quarta-feira, outubro 31, 2012

Canção Cada Dia ganha videoclipe


Vídeo está publicado no Youtube

A banda: Paulo Brum, Eduardo Alves, Djenane Albrecht, Lucas Albrecht 

A Banda Mais Viver, da Pastoral da CELSP-ULBRA, lançou o primeiro videoclipe do álbum homônimo. A canção Cada Dia ganhou vida com animação, cujo roteiro é da própria banda. A produção e execução do trabalho estão a cargo de Patrícia Griep, da Nosso Cartoon - http://www.nossocartoon.com.br. O vídeo foi publicado no Youtube, na segunda-feira (29.10), e pode ser conferido neste endereço: http://www.youtube.com/watch?v=P80r4-foYRI&feature=youtu.be.

Ainda nesta semana, o clipe deverá estrear no programa Toque de Vida, da ULBRA TV. Cada Dia também está disponível para download em:http://www.ulbra.br/bandamaisviver.


Fonte: ACS ULBRA


terça-feira, outubro 30, 2012

Pastoral Visita> Goiás

Duas unidades diferentes, mas um trabalho conjunto e em parceria. A Pastoral da ULBRA em Goiás atua em diversas frentes comunicando a confessionalidade da Instituição.

Situada na divisa com Minas Gerais, junto ao Rio Paranaíba, o trabalho na Unidade de Itumbiara vai da Educação Fundamental ao Ensino Superior, e a Capelania conta com os pastores Volmir da Rocha, Capelão Universitário, e André da Silva, Capelão Escolar. Em Goiatuba, no colégio Antares, a condução  está com o Rev. Heitor Stahnke. Aulas, interação, visitas, música, participação na comunidade local, proximidade com a equipe diretiva são algumas das enfases da Pastoral.

Saiba mais sobre este trabalho no Centro Oeste do país: (5')

video


O projeto “Pastoral Visita”, em sua segunda temporada no ano de 2012,  teve origem no objetivo de conhecer trabalhos pastorais da Grande Porto Alegre, mas já abrange também outras cidades e estados, aproveitando oportunidades de mútuo conhecimento e troca de experiências.


Visitas anteriores:

segunda-feira, outubro 29, 2012

Lançamento: Videoclipe "Cada Dia"

A Banda Mais Viver, da CELSP e da Pastoral da ULBRA, lança oficialmente nesta segunda-feira o primeiro videoclipe do álbum "Mais Viver", a canção Cada Dia. O roteiro é da própria banda e a produção e execução, conduzidas pela Patrícia Griep, da Nosso Cartoon. Além do lançamento na web, o clipe estreia também nesta semana no programa Toque de Vida, da ULBRA TV.

A canção está disponível para download em: www.ulbra.br/bandamaisviver

Clique e confira:

domingo, outubro 28, 2012

Pastoral Visita> São Jerônimo, RS

Na metade de setembro, o pastoral Visita conheceu o trabalho de capelania em São Jeronimo, RS. Conduzida pelo Rev. Rui Staats, a pastoral atua em aulas de Cultura Religiosa, parceria com a Direção e setores da instituição e proximidade com os alunos, entre outras atividades.

Confira o depoimento do pastor Rui: (2'30'')

video


O projeto “Pastoral Visita”, em sua segunda temporada no ano de 2012,  teve origem no objetivo de conhecer trabalhos pastorais da Grande Porto Alegre, mas já abrange também outras cidades e estados, aproveitando oportunidades de mútuo conhecimento e troca de experiências.


Visitas anteriores:

sábado, outubro 27, 2012

sexta-feira, outubro 26, 2012

Limites?


Meios de comunicação acompanharam com certo destaque a história da moça que leiloou sua virgindade via web. O lance final, de 1,5 milhão, foi dado por um japonês. Se bem que vender o corpo não seja algo novo, a forma como foi feito tende a gerar reprovação, considerando-a uma atitude vulgar, que rebaixa e degrada a sexualidade do ser humano.

Se pensarmos bem, no entanto, há algum tempo atrás atitudes nesta área que eram 'escândalo', hoje já são consideradas normais. Para citar poucos exemplos: nudez e seminudez em qualquer horário, gestos obscenos em músicas que até crianças cantam, descompromisso total. Para ficar nos mais leves. Por que, então, este tipo de leilão virtual/real não pode também ser mais uma das normalidades da sexualidade? Quando começamos a ceder nos limites, qual o limite no qual conseguiremos parar?

