sexta-feira, abril 30, 2010

“Nada é tantas vezes aberto por engano como a boca humana”.

(Yeck Brothers)

Des-mudar

A reflexão estava marcada com antecedência, mas eu precisava transferi-la, em virtude de um compromisso que surgiu. Fui até o setor e pedi a mudança. Pouco depois, entretanto, este compromisso mudou para mais tarde, o que me permitiria liderar o devocional no horário combinado.

Então fui novamente falar com as colegas de trabalho e perguntei. “Gostaria de des-mudar a mudança. Podemos manter o horário de amanhã?” Podia. E assim aconteceu..

Uma troca de horário é algo até simples. Mas quando erramos, uma mudança séria acontece em nós, e quem sabe também nos outros. E para pior. Magoamos, agredimos, ofendemos ou prejudicamos. As conseqüências de nossos erros causam mudanças que, no entanto, na maioria dos casos, ainda são possíveis de mudar de novo.
Só que não, não é fácil. Se já erramos uma vez, quem garante que des-mudar a mudança não vai nos fazer errar de novo? Sentimos medo, insegurança. Sem falar no orgulho, que gosta de soprar em nosso ouvido “mas você vai se sujeitar a isso?”. Então, pensamos, talvez seja melhor deixar assim.

Mas não precisamos ter receio quando se trata do perdão que temos em Deus, por Jesus Cristo. Se o erro nos faz mudar, o Seu perdão des-muda esta mudança e nos traz novamente para perto do Seu colo, para sermos acolhidos e refeitos. Aqui não há perigo algum em refazer, podemos fazê-lo com toda confiança. Sempre vai valer a pena voltar atrás e tentar causar a nova mudança – desta vez para melhor; acertando, corrigindo, estendendo a mão.

Recomeço que pode acontecer também na direção do nosso próximo, todos os dias sempre que necessário. E quem sabe, ao invés de frieza e rejeição, não sejamos surpreendidos pelo mesmo sorriso aberto e palavras com o qual eu fui recepcionado pela Patrícia, do EAD atendimento ao aluno, ao des-mudar a mudança? “Claro que sim, pastor, não tem problema!”.

E tudo vai mudar outra vez.

Seja um Doador

"Salve vidas, seja um Doador".
Bela campanha produzida pela Ulbra TV.



Eruption

Thousands of passengers in many countries of Europe were under difficult times due to the eruption of the volcano at southern Iceland's Eyjafjallajokull glacier. They became ‘trapped’ in the continent as they waited for the opening of the airspace, closed because of the smoke in the air. We can imagine how irritating and challenging this must be waiting in horrid accommodations for another flight home. On top of that having to spend extra money for unanticipated expenses!

On the other hand, we can guess how dangerous it would be for pilots to fly into the airspace clouded by the smoke - not only risky, but disastrous.Imagine the relatives waiting for their loved ones to come home. If to wait is bad, to take the risk of flying thorugh the ashes is far worse

Our children, bosses, employees, friends...they may throw smoke in the air in unexpected moments, sometimes the worse possible. This means that some attitudes, gestures, ways of behaving may ‘delay’ us as we are eager to take off to something else we consider more important. That may be with the son who doesn’t learns as fast as we desired. A work project that isn’t taking off as soon as we planned. A friend who needs help when we would like to spare time with anything else. The spouse who needs more family time in those busiest weeks. And so on.

In moments like these our trend is to ‘hurrying the takeoff’, pushing things onward and not respecting each one’s time. Then the chance for an emotional or relationship accident is more than emerging. It is about to happen.

Before lives and relationships become ashes they can be worked out in an appropriate time. Like the volcano, eruptions in a relationship have no predetermined time to happen. It happens. At those times it is very important for us to work on the relationship in a calm safe, clear way. That avoids risking our emotional lives.

That’s the way God chose to act in the midst of our ‘eruptions’ and impulses. In Christ, the ashes of sin in our lives is removed to reveal a clear and bright airspace in our hearts. He is patient, forgiving, helping, giving suport to avoid our spiritual life getting into risk. And leading us to act the same way. To help and be helped is what really gets the best result no matter how long it takes.

Because, now or later the 'smoke' will disappear. It will be so good to go back home. Specially if it remains being a place of continuous eruption of faith, harmony and love.



Text revision:
Kim Starr
St. Louis, USA

quinta-feira, abril 29, 2010

“O lado bom dos egoístas é que eles não ficam falando das outras pessoas”.

