domingo, julho 27, 2014

Continue andando


Pessoas vão sugerir que você desista. Continue andando.
Pessoas vão duvidar da sua capacidade. Continue andando.
Pessoas vão rir e até zombar de sua persistência. Continue andando.
Pessoas vão bater em você sempre que a oportunidade surgir. Continue andando.
Pessoas vão dizer que é o fim. Continue andando.
Pessoas vão esquecer suas qualidades, fazer matérias sobre os seus defeitos, e vão inventar
outros. Continue andando.
Pessoas vão torcer pela queda e pelo fim. Continue andando.

E, no entanto, muitas pessoas vão lhe abraçar, estimular, vão lhe impulsionar a criar, imaginar, superar. Amar, educar, viver. Vão torcer pelo seu melhor.


E, então, você vai agradecer a Deus por jamais ter aceitado parar.


(P.Lucas André)

Fonte da imagem

quarta-feira, julho 09, 2014

Positivo

Pensar positivo já virou um chavão tão corrente que, as vezes, não paramos para nos dar conta de que ele pode nos deixar mais mal do que bem.

Pensamento positivo nos deixar mal...como assim?

Basta lembrarmos que, nas situações realmente importantes e nas realmente decisivas da vida, pensar positivo não resolve. Pensar positivamente ajuda a alcançar a graduação? Pensamento positivo nos faz crescer na carreira profissional? Ou, ainda, pode resolver uma discussão ou um problema sério com alguém, manter ou perder peso, consertar o carro?...
Pensando bem, nem nas que mais importam, nem nas que menos.  Pensar positivo não faz a louça sumir da pia, não arruma a cama nem vence uma partida de futebol.

Não tem jeito. Algumas coisas da vida necessitam mais do que determinação e atitude positiva.  Precisam de conhecimento.  Habilidade. Precisam de esforço consciente e concentrado, com domínio do fato para que possam realmente produzir resultado.

Aí sim, quando há conhecimento, capacidade, habilidade, sem dúvida ter determinação e pensar positivo serão um impulso a mais. Para que não sejam meros chavões, mas façam parte do molho de chaves que nos auxiliam a passar pelas portas importantes.

Acima de tudo, precisamos, fundamentalmente, de fé. Pode parecer que ela, sim, é nada mais que um tipo de pensamento positivo. Só que não. Especialmente para o que é decisivo. Ela se agarra à certeza de que Jesus Cristo não ficou no pensamento e na Palavra. Empreendeu seu esforço dirigido por amor para realizar o que somente ele tinha conhecimento, capacidade e condições de fazer. Tirar nossa vida do negativo e nos dar uma nova realidade. Sempre positiva.

Mais do que isso. Sempre certa, segura.
E eterna.


P. Lucas André

sábado, julho 05, 2014

Mais feliz do mundo

Acessei, certa vez, uma matéria que falava do "homem mais feliz do mundo". Foi sem surpresa que constatei que o título é atribuído a um monge budista. Hoje em dia, no ocidente, paz e felicidade frequentemente estão associadas às práticas orientais de meditação e de um certo "resolver com a mente". Até mesmo um pouco de afastamento do mundo real.

Mas eu fiquei pensando um pouco sobre essa história de ser o mais feliz do mundo. Até ontem, achava que era eu essa cara.

Porque me faz feliz saber que tenho contas para pagar. Sou feliz por ter uma esposa com quem, mesmo com as dificuldades normais de um casamento, tenho pilares fundamentais da felicidade - amor mútuo e família. Feliz por tem um monte de tarefas pra resolver no meu trabalho. Por ter família e amigos com defeitos, inclusive eu. Sou feliz quando meu carro quebra, quando meu time perde, quando tropeço e caio. Sou feliz quando estou meditando ou quando estou gritando. Tenho felicidade em reconhecer minhas limitações e em aceitar meus defeitos. Sou feliz até quando pego trânsito lento, pensando no que poderia acontecer se eu andasse rápido demais. Sou feliz inclusive por ter problemas para resolver.
Sou feliz por viver. Porque a felicidade não é um estado de espírito ou de mente. É uma escolha consciente.

E, como cristão, tenho felicidade por ter um Deus que me ama, me salvou, e que me permite aprender que, quando vivemos o que é bom, até o que é ruim ajuda a ser feliz. Só Ele ensina a viver contente em toda e qualquer situação.

Ser a pessoa mais feliz do mundo é um conceito relativo, depende no que se apoia. Mas ser a pessoa mais feliz do seu mundo, é absoluto. Especialmente quando você vive pela fé.

Ai, não tenha dúvida: é você mesmo.


P. Lucas André Albrecht

sexta-feira, julho 04, 2014

Acelerador

A invenção do automóvel como uma extensão dos nossos pés facilitou a vida, nos fazendo chegar mais rápido. Mas também trouxe esta peça que permitiu a muitos mostrarem nas ruas e estradas muito do que são: o acelerador.
 
O pedal de aceleração é uma das mais reveladoras extensões do nosso corpo, escreveu o teólogo alemão Helmuth Thielecke. Ele tinha razão. Basta pensarmos no que está por trás do acelerar ‘a mil’; sair ‘cantando pneus’; andar muito devagar;  ‘costurar’. Usá-lo para pressionar o carro da frente. Acioná-lo depois de chegar no carro com os pés tropeçando um no outro...
 
O acelerador do carro revela muito de quem e como o motorista é.
 
