segunda-feira, janeiro 24, 2011

Novo horário

Novo Horário


A partir desta segunda, o Toque de Vida tem novo horário nas noites da Ulbra TV:

De segunda a sábado, 23h40.

Acompanhe!

sábado, janeiro 22, 2011

“Se você não quer entrar na casa do tentação, não pare diante da porta dela.”

(adaptado de Thomas Secker)
Novo Horário


A partir desta segunda, o Toque de Vida tem novo horário nas noites da Ulbra TV:

De segunda a sábado, 23h40.

Acompanhe!

sexta-feira, janeiro 21, 2011

Enfrentar

“Um rapaz escreveu para sua namorada:

Querida, se o mundo fosse como o deserto do Saara, eu rastejaria pela areia quente para encontrá-la. Se eu precisasse atravessar o Atlântico para te ver, enfrentaria até mesmo os tubarões. Eu desafiaria o mais temível dos dragões para estar ao seu lado. Eu te amo!
PS: Vou aí te ver na quinta-feira, se não chover.”

Às vezes somos tão melhores de palavras do que de atitude... No discurso, temos coragem para enfrentar os medos, denunciar o erro, enfrentar o que for necessário para estabelecer aquilo em que acreditamos. Na prática, às vezes uma ‘pequena chuva’ já nos deixa temerosos de dar o próximo passo.

Isso pode se referir à vida pessoal, política, ambiental, relacional; e também à vida de fé. Na mente e nas palavras, acreditamos, temos fé, enfrentamos o que for necessário em nome daquilo que cremos. Na prática, algumas garoazinhas de deboche, desestimulo, ofertas melhores ou argumentos racionais já podem nos deixar com medo de reafirmar com clareza este amor.

Ainda bem que Ele nos amou primeiro. E colocou em prática, enfrentando até a morte em nosso lugar. Tudo o que Jesus Cristo fez mostra o amor de Deus em nossa direção.  E Sua carta de amor, a Palavra, não deixa dúvidas de o quanto Ele nos ama e quer bem. È por causa Dele que, em fé, podemos ter amor no coração. E não apenas ali, mas também nas mãos, nos pés, no olhar, no fazer – atitudes, que desafiam os medos, os monstros, o mundo, se preciso for.

Gestos que sejam reflexos concretos do que é a nossa convicção.


in LIght

People who suffer from sight problems have a precious help to see better: glasses. This invention gives our eyes clarity and precision to the sight we so cherish.

But when in a dark room will it make a difference to wear or not wear glasses? Surely not. We can't see in ambient light when there is no light!

When we live in ambient light, light that surrounds us in a room, but the light is dim...then no lenses in the world will help us. And, if we spend time with those who focus on the darkside of life, or if we "make our plans by night," or live our lives in rotting darkness of despair...then we can't expect to see well either. And, no magnifying glass will solve the biggest problem: the lack of light!

But we have Hope. We have Light. Jesus Christ. He won for us a wide and wonderful, clear and precise ambient light of peace in the presence of The Father. By faith in Him we are brought out of darkness into His panorama of Light. We have the right glass and we can see life through the lenses that show us The Way. In His Light we see more clearly, more precisely. Even beyond that.

Being with Him allows us to
always see...whether in darkness or even in the bright light of sunny days.


Text revision: Kim L. Starr
deaconess certified
residing near St. Louis, MO

quinta-feira, janeiro 20, 2011

Congresso Nacional de Jovens Luteranos

Matéria da RPC (afiliada Rede Globo no Paraná) mostra um pouco do que está sendo o encontro de mais de 1500 jovens luteranos em Foz do Iguaçu, Paraná. O tema: "O começo de uma mudança".

