quinta-feira, março 28, 2013

Colaboradores da ULBRA Canoas celebram a Páscoa

Atualização: Confira o registro em vídeo da participação do Quarteto Masculino da Pastoral, com a canção "Feridas".

video


Celebração pascal teve teatro e apresentações musicais

Cerca de 300 colaboradores participaram do momento

A Celebração de Páscoa na ULBRA Canoas, organizada pela Pastoral, foi realizada na Capela Universitária, na tarde desta quarta-feira, 27.03. O capelão geral Lucas Albrecht e o pastor Paulo Brum conduziram a Liturgia que teve ainda participação do capelão da Unidade, Gerhard Grasel.
Inicialmente a funcionária do setor de Convênios e Estágios, Viviane Griep, fez a leitura da Oração do Getsêmani. Na sequência, ocorreram apresentações da Orquestra de Câmara da ULBRA, do Quarteto Masculino da Pastoral e dos solistas Elisa Machado, soprano, e Francis Padilha, barítono. Em meio às apresentações musicais, houve uma atividade teatral enfocando a Paixão de Cristo. A atividade foi conduzida por alguns alunos do Colégio ULBRA Cristo Redentor e também por funcionários da Universidade.
Em sua mensagem o diretor geral do campus Canoas, Erivaldo Diniz de Brito, ressaltou a importância da fé em Deus. “Quando acreditamos no criador a vitória e a ressurreição prevalecem”. Já o presidente da Comunidade Evangélica Luterana São Paulo (CELSP), Adilson Ratund, foi reflexivo em suas considerações. “A Sexta-feira Santa não significa apenas um dia de feriado, mas o momento de refletir sobre as ações de Cristo”, observou o líder da mantenedora.
Para finalizar, o reitor Marcos Fernando Ziemer manifestou sua alegria ao ver o grande número de colaboradores reunidos na Capela Universitária. “De acordo com a Bíblia, Jesus pagou por nossos pecados de uma única vez, na cruz. Por isso, podemos crer na vida após a morte e ainda celebrar a Páscoa”, finalizou Marcos Ziemer.

Alunos do Colegio ULBRA Cristo Redentor e colaboradores do
campus participaram da encenação.

quarta-feira, março 27, 2013

Celebração de Páscoa

Quarteto Masculino da Pastoral ensaiando na Capela em canoas para a estreia na Celebração de Páscoa do Campus, hoje, ás 14h30.

Confira no vídeo um trecho da canção "Feridas" (1'30'') 


Clique e confira!

segunda-feira, março 25, 2013

Concerto na Semana Santa


Para celebrar a Paixão de Cristo, a Capela da ULBRA, no campus Canoas, realiza nos dias 25 e 26.03, às 18h30, concerto com órgão de tubos. A apresentação será feita pelo organista e capelão de Música, pastor Paulo Brum. A obra selecionada é a suíte extraída do oratório Sete Palavras de Cristo na Cruz, de Amaral Vieira.

Neste oratório - escrito para Semana Santa -  cada Palavra dita por Cristo na cruz é precedida por um interlúdio de órgão. Estes intervalos formam a Suíte, cada uma numa tonalidade distinta, seguindo o ciclo das quintas.
A celebração marca também a primeira apresentação do ano com uso do órgão da Capela. O instrumento foi desativado em 2008 para reforma, e retornou a ecoar em novembro do ano passado.

sábado, março 23, 2013


Não é questão de impedir a mulher de ter autonomia sobre seu corpo, mas de a criança, que é outro corpo, ter protegida a autonomia sobre o seu.  #nãoaoaborto

sexta-feira, março 22, 2013

Insistentes


-Não seja insistente, moleque!
-Não adianta insistir que só piora.
-Mas como é insistente! Que coisa chata!

Algumas destas frases - ou as três - tenho certeza de que você já ouviu. E normalmente com sentido negativo. Em muitos contextos e situações, insistir não é bem visto, sendo sinônimo de incômodo. Às vezes esta idéia é utilizada até para o ambiente da fé.