Lucille Harper

quarta-feira, abril 28, 2010

Completa

Imagine uma nova estrada que ligue Curitiba a São Paulo. Bem feita, ampla, impecável. Você está no Paraná e precisa ir à capital paulista. Então, escolhe seguir por ela, pois, além de nova, encurtou o caminho em vários quilômetros.

Ao entrar na rodovia, pergunta a um dos funcionários:
-Posso seguir viagem?
-Pode sim – vem a resposta.-A estrada está perfeitinha, novinha em folha.
-Certo, muito obrigado!
-Ah, mas só tem uma coisa: os últimos 30 quilômetros ainda não estão prontos, não foram liberados para tráfego. Mas o resto está tranquilo, pode seguir.

É claro que você não mais seguiria em frente. Uma estrada só tem utilidade quando completa. De nada adianta percorremos 500, 800, 1000 quilômetros e nos últimos 30, ou menos, não podermos mais atingir nosso destino.

Talvez alguns dos nossos problemas estejam em ‘estradas não completas’. Falta de esforço em ser mais completo, construir até o fim, e manter a via aberta ao diálogo e construção. O que pode fazer todo um esforço ficar caído no chão. São as estradas completas que permitem a comunicação de idéias, sentimentos e princípios com livre trânsito entre os corações.

Isto reforça a certeza de que precisamos do Caminho. Pois, nenhuma via que o ser humano constrói é completa em si mesmo, por maior que seja o esforço. Nem uma só. Para chegar aonde precisamos, a estrada foi construída por Jesus Cristo. Aliás, é Ele próprio Caminho. Completo, prefeito. Não há decepção, nem frustração. Andando com Ele e por Ele, sabemos que a estrada, além de impecável, nos leva direto para os braços do Pai. E nos move na direção do outro, com uma vontade imensa de tentar, fazer esforço, acertar.

Sem dirigir em vão. E sempre dirigidos por Sua mão.

segunda-feira, abril 26, 2010

Preenche o ser

Banda da capela no Culto da Celsp-Capela da Ulbra, em Canoas, RS



PREENCHE O SER
(Djenane e Lucas Albrecht)

Não importa o que aconteça
não importa o que virá.
Eu sei que Ele sempre sabe
o caminho em que vou pisar.

Seja dor, seja paixão,
alegria, depressão.
Em qualquer ponto da estrada eu sei
que estou em Sua mão

Se o futuro te assusta,
se o passado te faz sofrer,
o presente certo é Cristo
- a certeza que preenche o ser.

Pense nisso um instante:
não importa o que acontecer,
tudo está nas mãos dele.
Tudo - você pode crer.

quarta-feira, abril 21, 2010

Mensagem: O Fiho Pródigo

Mensagem no Culto Cristão luterano, o Toque de Vida de domingo na Ulbra TV.

Primeira parte.




Segunda parte

“Não podemos aceitar nenhum crédito por termos talentos. É como fazemos uso deles que conta”.

Madeleine L’Engle

terça-feira, abril 20, 2010

Vontade

“Eu me lembro que tentei entrar para o time de cross country quando estava no ensino médio. Durante os treinos, eu não conseguia entender como alguns daqueles caras podiam correr tanto e estar tão bem ao passarem pela linha de chegada. Já que que eu, por meu lado, estava praticamente morto e desistia bem antes de cruzá-la.

O técnico da equipe então me disse que os grandes corredores compreendiam que a vondate deles desiste primeiro, bem antes de seus corpos. Então, conseguiam perserverar.

Aquilo me ajudou. Aprendi que a compeitção na minha vida nem sempre é uma questão de força, mas muito mais de vontade”.
(De um sermão de Christopher Nerreau's, "Don't Lose Heart". Fonte )


Para continuarmos a correr, precisamos de vontade. Por isso, precisamos também orar continuamente “Seja feita a Tua vontade”. Pois a nossa, sozinha, até pode nos fazer ganhar uma corrida, vencer um desafio humano, conquistar um novo emprego... conquistas humanas.
Mas não nos mantém no Caminho da Vida.
Em Cristo temos a segurança de que a Vontade de Deus nunca desiste. Está sempre presente, mesmo quando as forças nos faltarem.

E, pela fé, permanece conosco sempre. Até a linha de chegada.

segunda-feira, abril 19, 2010

“A recompensa de uma tarefa cumprida é a força para cumprir outra”.

