolere. Ajude, não ajude. Faça a sua parte. Não seja assim. Ponha a mão na consciência. Mais amor, menos ódio”....

Tudo Lei. E toda a Lei bíblica termina nisso: acusar aquilo que não conseguimos fazer.

Mas a lei tem seu objetivo: preparar caminho. Quebrar o coração em seu orgulho e vaidade, criando o terreno propicio para a semente do Evangelho da Graça de Deus. Ai, temos uma mensagem cristã completa. Pois a Graça restaura, levanta, alimenta. A Graça perdoa, anima. A Graça salva. A graça fortalece. Sem ‘mas’, sem ‘talvez, sem ‘só que’. É Graça. E ponto. Tudo o que vier depois é resposta a ela. E também constante volta, já que, ali adiante, a lei vai nos acusar, novamente, de tudo o que falhamos em ser e fazer.

Por isso, andar com Jesus Cristo é um andar na Graça de Deus. É ser porta-voz da lei que denuncia o pecado, sim. Mas é ai que termina sua eficácia. A lei não melhora, não anima, não salva ninguém. Isto é trabalho do Evangelho de Jesus Cristo. É nele que o ser humano é abraçado, confortado, fortalecido e enviado ao mundo para ser reflexo desta graça na vida em que está inserido. Esta é a vocação que recebemos pela fé Nele. Anunciar a única igualdade real e ao alcance – aquela dos filhos diante do Pai..

Ao contrário do que possa parecer, portanto, a vida cristã não é um eterno cobrar e cumprir leis.

Mas sim, um constante viver e crescer na Graça.


(P. Lucas André Albrecht)

Seleção de vozes para O Filho Prógigo


segunda-feira, junho 29, 2015

quinta-feira, junho 25, 2015

Doutrinação na sala de aula

por Marcos Schmidt
 
Em entrevista no Jornal do Almoço da RBS, o professor de Educação da UFRGS, Fernando Becker, respondeu que “as religiões deveriam se preocupar muito mais em fazer evoluir as suas crenças, mas o que a gente vê são adultos professando crenças infantis”. O assunto foi o projeto de lei para ensinar o criacionismo nas aulas escolares de ciência. Também acho que o projeto é um equívoco já que a afirmação “Deus é o Criador” está no âmbito da fé. Por outro lado, isto abre o debate para tanta coisa na escola que deveria ficar na área da ciência, mas virou “religião”. A exemplo da pregação desse professor, de “fazer evoluir as crenças”, e do deboche que “são adultos professando crenças infantis”. Lembro que no meu tempo do ensino fundamental expressei a fé em Gênesis 1 quando o professor explicou a teoria de Darwin. Não esqueço a risada do mestre e o constrangimento que enfrentei diante dos colegas. Algo parecido com a minha filha ao ser qualificada de homofóbica pelo professor depois de testemunhar sua convicção no casamento de homem e mulher.
 
É inegável certas ideologias por trás daquilo que se chama ciência. Tanto que o maior debate no Plano Nacional de Educação é justamente incluir ou não a ideologia de gênero entre as metas propostas. Quem sai perdendo são as crianças e jovens que vão para a escola em busca de conhecimento e são expostas a doutrinações, às quais não podem questionar sob pena de serem alvo de sarcasmo.
 
Jesus disse algo que nunca podemos esquecer: “Felizes são vocês quando os insultam, perseguem e dizem todo o tipo de calúnia contra vocês por serem meus seguidores” (Mateus 5.11). Quanto ao que disse o professor, o Salvador já respondeu: “Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele” (Marcos 10.15). Ou seja, o ridículo de “adultos professando crenças infantis” é o jeito irracional de chegar ao Deus que não só criou o mundo, mas também se sacrificou por ele – a loucura da cruz (1 Coríntios 1.18).
 