Mas a verdade é que Deus gosta de pessoas insistentes. Jesus mesmo mostrou, no Evangelho de Lucas1, que isto é um dos componentes da vida do cristão. Bater na porta, pedir, pedir de novo e insistir no pedido são ingredientes que constantemente permeiam a oração daqueles que querem falar com o Pai. E Ele gosta disso.

Por isso, orar é também uma questão de insistência. Não precisamos desistir no primeiro dia ou na primeira semana. Não precisamos ter medo de nos tornar chatos, nem ter receio de ouvir uma repreensão. Na verdade, Deus até quer que oremos sem cessar, que não cansemos de pedir, provando nossa persistência e perseverança, antes de responder à nossa oração dentro de Sua vontade.

As frases, portanto, podem ser diferentes, ao menos no que diz respeito à vida cristã:
_Seja insistente, menino!
_Continue a insistir que melhora!
_Como é insistente! Que coisa boa!

Pois o Pai insiste que seus filhos sejam insistentes em confiar, orar e perseverar.

1 Lucas 9.18-25





Rev. Lucas André Albrecht

quinta-feira, março 21, 2013

Concerto na Semana Santa


Para celebrar a Paixão de Cristo, a Capela da ULBRA, no campus Canoas, realiza nos dias 25 e 26.03, às 18h30, concerto com órgão de tubos. A apresentação será feita pelo organista e capelão de Música, pastor Paulo Brum. A obra selecionada é a suíte extraída do oratório Sete Palavras de Cristo na Cruz, de Amaral Vieira.

Neste oratório - escrito para Semana Santa -  cada Palavra dita por Cristo na cruz é precedida por um interlúdio de órgão. Estes intervalos formam a Suíte, cada uma numa tonalidade distinta, seguindo o ciclo das quintas.
A celebração marca também a primeira apresentação do ano com uso do órgão da Capela. O instrumento foi desativado em 2008 para reforma, e retornou a ecoar em novembro do ano passado.




A alma, assim como o corpo, fica doente quando não recebe alimentação adequada.

(paráfrase de citação de Charles Dickens)

quarta-feira, março 20, 2013

Prêmio


Na entrega dos Emmy Awards de 2007, a comediante Kathy Griffin, no discurso de aceitação de seu prêmio, disparou a frase: “Suck it Jesus. This is my God, now”. Numa tradução amenizada: “Não estou nem aí pra você, Jesus. Isto aqui é meu deus agora.”

A fala completa dela foi: “Veja, um monte de gente sobe aqui e agradece a Jesus por este prêmio. Eu quero que saibam que ninguém tem menos a ver com isto do que Jesus. Ele não me ajudou em nada. Se dependesse dele, Cesar Millan estaria aqui com aqueles malditos cães. Então,.. “ e aí veio a frase deselegante, ofensiva até.

Se bem que xingar a Jesus Cristo num pais democrático ocidental é um ato fácil de ‘coragem’. Ela não seria tão corajosa falando de Maomé em um país muçulmano.

Mas o ponto aqui não é ficar irritado com a declaração de quem, em ultima análise, não tem qualquer autoridade para falar sobre Cristo e a fé cristã. Mas destacar que, em parte, pode ser reação a uma concepção errônea sobre a Bíblia, muito difundida em nossos dias. E, pior, se formos verificar, boa parte da culpa é de igrejas 'cristãs' que a espalham. Refiro-me ao “se você tiver fé em Jesus, será um vencedor".

Primeiro, esta concepção está errada porque quem tem fé, não será, e sim, já é mais que vencedor. A vitória do cristão é a de Cristo, e já é certa e segura. Ninguém pode arrancá-la das mãos.

Segundo, porque normalmente seu referente são as vitórias humanas, tais como jogo de futebol, vaga de emprego ou um Emmy award. Só que não existe qualquer referência bíblica que justifique correlação matemática perfeita entre fé em Jesus e vitória em competições humanas. Mesmo que sejam apontados personagens bíblicos e suas vitórias, derrotas os seguem igualmente.