A solução não é simplesmente andar devagar. Andando a 30 por hora numa autoestrada você também vai estar errado. Uma ambulância precisa correr bastante para salvar uma vida. Há momentos na vida em que a pressa é amiga da promoção, da finalização, da negociação, da solução, e por aí vai. Mas o ponto aqui é descobrir a velocidade adequada para a estrada em que estamos.  
É fundamental termos a noção em nossa vida de que não estamos sozinhos na estrada, e que precisamos utilizar o acelerador levando em consideração o outro.  Não é necessário pressionar sem motivo, provar sem razão, achar-se mais algum motivo ou andar devagar pra prejudicar. O que se aplica também a quem não tem carro. O uso adequado do acelerador na estrada em que estamos pode ser a diferença entre segurança e risco, entre acidente e prevenção. Até mesmo entre morte e vida.
 
Se olharmos para o próprio Jesus Cristo, veremos que houve momentos nos quais Ele pisou fundo -  com mercadores da fé. Em outros, praticamente ‘parou o carro’ -  para acolher criancinhas e brincar com elas. Acima de tudo, manteve a velocidade certa rumo à obra que veio fazer, oferecendo o caminho que leva à Vida
 
Revelou à humanidade quem e como Deus é.


Pastor Lucas André Albrecht

quarta-feira, julho 02, 2014

Good envy?

There's a word construction that is being widely spread, "White envy," which might make us think that envy could be a good thing. But, it is not!  When we appreciate something in someone else or we have the desire to have what he/she has such as: admiration, desire, appreciate, etc., this can become negative. That is envy, Plain and simple - envy. Envy is the evil feeling or evil belief showing our bad thoughts, leading to bad attitudes and finally, bad behavior. Envy = greed.

Whether we gold plate words or corrupt words, we must stop. Especially when we do this concerning flaws in humans. In this way we slowly destroy the very clear and evident line between right and wrong. (Yes, my friends, there is a clear and evident line between the two.) This modeling gives encouragement and support to those who tend toward arrogance, those who consider  themselves "behavior police." Is there a risk? Absolutely, I say. We re-define the meaning of "good." This leads to the defense of "white anger," "good name calling," "white slanders," "good violence" and others.

Diluting the meaning of words or moving them semantically to more acceptable verbiage risks not being able to point to what they originally mean.

Envy, just plain envy in a high level led people to condemn Jesus to the cross. Because we have an Almighty God The Father He turned this to, "Good," What is real, "Good." That is, The Son's work of forgiveness to each created man and woman for sin. He left us with what is marvelous, His principles of Faith and Love. Something our envy can never achieve.

No need to sugarcoat envy with "white, pink, black, yellow" or "good," we cannot anyway. Call envy exactly what it is. Recognition of this flaw, contrition, repentance and the acceptance of God's forgiveness In Christ instills in us The Holy Spirit's work of Jesus' principles - faith and love. We can authentically, then, appreciate and value each other. God has already provided, more than abundantly, all that we have and need, without our choice to envy and be greedy.

If we do not keep the right meaning of words, we return to the life of hostages of what is bad.

P  Lucas André Albrecht
Canoas ,RS, Brazil 


Text  edition:
Ms. Kim Starr
MA Practical Theology & Deaconess Certified
Pleasant Prairie, WI, USA

Quem leva a taça?

por Marcos Schmidt

Apesar do espírito festivo, a Copa do Mundo revela um planeta dividido, cada um defendendo com unhas e dentes - literalmente - a camisa de seu país. De onde vem este entusiasmo por seu território? Para Darwin vem da luta pela existência humana, a causa inclusive de toda a variedade de vida na Terra. Sinceramente, prefiro acreditar que tudo surgiu do Criador, conforme o relato bíblico. É mais fácil "apostar" neste Deus todo poderoso, que fez tudo o que existe pela força da sua palavra, que ama o ser humano e vai dar uma solução definitiva a este mundo problemático. Bem diferente do conceito evolucionista que os mais fortes vencem os mais fracos. Se é deste jeito, quem vai sobrar? Os inteligentes, os espertos, os poderosos, os prestigiosos, os sadios?

Ainda que o Deus da Bíblia ensine a humildade, o socorro aos mais fracos, a luta contra o mal através do bem, a outra face aos que batem - creio que Ele também gosta de futebol e de qualquer esporte competitivo que respeita a dignidade humana e as regras. O esporte é um perfeito ensaio para a vida neste mundo de cão, tanto que Paulo usa como exemplo para a persistência da fé cristã ao dizer que todo atleta aguenta exercícios duros porque quer receber um prêmio (1 Coríntios 9.25). Podemos lutar por nossa camiseta, time, ideias, partido político, religião etc, sem a necessidade de jogar sujo. "O servo do Senhor não deve andar brigando, mas deve tratar todos com educação" (2Timóteo 2.24), orienta o apóstolo Paulo àqueles que desejam anunciar o Evangelho. Drasticamente, todos temos a tendência de morder, e podemos fazer isto até em nome de Deus. Ao Jesus dizer que ele não veio trazer paz, mas a espada (Mateus 10.34), esta guerra é espiritual, onde, sem qualquer lógica, os mais fracos são os que vencem. Foi ele também quem disse no sermão do monte: Bem-aventurados os pobres, os que choram, os humildes, os que tem fome e sede. São estes que levam a taça.

Rev. Marcos Schmidt