Outro dia falávamos sobre as mensagens contraditórias. Sem moralismos, mas ao menos pensando sobre o tema: vamos permitindo, liberalizando, aceitando...até não conseguirmos mais não permitir?

Por fim, talvez fiquemos sem qualquer referência.

Coisa que, aliás, nunca faltou na Bíblia. Fale-se o que quiser dela, menos que não tenha ensinado com coerência sempre a mesma verdade. Há milênios. E também neste assunto. Valoriza o sexo de maneira que o torna adequado, saudável, dentro dos limites do casal que busca um relacionamento correto, seguro. Baseado em um principio, o amor; um verbo de ação, amar. E os diversos sentimentos que deles provém..

De outra forma, não teremos saída. Pois mensagens contraditórias só conseguem uma coisa: contradição.

Aliás, mais uma. falta de limites.






Rev. Lucas André Albrecht

quinta-feira, outubro 25, 2012

Musica cristã nos saguões

Finalizada, nesta quinta, mais uma edição do "Música nos Saguões" , com a presença novamente da Banda Herdeiros, de Porto Alegre. O projeto leva música cristã contemporânea antes das aulas e no intervalo, nos prédios do campus de Canoas. Momento de música boa com conteúdo para o coração.

Para ter uma ideia do momento, confira a canção 'Cada segundo', da Herdeiros, no prédio 01, primeiro semestre 2012.

Manaus

Matéria feita no campus da ULBRA, em Manaus, por ocasião dos 343 anos da capital do Amazonas.

http://g1.globo.com/am/amazonas/bom-dia-amazonia/videos/t/edicoes/v/manaus-343-anos-gauchos-residentes-em-manaus-falam-do-amor-a-manaus/2205541/


                                    
“Nossas tentativas de esconder nossas falhas não funcionam tão bem quanto pensamos”.

(Julie Morgenstern)

quarta-feira, outubro 24, 2012

Verbos


Existe a história nas páginas da Bíblia do jovem rico que perguntou a Jesus Cristo: “O que devo fazer para ganhar a vida eterna?”

O problema não era ser rico. Nem ser jovem. O problema foi com o verbo: fazer.

Para remover as pedras do caminho e tentar levar o jovem ao cerne da questão, Jesus Cristo diz:  “Estão ai os mandamentos. Cumpra todos que você vai pro céu”. Tudo o que o rapaz queria ouvir, pois já tinha a resposta na ponta da língua: “Legal! Olha, eu já tenho procurado cumpri-los desde cedo na minha vida”.

Quase dá para ouvir o complemento moderno que tanto ouvimos: “eu não mato, eu não roubo e eu pago as minhas contas”.. Nossa velha ilusão de que é possível cumprir a lei e estar alguns degraus mais acima da escada do que os outros. “Devo merecer alguma coisa, então”.

Outro verbo errado. Não é fazer nem merecer. Por isso que Jesus avança um pouco mais: “Então vende tudo o que você tem, dê aos pobres, e me siga”. Aí complicou. Agora era a hora de ver onde a segurança do rapaz se apoiava. E ele baixou a cabeça, ficou triste. E foi embora.

Não era somente o dinheiro o problema. Não era a idade. Não era o lugar. Eram os verbos. Fazer. Merecer. Ter. Confiar.

Neste último, o problema era o objeto do confiar. Jesus Cristo está tentando dizer àquele rapaz que a confiança precisa ter um centro imutável. Que ladrões não roubam, fogo não consome, tempo não enferruja. Não é fazer, é crer. Não é merecer, é receber. Receber Dele o que mais precisamos. Inclusive e especialmente a vida eterna, que é presente conquistado e dado por ele, pela fé. No fundo não é preciso vender, não é errado ter. Desde que saibamos que não possuímos aquilo que temos, nos tornando escravos disso, e sim tudo é presente de Deus. E é Nele que nossa confiança deve estar.

Infelizmente o jovem não ficou até o fim. Quem sabe poderia ter ouvido uma bela palavra evangélica de conforto e estimulo do Salvador.

Mas ao menos uma coisa de bom podemos ver na atitude do jovem. Ele perguntou a respeito da vida eterna. Estava interessado no tema. Quantos de nós ainda perguntamos? Ou só vivemos o dia a dia, procurando cuidar do trabalho, acumular bens, ter lazer e prazer, quem sabe até um tempo pra familia?...

Tudo isto é importante, mas a vida com Ele é ainda mais. Por isso, esta pergunta jamais deve sair de nossa pauta.

Especialmente quando lembramos que não precisamos merecer, fazer, acontecer ou ter.