Entretanto, talvez o que irritou mesmo a atriz é o fato de que cristãos genuínos, ao receber um troféu ou um prêmio, reconheçam que existe alguém maior que eles, que concede vida, dons, talentos e capacidades para disputa. E resolvem agradecer a este Alguém. E, ainda, que na platéia ficam sentados cristãos, ‘perdedores’ pelos padrões humanos, mas agradecidos igualmente a Cristo por serem quem são e poderem fazer o que fazem.

Por isso, Kathy até que tem razão. O jesus que ela conhece e construiu -  e que não tem qualquer relação com o Jesus da História -, este não tem nada a ver com o seu prêmio. Griffin pode curtir seu ‘deus’ da maneira que a fizer feliz.

Mas se quiser conhecer o Jesus verdadeiro, e o prêmio que ele tem para oferecer, não há dúvida de que ela será uma das contempladas.

E, então, conhecerá o porquê de tanta gente fazer questão de agradecer.




Rev. Lucas André Albrecht

sábado, março 16, 2013

“Quanto mais nos aproximamos dos grandes seres humanos, mais percebemos que eles são... seres humanos.”


(La Bruyere)

sexta-feira, março 15, 2013

Perigos escondidos


Para quem viaja de avião, apesar do receio ou medo que possa haver, a viagem normalmente se resume a embarcar, decolar, voar, pousar e descer da aeronave.

Assim, normalmente não percebemos qualquer perigo que possa ter acontecido com um avião do qual acabamos de descer. O voo parece ter sido normal, mas, em alguns casos, se conversássemos com o piloto, talvez ouviríamos o que um deles disse, anonimamente, em uma pesquisa: “Só dizemos aos passageiros o que eles precisam saber. Não lhes dizemos coisas que lhes vão meter medo. Por isso, nunca me ouvirá dizer: ‘Senhoras e senhores, acabamos de ter uma falha de motor’, mesmo que isso tenha acontecido.”

E se Deus fosse relatar todos os perigos escondidos pelos quais nem sabemos que passamos em uma semana, e Ele nos livrou? Talvez ficássemos com medo de sair da porta de casa. E é isto que o Salmista nos lembra no salmo 91. Além de fortalecer a certeza de que temos abrigo à sombra do amor de Deus, ele destaca também que o Senhor nos livra de perigos escondidos.

A própria obra de Cristo em nosso lugar nos salva de um risco do qual jamais nos daríamos conta que corremos se a Palavra de Deus não nos revelasse. O pecado conduz ao inferno e, sem a salvação que ele conquistou, estaríamos condenados à queda em pleno voo, para não mais sermos resgatados.

Por meio da fé no Salvador, somos livrados deste perigo maior e também dos perigos diários. Até mesmo os que desconhecemos. Por isso, temos também o privilégio de anunciar esta notícia a tantos quantos seguem sua vida sem se dar conta deles. A Palavra de Deus revela o perigo, mas mostra também o caminho da sustentação e da segurança para continuarmos seguros em nosso voo. Sem medo e sem receio.

Pois não há perigo ou dificuldade que possa nos impedir de, com Cristo, desembarcarmos em nosso destino final.


Rev. Lucas André Albrecht



(mensagem publicada por Hora Luterana)

sexta-feira, março 08, 2013

Normal


Quando se fala que devemos adorar a Jesus Cristo, pode soar como pedir demais. Adoração e reverência?... Respeito até vai, mas esta submissão completa não parece ser algo que combina conosco, homens livres.
Já para ídolos da música, do teatro, da TV e do cinema, além de figuras políticas,  isto, e mais um pouco, é considerado normal.

Quando se fala em assumir a fé mesmo em lugares públicos, parece algo a ser evitado. Afinal, podemos passar vergonha na frente de muitos, ainda mais por coisas que não se vêem nem se provam, ou por uma história tão antiga e batida.
Mas a mesma lógica - vergonha e preservação – não aparece quando se participa de eventos esdrúxulos ou reality shows.