(George Eliot)

Erupção

Milhares de passageiros em toda a Europa estão passando por transtornos devido à erupção do vulcão da geleira de Eyjafjallajoekull, na Islândia,. Todos ficam ‘presos’ no país onde estão à espera da liberação do espaço aéreo. A noticia de hoje ainda é desanimadora: 70% dos voos devem ser cancelados.

Dá para imaginar a irritação e angústia de quem, mal acomodado, espera para voltar para casa. E ainda gastando dinheiro não previsto com a estadia prolongada. Por outro lado, a irritação e também dor e a perda seriam ainda maiores, especialmente por parte dos parentes, se os aviões decolassem assim mesmo, correndo o risco de acidentes por causa da nuvem de fumaça. Se é ruim uma demora não programada, muito pior seria correr riscos em um céu cheio de cinzas.

Nossos filhos, nosso patrões ou empregados, nossos amigos, eles também podem jogar fumaça no ar nas horas mais inesperadas. Isto é, atitudes, jeitos ou gestos que podem nos ‘atrasar’ e irritar. Um filho que não aprende depressa como gostaríamos, um projeto no trabalho que não decola como achamos que poderia. Um amigo que precisa de ajuda na hora em que queríamos dedicar tempo a outra coisa. O cônjuge que precisa de mais tempo em família na semana de muito trabalho.

Nestes momentos, nossa tendência é querer ‘apressar a decolagem”. Fazer a coisa andar, seguirmos em frente mesmo assim. E então o acidente emocional, relacional, familiar, podem acontecer mais adiante.

Antes que vidas e relacionamentos virem cinzas eles podem ser trabalhados dentro do seu tempo. Assim com num vulcão, uma erupção num relacionamento não marca hora para acontece. Acontece. É importante lidarmos com as conseqüências de uma maneira calma, clara e segura, para não colocar em risco a vida emocional nossa e daqueles a quem amamos.
Esta é a maneira que Deus também age com nossas ‘erupções’ e impulsos. Ele tem paciência, perdoa, auxilia. Dá suporte. Para podermos fazer o mesmo - por mais que às vezes exija muita paciência ou gere irritação. Auxiliar e ser auxiliado a crescer e aprender é o que realmente dá o melhor resultado no final. Pois mais cedo ou mais tarde, a fumaça vai embora. E aí é muito bom podermos voltar para casa.

Especialmente se ela continuar a ser um lugar onde há continua erupção de fé, harmonia e segurança.

domingo, abril 18, 2010

Control

Martina Navratilova was one of world’s greatest Champions in Tennis history. She’s now on the sports history gallery as one of what we use to call ‘myths’ or ‘legends’.

Last week, however, the ex-tennis player announced she has entered another gallery, where unfortunately there are thousands of other women: she has breast cancer. It was an early detection and the prognosis is said to be excellent. But still, this is the kind of diagnosis that shakes one person’s whole life. This can cause a feeling of being unsafe or out of control. What called my attention to this was her statement stressing this truth: “I feel so in control of my life and my body, and then this comes, and it's completely out of my hands.”

Navratilova reasserted what it’s true for our whole life: it is way, really way out of our hands. Of course, there is a certain measure of control, care and planning that we must be responsible for in our lives. But the danger is when we think that we have it - the control - entirely.

Everything changes when realize that we are in the Hands of Him Who really knows what is going on. Then the diagnosis leads us to the opposite of despair or feeling unsafe. It calms us down and puts life in perspective. Knowing that God is in control gives us the safest life possible.That is true not because of a myth or a legend but of a true man Who came into History - Jesus Christ - to win the greatest victory of all time. Someone Who will never be un-anything. He is present every day being who He is.

That’s when we realize that not only our life but our death is in His control, too. Perfect and complete.

And it gives us the surety of a Grand Slam in Christ that no one can take out of our hands. Rev.

Text revision:
Kim Starr
St. Louis, USA

sábado, abril 17, 2010

quinta-feira, abril 15, 2010

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convém”.

(Livro Bíblico de 1º Coríntios 6.12)

quarta-feira, abril 14, 2010

Consciência

Há uma noção quase que unânime entre nós de que devemos seguir nossa consciência. Cada um tem dentro de si este mecanismo que indica escolhas sensatas e equilibradas. Seguir a consciência, aparentemente, significa trilhar um caminho seguro.

No entanto, ele só será assim se também a consciência seguir alguém.