 
                                               
Marcos Schmidt
Pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Novo Hamburgo, 27 de junho de 2015

segunda-feira, junho 22, 2015

sexta-feira, junho 19, 2015

Aelbra e ULBRA em apoio à liberdade religiosa no Brasil

Gestores reúnem-se com líderes religiosos e com o governo federal
  
Tendo como mote o apoio à votação do texto do Projeto de Lei 1219/2015, que cria o Estatuto Jurídico da Liberdade Religiosa no Brasil, o reitor da ULBRA, Marcos Fernando Ziemer, o presidente da Aelbra, Paulo Augusto Seifert, e o capelão geral, pastor Lucas André Albrecht, estiveram presentes em várias audiências, ao longo desta quarta-feira, 17.6, em Brasília. Essas atividades foram realizadas junto à coordenação da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE), líderes religiosos, representantes de diversas religiões, agências missionárias e organizações educacionais confessionais com os líderes da Câmara dos Deputados Federais e do Senado Federal, além do vice-presidente da República, Michel Temer.


O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ao receber a comitiva, de imediato, determinou a criação de uma comissão especial para que o trâmite do Projeto de Lei seja feito de uma forma mais célere. O vice-presidente elogiou a iniciativa dos líderes que declararam apoio ao projeto e reforçou seu compromisso em trabalhar pela garantia do direito à liberdade de culto e ao combate de qualquer forma de ‪‎intolerância, ‎discriminação ou desigualdade motivadas em função de credo aos brasileiros e estrangeiros residentes no país, como defende o estatuto. Em apoio ao PL, o senador Renan Calheiros afirmou que será feito um acompanhamento à tramitação dessa proposta na Câmara e, tão logo chegue ao Senado, será discutido um calendário especial para a rápida análise.

Para Ziemer, a questão da liberdade religiosa deve ser apoiada por já estar prevista na Constituição Federal, que é a Lei máxima que rege o Brasil. "Nosso País é laico. Cada cidadão tem a liberdade de escolher uma religião e professar sua fé. Isso está previsto em nossa Constituição. O Estatuto proposto assegura esse princípio de forma clara e precisa”, destaca. A Mantenedora e a ULBRA estabeleceram como um dos pontos de seu Planejamento Estratégico o reforço da sua identidade luterana nas suas ações.

“O Direito de Liberdade Religiosa é o principal direito humano fundamental e nós precisamos deixar isso bem claro na legislação federal. Neste sentido, agradeço o esforço da ANAJURE e de todos os líderes religiosos que nos acompanharam nesta missão histórica. Continuaremos a combater o bom combate aqui no Congresso”, pontuou Leonardo Quintão, deputado federal e autor do Estatuto Jurídico de Liberdade Religiosa.

O objetivo dos encontros foi pedir que a votação do texto na Câmara e no Senado possa ocorrer com celeridade. Nas visitas, também foi entregue uma Moção de apoio ao PL.

Leia aqui o PL 1219/2015.


Leia aqui a Moção.