Quando se fala em aceitar a vontade de Deus, mesmo em situações difíceis, às vezes um certo ar de ceticismo é enviado de volta.
Já aceitar a vontade de homens, como governantes, líderes de partido, donos de times e até as dezenas de toalhas no camarim, parece completamente normal.

Quando se fala em freqüentar a Igreja semanalmente é difícil fugir da idéia de obrigação ou até desnecessidade, afinal, é possível viver sua a fé de maneira particular.
Já a fala nem sempre é a mesma em se tratando de festas, shows, jogos de futebol, programas de fim de semana e viagens de férias. Sozinho não tem graça.

Quando se fala que Jesus Cristo tem um plano de salvação no qual redimiu a humanidade inteira, soa como algo distante e até desnecessário.
Quando se busca homens salvadores, ou mesmo quando um presidente de um pais fala de outro presidente, morto, que ele era “um plano de salvação para a humanidade”, milhares aceitam, concordam e replicam.

Quando se fala em Jesus Cristo, às vezes fica meio estranho. Mas é normal.  È preciso primeiro ouvi-lo falar, para que a fé seja gerada.

Aí sim, o que é normal fica estranho.

E o que parece estranho, fica normal.

Sete Minutos lembra os desafios da mulher na atualidade

Pastor Grasel, capelão do campus, dirigindo a mensagem
às colaboradoras e colaboradores do campus Canoas.
Na manhã desta sexta-feira, 08.03, o devocional Sete Minutos, realizado diariamente na Capela Universitária, foi dedicado ao Dia Internacional da Mulher. Na oportunidade, o capelão universitário do campus Canoas, pastor Gerhard Grasel, abordou os desafios de como é ser mulher nos dias de hoje. Grasel ainda destacou que as pessoas merecem tratamento igual, pois  homens e mulheres são iguais diante de Deus. 

A música foi conduzida pelo Pastor Paulo Brum, na flauta transversal, Pastor Lucas, ao piano, e Profa. Vaneska Ratund, no vocal. Ao final foram distribuídas rosas. Estavam presentes o reitor, Marcos Fernando Ziemer, além de membros da Reitoria e 300 colaboradores da ULBRA Canoas


Com informações da ACS ULBRA Canoas.

Uma vez eu vi uma pessoa dar exemplo perfeito de coerência entre falar e fazer.
Uma vez.


quinta-feira, março 07, 2013

Pregação e prática


Religiosos, em geral, têm vida mais dura do que alguns ídolos pop e famosos.

Os religiosos precisam primeiro praticar tudo o que dizem para que se queira ouvir o que pregam. Qualquer sinal de erro ou deslize, ou mensagem ‘desatualizada’, contra valores de consenso momentâneo, imediatamente faz a mensagem ser criticada e esvaziada. Se o erro for mais sério, do tipo bebidas em excesso, vida promiscua ou drogas..nem pensar. É o fim.

Já alguns ídolos pop e famosos pregam moral e condenam o mundo em canções e declarações. Letras cheias de razão, denúncias contra o sistema e a ‘sociedade podre’, moralismos de consenso sobre os erros que os outros vivem cometendo e auto-justificativas ancoradas no “tenho erros e defeitos como todo mundo”. Não precisam se importar em momento algum se vivem de fato ou não o que pregam, mesmo se houver bebida em excesso, vida promiscua, apologia ou consumo de drogas ou outras atitudes que sirvam de péssimo modelo não só para jovens, mas pra todo mundo... Trata-se de “estilo de vida”, “personalidade”, “atitude”.  
E, sim, é verdade que têm erros e defeitos como todo mundo.

O problema é que, independente disto, no fim muitos são louvados como mitos e exemplos.

Mas os religiosos – ao menos os cristãos -  já sabem disso tudo. Conhecem a cruz que precisa ser carregada. O peso constante de procurar assumir o que se crê e agüentar julgamentos que às vezes vem de quem acredita que pagar as contas em dia, não matar e não roubar(seja a interpretação que se dê para isto) é o suficiente para uma vida modelar.