Assista!
Para ser ateu – afirmar que Deus não existe, sem poder provar -  é preciso ter muita fé.

quarta-feira, janeiro 19, 2011

Religião III

...Negar a religião e a fé não significa ser ateu e a-religioso. É impossível para o ser humano viver sem fé. Bill Maher grava parte de seu comentário dirigindo seu carro e conversando com a câmera. Só pode dirigir, e ainda falar, porque acredita que os demais motoristas vão respeitar os sinais de trânsito. Se ele não acreditasse nisso, guiar seria extremamente penoso.
Temos fé em construções, de que não vai cair, no medicamento que compramos. Acreditamos que o avião vai permanecer no ar, que a comida na embalagem está saudável. Na crise de 2008, fomos relembrados de que até o mercado financeiro trabalha na base da confiança. Não é preciso religião para ter fé.
Por isso, documentar críticas à religião corre o risco de soar como ‘falar mal do outro’ para colocar em evidência minha própria visão de  crença e de mundo.

Até aqui, se você teve a paciência de nos acompanhar, trabalhamos com argumentos lógicos e racionais. Oportunos ou não, fica a critério de cada leitor. No entanto, a fé cristã – expressada também por meio da religião - está fundamentada em algo além da razão. As ‘loucuras’ da Palavra de Deus..

Assim, é importante reafirmar com clareza que a fé e religião cristãs baseiam-se nisso: Jesus Cristo, verdadeiro Deus e homem, é o Salvador de toda a humanidade. Todo aquele que crê, tem perdão, salvação e vida eterna. Pela fé Nele, temos uma nova vida, na qual somos 100% salvos e 100% pecadores; somos filhos de Deus, mas continuamos com o pecado, e por isso, continuamos errando, seja sozinhos ou institucionalmente. E isto vai aparecer na nossa vida pessoal, profissional, relacional e também de fé. Organizamos nossa vida religiosa de forma institucional para que esta seja uma forma apenas, variável e em construção, de vivermos este conteúdo de fé em comunidade. As religiões vão errar e acertar até o fim porque são humanas. Os cristãos precisarão continuamente da Palavra e dos Sacramentos para, em Jesus Cristo, serem perdoados e fortalecidos, procurando diminuir os erros – sem omiti-los – e procurando viver a Palavra na vida diária.

Este é o fundamento da fé Cristã. Não a religião institucionalizada em si, mas o ser religado (sentido original da palavra religião) por Jesus Cristo, o caminho, verdade e vida.

“Pessoas com coragem e caráter sempre parecem sinistras para as demais.”

(Herman Hesse)

terça-feira, janeiro 18, 2011

Religião II

Quando se fala sobre os problemas nas religiões, pode emergir uma certa impressão de que, talvez, viver sem religião seja um pouco, ou um muito, melhor do que ter uma.  Talvez pelo pensamento de que assim ao menos não se tenta ser um ‘santo’ que frequenta igreja mesmo cometendo erros como todo mundo.
É fundamental relembrar: a verdadeira religião cristã não existe para ‘criar santos’, humanamente falando. Esta visão não é bíblica. A Igreja não é um clube de santos(perfeitos), mas um hospital de pecadores. Lugar para sermos curados, restaurados na Palavra de Deus e nos Sacramentos, especialmente a Santa Ceia, e sermos enviados novamente à vida diária para procurar viver a fé na prática. Sempre com a consciência de que continuamos a depender de Deus para tentar evitar o erro e fazer o que é correto.

Em alguns momentos, o humorista confronta os cristãos com as supostas ‘incoerências da fé crista. Zomba da Trindade, da concepção virginal em Maria, entre outros ensinos bíblicos. Este é o momento em que, sabendo ou não, dá força à fé cristã. Constatar aquilo que é “louco” para a mente humana é chegar exatamente no que é claro e básico para a fé. Sempre que alguém demonstra as ‘irracionalidades’ da Palavra está reforçando Sua confiabilidade, já que a mensagem central do cristianismo é o ‘escândalo ‘ e ‘loucura’ da cruz de Jesus Cristo. 

Como mencionado anteriormente, existe atualmente uma forte tendência de negação da religião, pensando-se em grupos organizados. O argumento, em alguns casos, demonstra que estes grupos afastaram-se do jeito original de viver em comunidade. Viver a  vida religiosa em particular, de maneira mais direta e pessoal, parece ser o melhor, a postura mais próxima do ideal dos primeiros cristãos.