Sem orientação, fundamento e alimento seguro, a consciência torna-se frágil, não-confiável. Ou ainda, se for alimentada com o que não presta, jamais será segurança para escolhas e atitudes. A não ser que se queira tomar as atitudes erradas.

A consciência precisa de parâmetros corretos para se tornar confiável. Sozinha, segue rumo incerto. Nos levando junto com ela.

Consciência fundamentada em princípios é o que realmente nos dá segurança. Princípios nos dão noção de certo e errado, de bom e ruim. Daquilo que convém e o que precisa ser evitado.
E a consciência que segue a Jesus Cristo, fundamentada na fé, tem ainda mais - tem tudo. Pois não apenas percebe o que em termos humanos é adequado, como principalmente segue pelo Caminho da Vida. Uma consciência que é conduzida em fé será sempre uma segurança para escolhas e atitudes.

Então, ainda que não infalível, será segura de ser seguida.

terça-feira, abril 13, 2010

"Jamais derrube uma cerca até descobrir porquê ela foi construída”.

G.K. Chesterton

segunda-feira, abril 12, 2010

A hora

Quando enfrentamos uma perda, especialmente de alguém que consideramos jovem em nossa opinião, há uma tendência de procurarmos respostas em termos de ‘vontade de Deus’. Foi ou não foi da vontade Dele? Não raramente, ficamos com uma certa dúvida em momentos de acidentes e perdas. Era mesmo a hora?

Isto acontece porque medimos as coisas com nossa precisão. Avaliamos baseados em nosso relógio. Nós julgamos se era cedo ou tarde considerando o nosso calendário. Um parâmetro pessoal.
Subjetivo, portanto.

Sendo assim, outras conclusões também podem ter vez.

Por exemplo: se alguém morre aos 70 ou 80, ao invés de fazer a mesma pergunta, “por que, Deus?”, tendemos a aceitar, achar ‘normal’, porque para o nosso padrão de tempo, 80 anos já é uma boa idade alcançada. E 25, não. Mas houve épocas em que morrer com 30 anos já era considerado ‘idade avançada’, equivalia a morrer com 80 hoje. Talvez naquele tempo se alguém morresse com 35 ou 40, se diria, ‘ah, tudo bem, já viveu bastante, Deus o levou para si”’.
No futuro, a expectativa de vida poderá ser de 130 anos, aí 80 ainda será, digamos uma juventude adulta. Cedo, quem sabe.

Será a hora ou não?

Tentar explicar e determinar o que faz mais sentido não costuma ser o melhor caminho. Diante de situações como esta, ouvir a voz de Deus soprando aos nossos corações. “confie em mim” é uma segura opção. Pois nem tudo tem uma explicação que nossa mente pode conter. Não são todas as coisas que acontecem que teremos capacidade de entender. Pelo menos nesta vida. .

Não quero dizer que tragédias e acidentes sejam a vontade de Deus. Mas crendo e vivendo na vontade de Dele, temos a segurança de que precisamos para enfrentá-los. Para encarar até mesmo a morte, dizendo: “Você é somente a vírgula. Jesus Cristo é o ponto final”. A fé nos leva a agradecer e viver Sua presença, que nunca falha. Datas e calendários, que não dominamos, deixamos em Suas mãos. O lugar mais seguro do mundo.

A hora certa, portanto, é agora. Hoje é momento de vivermos em fé, confiando em Seu amor..

sexta-feira, abril 09, 2010

“Não podemos mudar os ventos. Mas podemos ajustar as velas”.

Bertha Calloway:

Maximum load

If you observe viaducts in cities and highways you normally see them not at their full weight capacity. Cars and trucks are coming and going over them, just passing by. They don’t stop on it.

Unless there’s a traffic jam.

Then the viaduct gets full from side to side. The full capacity gets tested! This is the biggest proof of resistance. When projecting weight limit of a viaduct an engineer must think not of its low or medium capacity. He must think in terms of full capacity. And beyond

One needs to think of maximum load.

In our lives we should never try to build our viaducts on our own. It just won’t work. Because Life weighs on us with its heavy loads, we're pushed to the ground. We cannot and are not able to take even light loads alone, so think of the heaviest ones…Everything may collapse, suddenly!

We must be prepared for maximum loads.