O curioso é que, na verdade, os cristãos levam uma vantagem, que chega a ser até covardia: o seu Modelo, que é também o único exemplo perfeito de coerência pregação--prática. Sua pregação é precisa, preciosa e providencial.

E a vantagem vai ainda mais longe. Jesus não é apenas modelo, pois se assim o fosse, a vida continuaria uma batalha ingrata, já que ninguém consegue imitá-lo. Mas Ele é Salvador. Ele carregou toda a incoerência humana sobre suas costas, arcou com todo o peso para dar certeza de que, pela fé, não precisamos imitá-lo perfeitamente, mas sim ter a fé que está perfeitamente ajustada por Ele dentro do coração. E que, então, passa a ser vivida na prática do melhor jeito seja possível exercer. Sua mensagem é duríssima, a ponto de dizer que, em ultima análise, ninguém é coerente, nem modelo, nem exemplo. Mas é preciosíssima a ponto de mostrar que todos podem ter Nele a fonte de perdão e o modelo de amor.

Vale destacar que Jesus não morreu pelos religiosos. Ele o fez por todos, sem distinção. Por isso, não é questão de condenar ninguém, mas de oferecer descondenação a todos. Todos, do menor ao maior, do mais errado ao menos errado - caso isso fosse possível distinguir -, todos precisam do amor que vem da fé nEle.  Para que, apesar da vida dura que todos, religiosos ou não, têm para unir pregação e prática, no fim tudo não vire apenas mito.

Mas que Ele seja a Verdade, a Vida e a Presença Real. Na vida e no fim dela.




Rev. Lucas André Albrecht

quarta-feira, março 06, 2013

7 minutos lembra o Dia Internacional da Mulher



O devocional 7 minutos desta sexta, 08.03, na Capela Universitária em Canoas, vai lembrar o Dia Internacional da Mulher.  Um momento de reflexão para agradecer a Deus e homenagear nossas
grandes mulheres colaboradoras e professoras.

Sexta, 8h45, na Capela Universitária, na ULBRA Canoas



A fé não se permite ser nivelada pelas limitações da razão.

terça-feira, março 05, 2013

Ênfase


Quanto a tragédia acontece, para alguns a pergunta vai para cima. Questiona-se Deus e suas intenções, motivos, presença ou não... Indaga-se o porquê de determinadas pessoas perderem a vida. Elas eram mais pecadoras que as outras? Tinham algum pecado escondido no passado? Algum segredo inrevelável?

Já quando é hora de olhar para cima, para a fonte de quem dá a força para enfrentar tentações e carregar os fardos, aí não raramente olha-se para baixo, para os próprios braços e ombros, seguindo a frase “Deus não dá um fardo maior que possamos carregar”. A força parece que precisa estar em nossos ombros para enfrentar o que vem pela frente.

Mas, precisamos colocar a ênfase no lugar certo.

Diante de tragédias e perdas, tentar entender onde estava Deus jamais terá uma resposta, já que, se alguém entender o que Deus estava ou está pensando – salvo o que Ele mesmo revelou na Bíblia - então este alguém é Deus. É próprio da natureza humana ser muitíssimo inferior à mente do Criador. Então, precisamos perguntar é onde estavam os homens que erraram, falharam, se omitiram, permitiram, enfim... olhar para os verdadeiros causadores do mal, e não para Aquele que é fonte de todo bem. Ainda, em alguns casos, lembrar que acidentes podem acontecer a qualquer momento, para qualquer um.

Já diante dos fardos que precisam ser carregados, a ênfase precisa ser para cima. O versículo bíblico não diz que “Deus não dá um fardo maior..” E sim: “Deus é fiel e não deixará que você seja tentado além de suas forças”.1  Parece não ter muita diferença? Mas tem. E pode ser a diferença entre desistirmos, por percebermos que nossos ombros são muito frágeis, e continuarmos a confiar, porque Ele é fiel, Ele não permite, Ele ampara, cuida, protege e ama.