Não há dúvida de que a forma organizada de religião sempre traz seus problemas, tradições prejudiciais ou ‘vícios’, digamos assim. No entanto, ela trouxe, ao longo dos séculos, formas organizadas de se preservar não só formas e ritos, mas também essência e conteúdo. Possivelmente é graças à religião organizada que hoje qualquer pessoa pode também, se quiser, viver sua vida religiosa particular.

Na verdade, isolar-se de grupos e viver o ‘contato direto com Deus’ é também uma forma organizada de religião. Só que aqui não há determinadas praxes e ordenações que a Igreja agregou ao longo do tempo. Quer dizer, ainda não. Pois já existe a forma pessoal de fazê-lo. Já existe uma ‘liturgia’ e um ‘procedimento’ particular. Este pode ser levado á família. E depois para a geração que vem. No fundo, isolar-se da religião organizada é organizar a própria religião e ser o próprio líder dela.

A intenção aqui não é julgar se é está certo ou errado, mas demonstrar que todos somos litúrgicos, rituais, e sempre nos organizamos, mesmo que minimamente, no que fazemos. Não saímos de um grupo por sermos contra religiões, mas eventualmente  por não concordarmos com aquela manifestação organizada especifica. Em casa, no trabalho ou onde estivermos, vamos acabar criando a nossa instituição, mesmo que seja de uma pessoa só.


(continua)
“É saudável, de vez em quando, colocar um ponto de interrogação nas coisas que você já pressupõe há bastante tempo”.

(Bertrand Russel)

segunda-feira, janeiro 17, 2011

Religião

Não assisti ao documentário inteiro, apenas a um pedaço e mais uma parte do show do humorista Bill Maher. Mas está bem claro seu propósito: falar mal das religiões. Nos vídeos, ele segue uma linha que está em moda na atualidade: bater com força nas formas institucionalizadas de culto a Deus. “A religião não causa nenhum mal?” ironiza. E passa a listar os assassinatos, guerras, crimes sexuais e toda sorte de pecados que, na visão dele, demonstram que qualquer religião não precisaria permanecer existindo.

Inicialmente, é importante dizer que Maher tem alguma razão quando bate nas religiões. Ele diz não acreditar em Deus, mas seu alvo são mais diretamente as instituições humanas. Neste caso, o tiro sempre vai ser certo, já que onde há ser humano, há o que lhe é inerente – erro. È é importante afirmar que as religiões precisam ser conscientes destes erros, alguns realmente bem graves, não fugindo ou escondendo, mas exercitando arrependimento, fé, e propósito de mudança constantes.

Mesmo que fé seja algo que não se explica, se crê, seguem algumas idéias para exercer o contraponto e diálogo com esta forma de expressão.

_Analisar uma construção humana a partir de seus erros é uma das ciências mais exatas que existem. Olhar para as religiões e apontar o que elas têm de errado, incoerente, contraditório... praticamente qualquer pessoa pode fazê-lo; a diferença é que alguns têm mais dinheiro para fazer um documentário. O mesmo vale para qualquer outra: governo, instituições públicas e privadas, associações, entidades filantrópicas, famílias,... Afinal, estamos falando de seres humanos, pecadores. No caso da religião, pecadores que se reúnem pelo perdão e vida. Permanecem pecadores e assim continuarão até o fim. “Não há ninguém que faça o bem, não há um sequer”, a Bíblia deixa claro. Onde quer que o ser humano se reúna, seja com a melhor das boas intenções, sempre será assim. Até mesmo sozinhos já fazemos o que não presta, quanto mais em grupo. Disto não escapa do mais pacifico monge ao mais furioso extremista. A diferença, às vezes, é em termos de consequências humanas. Mas a origem e a fonte do mal é a mesma. O coração.

_Falando especificamente do cristianismo, esta é uma forma de ver a vida que jamais prega o paraíso e a perfeição na terra. Nem sequer perto disso. Se alguém está fazendo algo parecido, não é com autorização do Cristo. Os cristãos sabem que cometeram, cometem e vão cometer erros. Na luta diária, convivem com sucesso e fracasso, vitória e derrota. Sabem que esta é assim a vida cristã. Luta diária, pelo Seu auxílio. A dinâmica de uma vida inteira. Por isso, seguidamente vai acontecer aquilo que não devia.