Basta crer.


  


Rev. Lucas André Albrecht

ULBRA: Instituição Socialmente Responsável


Universidade investe na relação com a sociedade

            A ULBRA recebeu o Selo Instituição Socialmente Responsável, fornecido pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) para instituições comprometidas com a educação e com a sociedade. A ULBRA é uma universidade conhecida por sua interação com a sociedade, principalmente nas comunidades que está inserida, suprindo as demandas educacionais e sociais.
            A adesão da Universidade ao Dia de Responsabilidade Social 2012 credenciou a ULBRA à utilização do selo. Este dia é reservado para um grande evento nacional, num só dia, para organizar uma mostra de ações resultantes de projetos de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidos ao longo de todo o ano.
            A participação da ULBRA no Dia de Responsabilidade já completa sete anos, a primeira edição ocorreu em 2005. “A ULBRA participa formalmente desde esta data, mas já na sua fundação ela surge de uma necessidade da comunidade. O papel da Universidade é atender as demandas que a sociedade apresenta. Entendemos que devemos modificar positivamente os locais em que estamos inseridos, capacitando, e até servindo, sem sermos assistencialistas. A ULBRA, através do Ensino, Pesquisa e Extensão, cumpre seu papel perante a sociedade”, finalizou Gustavo Becker, diretor de Extensão.

Fonte: ACS ULBRA

sábado, outubro 20, 2012


Se você quer se livrar de uma má atitude ou vício, não os alimente. Nem mesmo em pensamento.

sexta-feira, outubro 19, 2012

Avenida Brasil


por Marcos Schmidt

Os recordes de audiência da novela Avenida Brasil fizeram com que a própria presidente Dilma Rousseff alterasse a data de um comício em São Paulo nesta sexta-feira, na hora do último capítulo. Concluíram que “não haveria ninguém” para prestigiar a presidente. Eles têm razão. Conforme pesquisa, nos últimos dias sete em cada dez pessoas que assistiam TV em São Paulo estavam ligadas na novela das 21h  – que representa a média nacional. Ninguém pode menosprezar os motivos para tanta audiência, sobretudo nos quesitos qualidade técnica, interpretação, roteiro das novelas da Globo. Mas é preciso refletir em algumas coisas.

Dias atrás, caminhando pela calçada, ouvi uma menina de uns três anos dizendo para a mãe: “O Max não morreu, ele vai voltar e ficar com a Carminha”. Fiquei pensando com meus botões: O quê passa na cabeça de uma criança ao assistir esta novela? Aliás, até onde as novelas moldam a vida dos brasileiros? Traição, adultério, poligamia, licenciosidade, libertinagem sexual, enfim, um mundo de coisas que até tempos atrás eram imorais para a grande maioria. E hoje? As novelas, com poucas exceções, condenam injustiças sociais, falcatruas, desonestidade, roubos – este tipo de imoralidade. Mas impiedosamente elas maltratam os conceitos tradicionais do casamento, da família, da sexualidade. E quando padres, pastores, religiosos cristãos são interpretados, tais personagens geralmente são moralistas hipócritas, falsários, e até motivo de avacalhação.

Avenida Brasil está no fim, mas o quê as crianças, jovens e adultos aprenderam sobre o matrimônio? Vale ainda a recomendação(?): “Seja fiel à sua mulher e dê o seu amor somente a ela” (Provérbios 5. 15); “Que o casamento seja respeitado por todos, e que os maridos e as esposas sejam fiéis um ao outro”(Hebreus 13.4).  Se não tirarmos os pequenos da sala na hora da novela, que ao menos digamos a eles em certas cenas: Isto é feio!


Rev. Marcos Schmidt
Comunidade Luterana “São Paulo”
Novo Hamburgo, RS
marsch@terra.com.br

quinta-feira, outubro 18, 2012



“Escreva e guarde o conselho de quem te ama, mesmo que no momento não seja o que gostarias de ouvir.”

(provérbio inglês)

quarta-feira, outubro 17, 2012

Outras pessoas


Talvez também aconteça com você. E com mais um monte de gente. Muitos perfis que nos adicionam como amigos nas redes sociais, ou que nós adicionamos, a gente mal conhece. Algumas destas pessoas até são conhecidas, mas sequer alguma vez nos dirigiram a palavra presencialmente.

Mas, pensando bem: para quem você já conhece bem, seria necessário uma rede como o Facebook? Uma ligação, uma conversa pessoal, uma atividade juntos, não são as melhores opções para quem realmente é seu amigo(a)?