Then our highest need is The Viaduct Himself – Jesus Christ, the bridge to the Father. By placing faith in Him we have structure for every burden, even when they are overwhelming. Built into His love the promises guarantee that neither change, quakes nor storms will allow for collapse.
And beyond: He gives us people, friends – loving ones –who share our maximum loads. Jesus, the ultimate construction, carries our heaviest loads of: selfishness, pride, fears, needs; everything that causes the traffic jams of our hearts and lives.

In Him, we have the maximum load of care and of love.


Text revision:
Kim Starr
St. Louis, USA

Controle

Martina Navratilova foi uma das grandes campeãs da história do tênis. Entrou para a galeria do que se costuma chamar de “mitos” ou “lendas” do esporte.

Esta semana, a ex-tenista de 53 anos anunciou que entrou para uma outra galeria, onde infelizmente há muito mais mulheres: está com câncer no seio. A doença foi detectada cedo e o prognóstico é excelente. Mesmo assim, é o tipo de diagnóstico que desestrutura e gera insegurança. Chamou minha atenção a frase dela que reforça esta realidade: “Eu me sinto tão no controle de minha vida e meu corpo e, então, vem isso, que está completamente fora de minhas mãos”.

Navratilova reafirmou o que é verdade para toda a nossa vida: está bastante, mas bem bastante mesmo, fora de nossas mãos. Hà um certo controle, cuidado e planejamento que podemos e até devemos exercer. Mas o perigo começa quando nos sentimos no controle total.

Quando caimos na realidade de que não o temos, e enxergamos as mãos de Quem realmente sabe o que acontece, tudo muda. Mas neste caso, o diagnóstico não nos deixa inseguros, aflitos ou temerosos quanto ao futuro. Ao contrário, saber que não temos o controle nos leva à vida mais segura que existe. Tudo graças não a um mito da história ou uma lenda do esporte, mas a um homem verdadeiro que obteve uma vitória incomparável: Jesus Cristo. Alguém que jamais será ex. Todos os dias, permanece quem Ele é..

E então nos damos conta que não só a nossa vida, mas também a nossa morte, têm controle certo, perfeito.
E garantem um resultado final que ninguém vai tirar de nossas mãos.
"Julgamos a nós mesmos pelo que nos sentimos capazes de fazer, enquanto os outros nos julgam pelo que já fizemos."

(Henry Longfellow)

quinta-feira, abril 08, 2010

Visão clara

Ainda me lembro, foi numa consulta em Curitiba, nos anos 1990. Meu pai e eu voltávamos para a casa de ônibus (em Curitiba, é melhor do que ir de carro) lendo o diagnóstico da oftalmologista a respeito dos meus olhos. Constava: “Ambliopia anisométrica”. Com dois teólogos com formação em grego antigo juntos, não podia dar outra coisa, começamos a decifrar. A parte mais fácil foi anisométrica:
An – “negação, oposição”.
Iso - “mesmo”.
Metros - “medida”. Algo que não tem mesma medida, assimétrico.

Já sobre ‘ambliopia’, complicou. E pelo que me lembro, não chegamos a nenhuma conclusão.

Esta semana resolvi retomar o assunto. E descobri que ela acontece “quando, por alguma razão, o olho não consegue melhorar a visão mesmo usando a correção (óculos). Outras vezes no estrabismo (olho torto), um dos olhos assume a preferência e enxerga bem e o outro, menos participativo, deixa de desenvolver a capacidade visual plena. A ambliopia é sempre causada por alguma coisa que atrapalha ou prejudica a travessia da luz até a retina. E se a imagem se forma de maneira incorreta na retina, o cérebro não capta com toda a precisão”. (fonte da informação)
Também chamada de ‘olho preguiçoso’, é a redução ou perda de visão de um olho, sem que ele mostra qualquer anomalia estrutural.

Além de relembrar, ganhei também uma boa ilustração para o Toque de Vida.

Mesmo com todos os nossos esforços, e com os óculos, lentes ou lupas que venhamos a utilizar, não podemos corrigir nossa ambliopia inata. Há sempre algo que atrapalha a travessia de Luz em nossa retina. O que impede de captarmos a verdade com precisão.

Precisamos da intervenção de Deus, que nos torna capazes de enxergar com clareza a vida no seu amor. Por meio da fé em Jesus Cristo, a imagem correta pode ser formar no fundo da nossa retina, ou melhor, do coração. Uma visão clara para seguirmos o Caminho sem medo de tropeçar. E também para que não fiquemos preguiçosos e lentos, antes, sempre dispostos a colocar em prática aquilo que, pela fé, agora vemos com perfeição.