(continua)

sábado, janeiro 15, 2011

Qual é o seu signo?

de Zerohora.com

"A notícia de que astrônomos do Planetário de Minnesota, nos EUA, teriam apontado uma alteração nos signos do zodíaco em decorrência de mudanças na posição da Terra causou polêmica nesta sexta-feira. Segundo a astróloga Amanda Costa, as informações divulgadas pelos cientistas não são novidade, e já são levadas em consideração pela Astrologia..."

Noticia completa.

Toque de Vida: Qual é o seu signo?

sexta-feira, janeiro 14, 2011

Afirmativos

Na vida real, a sociedade estimula as pessoas a se esforçarem por um mínimo de civilidade e boa convivência. Já na casa da vida de fantasia, o caminho é ao contrário.

Pelo texto de ontem do colega Marcos, um dos últimos mandamentos foi colocado por terra. “Liberei a porrada entre eles”, afirmou o diretor do programa. Os demais já tinham ficado de fora quase desde o princípio. Não tomar o nome Dele em vão, santificar o dia (e não os dias) de descanso. Honrar pai e mãe; não adulterar. O oitavo então, o da fofoca, nem se fala. Cobiça, muito menos. Deus acima de tudo?.... Agora, é o 5º, que protege o corpo e a vida, que fica de fora da casa/estúdio.

Aparentemente, para chutar de vez o decálogo para longe, na próxima edição assalto a mão armada dará direito a imunidade..

Mas tudo bem. Aqui fora da casa, na vida real e realmente importante, continuamos a lutar por um mínimo de civilidade. Cruzada moral e xingamento contra a atração não trará efeito nenhum. Vale mesmo continuar sendo afirmativo: para pessoas reais, vale a regra real. No mundo de verdade, a verdade ainda tem valor. Na vida de pessoas normais, a normalidade do que é certo ainda tem seu valor.

Até porque sabemos que não precisa haver câmeras. Todos somos vistos 24 horas por dia. Só que neste caso, o objetivo não é policiar para punir, nem incentivar a fofoca e a pilantragem. É olhar com amor, cuidar com carinho e conduzir com princípios a vida de todos, por meio da fé no Brother, Jesus. Aliás, é aí que tudo começa. Cumprir mandamentos não é começo, é conseqüência, resultado de um coração
transformado. Coração que, imperfeito, ainda vai tropeçar nas tábuas do Decálogo. Mas que sabe que será levantado pelas mãos Daquele que garantiu a casa eterna a todos.

Não se trata de pregar moralismo - porque este não muda ninguém, e muitas vezes é pregado por quem mais está afundado na lama. Trata-se de afirmar, pregar para a vida. Vida real, dentro de casas reais, com pessoas de verdade, que ainda acreditam no que é certo e errado.

E que gostariam que todos alcançassem o prêmio no final.

Predador e presa - comentário


A respeito da nova descoberta paleontológica de pesquisadores da Ulbra, compartilhamos um comentário do ponto de vista confessional, utilizando texto do Rev.Prof. Dr. Acir Raymann, da Ulbra e do Seminário Concórdia.

Em primeiro lugar, é um momento de celebração o fato de os protagonistas de uma descoberta dessa natureza serem professores da Ulbra, colegas nossos. Há, claro, hipóteses envolvidas nesse e em achados anteriores na região. A principal delas é a questão da datação dos períodos, típica de uma proposta evolucionista com a qual não precisamos concordar.
Em segundo lugar, particularmente acho interessante a explicação dada pelos escavadores dos fósseis do "predador"e da "vítima" terem sido encontrados no mesmo local: "A hipótese mais provável", afirmam eles, "é que os dois animais sucumbiram em um mesmo evento climático, provavelmente uma grande seca seguida de uma inundação." Essa frase vem corroborar o relato bíblico de que estes e outros dinossauros pereceram simultaneamente no dilúvio. Nem todos; alguns estavam na arca!