Será que não é este um dos principais proveitos deste tipo de rede, nos conectar a ‘conhecidos’ e outras e diferentes pessoas?

Bem, você pode discordar. Mas em uma coisa talvez concordemos: é importante ter uma forma de nos conectarmos também a pessoas fora do nosso circulo habitual. Sairmos da nossa zona de conforto, ou melhor, a ampliarmos, para termos a oportunidade de compartilhar a vida, fazer o bem, conhecer outras ideias.

Especialmente, para compartilharmos o amor de Deus. Um amor que ampliou Sua rede a todo o mundo, criando a família da fé, e quer que todos conheçam seu amor e cuidado pelo ser humano. Por estes meios de comunicação, temos oportunidades únicas - que de outra forma talvez nunca teríamos- de postar ou compartilhar palavras boas, que podem aquecer um coração ou até mudar o dia de alguém.

Ou seja, podemos dirigir uma palavra boa até para quem nunca nos dirigiu palavra.




Rev. Lucas André Albrecht

domingo, outubro 14, 2012

É preciso refletir e discutir sobre Educação no Brasil


Professores acreditam que é necessária uma mudança cultural

O Brasil passa por um momento em que cada vez mais diminui o número de pessoas que procuram as licenciaturas e o magistério como escolha profissional. Ser professor, não é fácil. A profissão é desvalorizada financeira e culturalmente. Com a proposta de se pensar a educação e buscar alternativas que colaboram para uma mudança desta realidade, os professores dos Programas de Pós-graduação em Educação (PPGEDU), Marisa Vorraber da Costa, e Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM), Arno Bayer, são apenas dois dos muitos educadores da ULBRA Canoas que pesquisam o tema e procuram incentivar a discussão e a busca por melhorias.
“A educação básica brasileira vem tendo muitos problemas e deixando muito a desejar, já desde meados dos anos 1970, e boa parte deste declínio de qualidade deu-se em consequência da incapacidade de sucessivos governos diante do imenso desafio da universalização da escola”, destaca a professora Marisa.
Para ela, colocar todas as crianças em sala de aula é um grande desafio político-social, mas isto resolve apenas parte do problema. “Oferecer educação de qualidade exige persistência, além de um variado conjunto de iniciativas e ações. O que se investe na escola precisa ser igualmente investido na formação inicial dos professores”, argumenta.
Arno Bayer concorda com a colega, lembrando que nos anos 1970 o professor tinha status e um bom salário, mas esta realidade começou a mudar no início dos anos 1980. Ele acredita que o pior problema da educação, atualmente, mais do que os baixos salários, é a falta de interesse dos jovens em optar pela docência. “Em função disso, os educadores estão envelhecendo e o cenário é assustador”, alerta o professor.
Bayer informa que em uma pesquisa de 2009, realizada pela Fundação Carlos Chagas, sob encomenda da Fundação Victor Civita, constatou-se que 41% dos professores brasileiros estão na faixa acima dos 40 anos. A mesma pesquisa revelou que apenas 2% dos alunos que estão no Ensino Médio pretendem escolher a licenciatura como carreira profissional e destes 80% são oriundos de escolas públicas. De acordo com o professor, outro dado alarmante é que 30% destes estudantes que escolheriam ser educadores são os que tiveram as piores notas na escola. Bayer destaca, ainda, que, em comparação a outros países na América do Sul, o Brasil é um dos que mais paga mal seus professores.
Ambos os pesquisadores destacam que é preciso qualificar a preparação dos educadores. “Os professores precisam de tempo e de livros para ler, precisam ir ao cinema, a museus, conhecer bem sua cidade, ver bons programas de televisão, viajar um pouco. Tudo isso são atividades indispensáveis para conhecer o mundo em que vivemos e para o qual é preciso educar as crianças e jovens”, salienta Marisa.
A professora lembra ainda que, por muitas vezes, o próprio professor não se valoriza e isso é resultado de uma questão cultural. “A educação que se recebe em casa não colabora para que o aluno reconheça o valor do estudo e do profissional que transmite o conhecimento”, argumenta.
Neste contexto, o professor Arno Bayer argumenta que, além do empenho da escola, é preciso o envolvimento de governos, da mídia e também da iniciativa privada. “Temos condições de mudar esta realidade, basta vontade”, acredita.


Fonte:
Daniele Farias
Assessora de Imprensa – ACS Imprensa – ULBRA

quinta-feira, outubro 11, 2012

E ponto.


Qual a criatura mais rara do planeta?