Uma vez que toda a ênfase do pecado humano foi lançada sobre Jesus Cristo, o qual, naquela horrível tragédia na cruz (onde estava Deus?...), nos deu a alegria, pela fé, de termos Sua ênfase no amor e cuidado pelos seus. Inclusive nos momentos em que mais as palavras faltam. A fé não se permite ser nivelada pelas limitações da razão.

E, ainda, é importante dizer que não cabe a ninguém ficar procurando “qual o pecado cometido” para que alguém sofra isto ou aquilo. Se assim fosse, a pergunta certa não seria, “por que eles”, mas sim. “por que não eu?” 2, já que sabemos não haver pessoa infalível sobre a terra, nem mesmo pastor, bispo ou papa.

Quando a fé está Nele, fé e força são a ênfase do coração. Mesmo que – e especialmente quando - tocado pela dor. 

1 I Coríntios 10.13
2 Lucas 13


Rev. Lucas André Albrecht

sexta-feira, março 01, 2013

ULBRA anuncia reformulação na Reitoria


O ano letivo na Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) inicia com reformulações na estrutura da gestão superior. Implantada nesta quinta-feira, 28.02, a nova estrutura e composição da Reitoria reflete a análise realizada pelo Comitê de Planejamento, Reestruturação e Desenvolvimento Institucional, com vistas à conclusão do Plano de Reestruturação da Instituição. O reitor, professor doutor Marcos Fernando Ziemer, acumula a função de vice-reitor. O organograma reduz de quatro para duas as Pró-reitorias. A Acadêmica é conduzida pelo professor doutor Ricardo Willy Rieth. A de Planejamento e Administração tem no comando o professor doutor Romeu Forneck, recentemente contratado.
A área Acadêmica conta com pró-reitorias adjuntas. São pró-reitores adjuntos os professores doutores Pedro González Hernández para o Ensino Presencial; Pedro Luiz Pinto da Cunha para o Ensino a Distância; Erwin Tochtrop Júnior para Pós-graduação, Pesquisa e Inovação; e Valter Kuchenbecker para Extensão e Assuntos Comunitários. O Ensino Presencial tem duas diretorias gerais subordinadas ao adjunto, a de Ensino de Graduação, dirigida por Graziela Oyarzabal, e a de Ensino Fundamental e Médio, por Maria Doronin Karnopp.
As estruturas vinculadas diretamente ao reitor Ziemer estão organizadas com a Assessoria Jurídica/Institucional e Chefia de Gabinete – Jonas Dietrich; Assessoria de Comunicação Social, Adriana Marques; Assessoria de Relações Internacionais – Kátia Pozzer, e Assessoria das Unidades de Ensino Superior – Daniel de Brum. E, também, as equipes do Gabinete de Reitoria e da Ouvidoria.

As mudanças foram aprovadas pelo Conselho de Administração da Mantenedora, ontem, 27.02. O anúncio oficial ocorreu agora à tarde, durante a reunião do Colegiado de Reitoria.



Busca pela excelência

Segundo o reitor Marcos Ziemer, o organograma implantado tem como objetivos promover maior interação entre Ensino, Pesquisa e Extensão; profissionalizar a gestão visando a permanente busca pela excelência; tornar os processos decisórios mais ágeis e dinâmicos; consolidar um modelo de gestão participativa; adequar e racionalizar as estruturas organizacionais da Universidade; e viabilizar o cumprimento dos objetivos propostos pela Universidade no Programa de Estímulo à Reestruturação e no Fortalecimento das IES (PROIES).
A busca pela profissionalização foi fator determinante para agregar à gestão superior da ULBRA o professor Romeu Forneck. Além de 15 anos de docência na extensão, graduação e pós-graduação, Forneck tem reconhecida experiência em equipes de gestão universitária com resultados positivos. Também participa de diversas entidades nacionais e internacionais ligadas às suas áreas de formação acadêmica, que somam cinco graduações, três especializações, um mestrado e dois doutorados. “Romeu vem contribuir com seu conhecimento para alcançarmos os objetivos da reestruturação implantada”, afirma Marcos Ziemer.