Dinossauros existiram (e quem sabe ainda existam.) Os fósseis estão aí para atestar. Possivelmente não eram tão grandes como popularmente se imagina. E, como mencionado anteriormente, há hipótese e propostas envolvidas neste e outros achados com as quais não é necessário concordar.Ainda conhecemos muito pouco da criação de Deus. A cada dia nos maravilhamos com novas descobertas seja nas florestas, nos mares ou no espaço sideral. Nestes contextos, a criação divina dá glórias a Deus continuamente (Salmo 19).



Dr. Acir Raymann

quinta-feira, janeiro 13, 2011

“Nada adianta uma tela grande, limpa e colorida, quando o que se vê é pequeno, sujo e obscuro.”

(Marcos Schmidt)

A gente é aquilo que vê

Por Marcos Schmidt


“Todo mundo, sem exceção, é um pouco voyeur”, comenta o psicólogo Jacob Goldberg ao tratar sobre o Big-Brother. Mas explica que pode virar doença quando a pessoa deixa de almoçar para ver o outro almoçando, ou de trabalhar para não perder um lance da vida do vizinho. Para o psicanalista Jurandir Freire, existe também o perigo das más influências. Diz que “as pessoas de uma maneira geral querem encontrar na vida dos outros exemplos para entender e resolver questões de suas próprias vidas. O erro é que essas pessoas que se expõem são as menos indicadas para servir como parâmetro, como exemplo de vida”.

Qual a influência desses reality shows? Boa, ruim, nenhuma? Conseguimos mudar de canal ou até mesmo desligar a televisão? Referindo a este Big-Brother, o seu diretor deixou escapar: “Liberei a porrada entre eles! Será que vai rolar?”. Eles sabem que quanto mais brigas, cenas íntimas, e questões polêmicas iguais à transexualidade de uma atual participante – o resultado é audiência e o retorno financeiro. E é isto o que interessa.

Um exemplo clássico na Bíblia de voyeurismo e exibicionismo é a história de Davi e Bate-Seba (2 Samuel 11). Sem câmeras e binóculos, mas no terraço do seu palácio, o rei enxergou uma mulher muito bonita tomando banho. A história terminaria bem diferente se Davi fixasse os olhos mais na sua esposa, e Bate-Seba fechasse a cortina da janela sem provocar o rei. Mais tarde, Salomão, filho deste caso extraconjugal, recomendou sobre o adultério: “Tenha cuidado com o que você pensa, pois a sua vida é dirigida pelos seus pensamentos” (Provérbios 4.23). Ele ainda poderia dizer que os pensamentos são dirigidos pela visão.

“Venha ver”, disse Filipe para Natanael a respeito de Jesus (João 1.46). Ele foi, viu, e se tornou discípulo. Jesus já tinha dito para André e Pedro: “Venham ver”. E o resultado foi o mesmo. É o Evangelho do próximo Domingo na liturgia cristã, e que faz refletir nesta época de alta definição das telas: o mundo carece de boas imagens para ser melhor. Porque nada adianta uma tela grande, limpa e colorida, quando o que se vê é pequeno, sujo e obscuro. Sem dúvida, a gente pensa, faz e é aquilo que vê.


Rev. Marcos Schmidt
Novo Hamburgo, RS

Predador e presa

A respeito da nova descoberta paleontológica de pesquisadores da Ulbra, compartilhamos um comentário do ponto de vista confessional, utlizando texto do Rev.Prof. Dr. Acir Raymann, da Ulbra e do Seminário Concórdia.


Em primeiro lugar, é um momento de celebração o fato de os protagonistas de uma descoberta dessa natureza serem professores da Ulbra, colegas nossos. Há, claro, hipóteses envolvidas nesse e em achados anteriores na região. A principal delas é a questão da datação dos períodos, típica de uma proposta evolucionista com a qual não precisamos concordar.




Dinossauros existiram (e quem sabe ainda existam.) Os fósseis estão aí para atestar. Possivelmente não eram tão grandes como popularmente se imagina. E, como mencionado anteriormente, há hipótese e propostas envolvidas neste e outros achados com as quais não é necessário concordar.


Ainda conhecemos muito pouco da criação de Deus. A cada dia nos maravilhamos com novas descobertas seja nas florestas, nos mares ou no espaço sideral. Nestes contextos, a criação divina dá glórias a Deus continuamente (Salmo 19).