sexta-feira, junho 12, 2015

A Favor


Olhe para a lista abaixo e, para cada descrição, veja se não vêm à mente, rapidamente, nomes que você conhece.
-Fulano é do tipo que quase nunca sorri.
-Fulana é tipo de pessoa sempre atrasada. 
-Aquela pessoa é sempre a primeira a colocar defeito.
-Aquele que sempre tem uma resposta pra tudo.
-A pessoa que não aceita criticas.
A lista poderia ser grande e, para cada item, lembraríamos de um rosto.
Agora, pense o quão limitada e limitadora é esta nossa tendência, de definirmos e reconhecemos pessoas por um único atributo. E, não raramente, um atributo ruim. Não sabemos como a pessoa é em casa, com amigos, em eventos, em outras situações. Não prestamos atenção em suas outras qualidades. Está dado o rótulo e é assim que ela será reconhecida.
É ruim, não há dúvida. Mas, simplesmente, não conseguimos evitar.
Pelo que você quer ser conhecido? Por ser o que logo se irrita, logo tempo opinião contrária? Logo não concorda? Logo grita? Logo fica magoadinho? Ser aquele do sobrenome encrenqueiro – “Fulano é da família tal, eles são assim, mesmo.” ?
E sua fé, como gostaria que fosse reconhecida: por um único assunto, por um único tema? Por uma opinião contrária? Aquela que, logo, tem uma crítica a fazer? Aquela que sempre soa moralista, condenando os erros de Deus e o mundo? Sim, de Deus também, pois, ao que parece, o ser humano consegue achar que até Deus errou deixando fulano estar vivo, siclano ser contra a minha ideia ou tal evento ou fato acontecer.
Pelo que você quer que sua fé seja reconhecida? Pelo que você é contra?
Pode ser que os cristãos, em muitos momentos, façam isto. Pode ser que nós mesmos venhamos a agir assim. Darmos a entender ao mundo que o cristianismo deve ser entendido a partir daquilo com que não concorda, ou como precisando de uma causa contra a qual lutar.
Mas não é assim. A Bíblia possui 66 livros e uma infinidade de abordagens. Reduzi-la a uma causa ou uma opinião dominante seria desprezar a grandeza da obra de Deus.
Se, ainda assim, em virtude da rapidez ou pouco espaço de expressão, ainda for necessário resumir a fé cristã em pontos específicos, ele não será uma causa, uma ideologia, uma opinião contraria, nem “a minha verdade pessoal e você não tem nada com isso”. Será amor. Amor de Deus por nós. Amor nosso a Deus e ao próximo. Pode também ser um resumo em duas imagens- a cruz e o túmulo vazio. Ou resumo em duas palavras – fé e amor. Ainda, resumo em duas atitudes – coragem e consideração.
Pelo que você quer que sua fé seja reconhecida? Pelo que você é contra? É um caminho.
Mas quando andamos no Caminho, que também é Verdade e Vida, já temos o conteúdo suficiente do qual falar a favor.


(P. Lucas André Albrecht)

segunda-feira, junho 08, 2015

quarta-feira, junho 03, 2015

Conhecimento e fé

por Fernando Garske

 
Você já ouviu alguém dizer que “fé é coisa de gente sem instrução”?

Richard Dawkins, por exemplo, disse certa vez que a falta de informação é que leva pessoas a recorrer à religião. Para ele, como para muitos outros, fé e conhecimento são inimigos irreconciliáveis. De fato, religiosidade fanática e supersticiosa não se mistura com o saber. São como água e óleo. Mas o que dizer do zelo que a fé cristã historicamente tem demonstrado pela educação?

Jesus deu aos apóstolos a ordem de fazer discípulos batizando e ensinando. (Mateus 28. 19,20). Os pais eclesiásticos cedo introduziram o sistema de Catequese. Martinho Lutero, ao se defrontar com uma Alemanha de analfabetos, que não podia ler a Bíblia, escreveu: “Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha, para que criem e mantenham escolas”. E aos pais desmotivados em enviar seus filhos à escola: “Uma prédica para que se mandem os filhos à escola”. Nos Estados Unidos, preocupado com a educação cristã dos jovens, o pastor John Harvard decidiu fazer uma generosa doação em dinheiro e compartilhar os seus livros. A pequena escola, fundada na ocasião, é conhecida hoje como a Universidade de Harvard. Exemplos parecidos temos em nossa região, onde as escolas cristãs já atuavam antes mesmo das públicas. 

A própria pedagogia moderna mistura a sua história com a história da igreja. O “pai” da didática moderna, João Comenius, era um pastor dedicado a educação. No século 17 escreveu “Didática Magna” onde afirmou que educar é ensinar “tudo a todos”. Lançou assim os pilares do ensino obrigatório (a meninos e meninas), sistematizou a educação e propôs a criação de escolas atraentes, que incluíssem recreação e o lazer.

Tanto no passado como no presente, a fé e a devoção a Cristo como Salvador não compactua com a ignorância, mas incentiva e promove o ensino e o conhecimento. Nas palavras de Felipe Melanchton: “A ignorância é a maior adversária da fé, e, por isso, ela deve ser combatida”. 



Rev. Fernando E. Garske
Novo Hamburgo, RS


segunda-feira, junho 01, 2015

quinta-feira, maio 28, 2015