terça-feira, maio 10, 2016

Home run



Talvez você não conheça Bartolo Colon. Mas o que ele fez talvez seja algo inspirador.
Colon fez história,. Aos 42 anos de idade, perto dos 43, o rebatedor do time de Beisebol do NY Mets conseguiu o primeiro home run de sua carreira. O comparativo aproximado com o futebol seria um atacante profissional que, nesta idade, ganhasse o primeiro titulo ou decidisse uma partida pela primeira vez.  A ESPN colocou este feito entre os 10 mais improváveis da história. Um site de estatísticas o ranqueou como o 11º mais lento de todos os tempos.
O fato é que, aos 42 anos, Colon entrou para a história como o jogador mais velho a completar uma home run na história da Major League Basebal (MLB). Um card com sua imagem bateu todos os recordes de vendas em 24 horas na temporada. “O impossível está acontecendo”, disse um dos narradores da partida..
Pode ser que pessoas lhe digam que seu tempo já passou. Ou que você não conseguirá mais alcançar aquilo que deseja. Afinal, já está muito velho, muito pesado ou pouco preparado; Já está sem condições físicas ou psicológicas. Já tem filhos, netos e familia pode atrapalhar. Perdeu aquele bom emprego. Não ganha tanto quanto o vizinho ou aquela amiga. Não tem, quem sabe, nem mesmo coragem ou talento suficientes.
Mas quem disse que tem que ser assim? O vizinho, o chefe, o parente? Alguém que não gosta de você? Algum outro ‘especialista’ em vida de outros?
No entanto, às vezes vamos acreditando nisso e concretizando as profecias feitas sobre nossa vida. Achamos que não há mais tempo de run (correr), já é hora mesmo de ficar só em home (casa).
Não quer dizer que vamos bater recordes, destruir o impossível ou ganhar fama instantânea. Mas sempre há tempo para aquilo que está ao alcance de nossas mãos. Dificilmente existe ‘tarde’ ou “não mais’ quando se trata de realizarmos o mais importante na vida. Não importa se a conquista não é a mais rápida, a mais vendida ou a mais provável. Ela é sua. E é um presente de Deus.
O impossível pode acontecer.
Já aconteceu antes..
A principal conquista – e a mais improvável de todas, pela perspectiva humana – se realizou quando Jesus Cristo acertou a tacada que mandou para longe o que nos afastava Dele e nos deu a oportunidade de ir na direção do Pai. Agora, com esta fé e convicção, podemos correr pra casa. Sem pressa. Com precisão.
A maior e mais importante home run de nossa carreira.

 P. Lucas André Albrecht

quarta-feira, maio 04, 2016

154 horas


A declaração do cunhado de Prince, cantor morto este ano, é chocante. O astro da música pop, na semana em que foi encontrado morto no elevador de acesso a seu estúdio, teria trabalhado por 154 horas seguidas. Prince estaria em meio a esta maratona de trabalho que, associada a outras questões, pode ter sido uma das causas de sua morte.
Cento e cinquenta e quarto horas são mais de seis dias seguidos. O tempo que Deus levou para criar o mundo e, no sétimo, descansou, segundo a Bíblia.
Mas nem Prince, nem você e eu, somos deus. Não existe a mínima possibilidade de queremos nos acabar trabalhando ou estudando sem descanso, e isto não ter consequências em nossas vidas.
Trabalhar é muito bom. Mas, como tudo que é feito em excesso, pode matar.
Não somos deus. Mas temos conosco aquele que é. Ele nos convida à pausa no agito, quer também nos ver parar. Seu Filho ficou  seis horas numa cruz para que, com fé, nosso corpo e nossa alma possam Nele descansar.
Ele nos estimula ao descanso frequente como meio de podermos continuar a trabalhar.




 P. Lucas André Albrecht