Dr. Acir Raymann.

Em segundo lugar, particularmente acho interessante a explicação dada pelos escavadores dos fósseis do "predador"e da "vítima" terem sido encontrados no mesmo local: "A hipótese mais provável", afirmam eles, "é que os dois animais sucumbiram em um mesmo evento climático, provavelmente uma grande seca seguida de uma inundação." Essa frase vem corroborar o relato bíblico de que estes e outros dinossauros pereceram simultaneamente no dilúvio. Nem todos; alguns estavam na arca!

terça-feira, janeiro 11, 2011

segunda-feira, janeiro 10, 2011

Olhando em frente

Coisas que nos fazem dizer que um ano é, de fato, novo.



_Sentir-se motivado a aprender mais. E começar a buscar.

_Aprender a sentir-se questionado sem sentir-se atingido.

_Manter promessas pessoais. Nem que seja, ao menos, uma.

_Esquecer más lembranças. Nem que seja, a menos, uma.

_Perceber o que precisa mudar. E conseguir mudar de fato.

_Lembrar do que não deve ter mudança. E não deixar, mesmo, mudar.

_Começar de novo, com paciência, o que o passado, por alguma razão, abateu.

_Voltar a ser você mesmo.

_Continuar a ser quem você é.

_Manter as coisas boas que, no ano velho, se cultivou.

_Não perder de vista a fé, se o pé perder o chão de vista.



Por fim, e mais importante, estar sob o renovado o amor e cuidado de Deus que, em Jesus Cristo, não cansa de nos abraçar e conduzir de novo, a cada ano novo.



Isto é o que não só faz dizer. Leva a viver.

Formaturas

@ulbrapastoral: Cultos de formatura em Canoas já começaram. 05.01 foi o primeiro. Os próximos: 12 e 19.10, 20h, na Capela Universitária.

sábado, janeiro 08, 2011

Vale a leitura

[Lifehacker] O que a cafeína realmente faz com o seu cérebro

"Apesar de tanta popularidade, a cafeína é uma substância muito pouco compreendida. Ela não é um simples estimulante, e funciona de modo diferente para cada pessoa – não funciona da mesma forma nem mesmo para a mesma pessoa, dependendo de circunstâncias como ciclo menstrual, por exemplo. Mas você pode fazer a cafeína funcionar melhor para você. Basta entender os seus efeitos um pouco melhor."

O texto completo, aqui.
(via Eduardo Basso Jr,no Facebook)

Alguns trechos
:

(...)

"A cafeína NÃO te deixa ligado

"...É uma metáfora adequada por deixar bem claro que a cafeína não pisa no acelerador do nosso cérebro, ela apenas desativa um “um dos principais” freios. Há outros compostos e receptores que têm um efeito nos seus níveis de energia – GABA, por exemplo -, mas a cafeína é uma maneira básica de impedir o seu cérebro de se auto-sabotar, de certo modo. Tanto é que Braun escreve: “Você só consegue ficar ‘ligado’ na medida natural do possível para os seus neurotransmissores de excitação”. Em outras palavras, você não pode usar a cafeína para apagar completamente uma semana inteira em que ficou estudando até muito tarde da noite, mas pode usá-la para sentir-se com menos sono pela manhã após uma noite curta."

(...)

Ela melhora a sua velocidade, mas não necessariamente a sua habilidade

O consenso geral nos estudos sobre cafeína mostra que ela pode melhorar a sua produtividade, mas principalmente em certos tipos de atividade. Para pessoas cansadas que estão realizando um trabalho relativamente direto, que não exige muito pensamento abstrato ou raciocínio, o café demonstrou aumentar a quantidade e a qualidade dos resultados. A cafeína também demonstrou ajudar na criação e retenção de “memória declarativa”, o tipo que é mais usado por estudantes para lembrar de listas ou decorar respostas de questões para provas..."

sexta-feira, janeiro 07, 2011

domingo, janeiro 02, 2011

Mensagem do Presidente da IELB

Presidente da IELB, Rev. Egon Kopereck, em sua mensagem de fim de ano, posiciona-se a respeito de temas que preocupam para 2011.