Cuidado, proteção e luz que Ele oferece a todos.
Isometricamente



PS: para constar, a palavra ‘ambliopia’ vem
do grego amblios, ‘fraco, tolo’ e
ops, ‘visão, ação de ver’

segunda-feira, abril 05, 2010

Continuar nem sempre é fácil. Mas compare com parar.

Continuar

Encontrar palavras para descrever
o que a boca precisa expressar,
é sempre tarefa que se mostra nada fácil
quando poucas palavras conseguem sobrar.
Ainda mais se, sabendo de nossa fraqueza
e de que nossas certezas costumam ter fim,
olhamos para dentro e constatamos o fato:
nosso ato é falho, nossa força é assim.

Mas isso não significa a perda de alegria
Ou que acabaram-se as chances, é o fim da ação.
Pode ser apenas o começo de um novo dia
de um novo momento, mensagem, condição.
Começa no escuro, um disparo na mente
Uma força que vem sem podermos explicar
E traz para a luz, para perto da Fonte
Para o ponto em que não se pensa em voltar
Porque a fé abre a porta mais perto, mais certa,
mais pontes que atravessam o mar de ilusões.
Não termina o medos, não se esvaem as dores
Mas mostra que todos têm hora para acabar.

Continuar sempre em frente
Conseguir sempre andar
Não se consegue sozinho,
Não se continua a caminhar
a não ser que em Deus encontremos a fonte
-Presença segura em todo lugar.
Em todas as horas,
em todas as fases,
em todas a luas que o céu for mostrar.
Porque o Sol é tão grande, intenso e seguro
que o calor desta fé jamais vai cessar.

sábado, abril 03, 2010

quinta-feira, abril 01, 2010

As calorias da Santa Ceia

Um estudo nos Estados Unidos descobriu que as refeições nas pinturas da "Última Ceia" aumentaram com o passar dos anos. Foram analisadas 52 obras famosas deste quadro bíblico criadas no último milênio, entre elas a obra de Leonardo Da Vinci. No entanto, numa matéria sobre o assunto, um professor de estudos religiosos comentou que "não há razões religiosas para as refeições ficarem maiores”.

Tenho lá minhas dúvidas. Se as pinturas “engordaram”, concluo que não seja apenas por questão cultural, hábitos modernos que aparecem na balança. Penso que há um aspecto religioso, e que interfere no colesterol espiritual. Começando pelas palavras de Jesus, que “o ser humano não vive só de pão” (Lucas 4.4), ou “não trabalhem a fim de conseguir a comida que se estraga, mas a fim de conseguir a comida que dura para a vida eterna” (João 6.27). Julgo por aí que, ao exagerarem nas calorias da Santa Ceia, sem perceber, os artistas cozinharam religião.

E se hoje é aquela quinta-feira memorável da primeira Santa Ceia, o assunto deveria aguçar o olfato no cardápio desta mesa – este que é oferecido pelo Senhor Jesus na medida certa. Porque, dependendo dos “ingredientes”, pode haver indigestão. Foi o problema dos cristãos de Corinto, conforme advertência do apóstolo: “Quando vocês se reúnem, não é a Ceia do Senhor que vocês comem. Pois, na hora de comer, cada um trata de tomar a sua própria refeição. E assim, enquanto uns ficam com fome, outros chegam até a ficar bêbados”. É que os primeiros cristãos celebravam a Mesa do Senhor durante uma refeição completa, mas a falta de etiqueta, o egoísmo e a extravagância, queimaram o fundo da panela – a comunhão. Por isto o recado: “A pessoa que comer do pão ou beber do cálice sem reconhecer que se trata do corpo do Senhor, estará sendo julgada...” (1 Coríntios 11.20,21,29).

Portanto, outro estudo mostra que não é somente nas pinturas da Santa Ceia que os elementos sofrem modificações. Também no quadro da doutrina e da prática. Pois quando a Bíblia diz que no cálice e no pão, toma-se parte no sangue e no corpo de Cristo (1 Coríntios 10.16), são estes os ingredientes que constituem os alimentos da pintura original. Um quadro real moldurado em atitudes de amor dos que seguem aquele que disse: “Eu sou o pão da vida” (João 6.35).


Rev. Marcos Schmidt
Celsp - Novo Hamburgo, RS

marsch@terra.com.br
www.celspnh.blogspot.com

Páscoa