Talvez uma tartaruga, um pássaro, um inseto?...  Profissionais de diversas áreas trabalham todos os dias, em diversos lugares do planeta, para descobrir quais são as espécies que estão virando raridades para, a partir disso, trabalhar pela preservação das espécies que são consideradas sob o risco de serem descontinuadas.

Mas, na verdade, a criatura mais rara do planeta é uma que os biólogos dificilmente pesquisam. E também teriam dificuldade para achar. Trata-se de um ser humano que se arrepende de seu erro. Arrependimento de verdade, sem usar uma desculpa, explicação ou recorrer ao genérico “todo mundo erra”.

Dizer “eu me arrependo “, ou “Eu errei, perdão”. E ponto.

Para mudar isso, somente aquele que foi único no seu gênero – Jesus. Ele fez o que só ele poderia fazer. E o que Ele fez nos deu acesso, por meio de arrependimento e fé, ao perdão, para deixarmos de ser aquela criatura rara e desfrutarmos da preciosa graça e amor que Ele nos estende. Olhando por este prisma, afinal, não deveria ser tão difícil encontrar um cristão sem meras desculpas ou explicações. Pois já temos a garantia e certeza do perdão e o recomeço no coração.

Diante Dele, podemos ter certeza: “Eu te perdôo”. E ponto.


(inspirada em uma devoção e LHM)




Rev. Lucas André Albrecht

segunda-feira, outubro 08, 2012

Pastoral Visita>Ulbra Ji-Paraná



Perto do fim do mês de Agosto, o Pastoral Visita conheceu um trabalho em conjunto. Os capelães Paulo da Rosa, do 3º grau, e Adalberto Gross, da Escola São Paulo (Cedusp), na ULBRA Ji-Paraná, RO, dimensionaram as atividades regulares locais, dentre elas devocionais, aulas, ação social e presença diária no campus.

Comentaram também o bom relacionamento em equipe, fundamental para o andamento das atividades, e a parceria com Rev. Wendell Siring e a congregação luterana local.
  
Conheça ambos e o campus local: (3'55)

video

O projeto “Pastoral Visita”, em sua segunda temporada no ano de 2012,  teve origem no objetivo de conhecer trabalhos pastorais da Grande Porto Alegre, mas já abrange também outras cidades e estados, aproveitando oportunidades de mútuo conhecimento e troca de experiências.


Visitas anteriores:


Pastoral Visita> Guaíba, RS


Na metade do mês de Agosto, dia 15, a capelania da ULBRA em Guaíba expôs suas atividades, que vão dos primeiros anos de idade até à Graduação. 

Além das atividades regulares, com devocionais, cultos, acompanhamentos, apoio à equipe diretiva, o projeto social UlbraSol. O Pastor Marcelo, que também é Coordenador Regional Sul da Capelania Geral, comentou em vídeo o trabalho, e você no vídeo: (3'05'')

video

O projeto “Pastoral Visita”, em sua segunda temporada no ano de 2012,  teve origem no objetivo de conhecer trabalhos pastorais da Grande Porto Alegre, mas já abrange também outras cidades e estados, aproveitando oportunidades de mútuo conhecimento e troca de experiências.


Visitas anteriores:

sábado, outubro 06, 2012

Cuidado

Vídeo curto, objetivo e, o pior, realista.
 Cuidado com as informações que você posta na internet.
 

sexta-feira, outubro 05, 2012

Marca


A estratégia de marketing de uma marca de cerveja gera uma situação interessante entre seus consumidores. Ela comercializa a cerveja oficial de Grêmio e Inter, com embalagens caracterizadas com o símbolo e cores dos clubes.

A parte curiosa vem agora. Embora todas as latas tenham exatamente o mesmo líquido,  a mesma fórmula, a mesma cerveja, há colorados que jamais tomarão o liquido ‘gremista’, e gremistas que não admitirão a hipótese de consumir a cerveja ‘colorada’.  Mesmo sabendo que o só o rótulo as diferencia. O conteúdo, gosto e efeito são absolutamente iguais..

Mais uma lembrança de como é importante evitarmos colocar rótulos uns nos outros. Dependendo da ‘marca’ que utilizarmos, a pessoa vai ficar marcada como alguém a quem evitar, mal vista, intragável ou sem grande valor.

Muito embora tenhamos todos o mesmo conteúdo humano.

Se há um único rótulo que pode ser colocado em todos é aquele que diz: “objeto do amor de Deus”. Este sim identifica cada ser humano sobre a Terra. E quando esta mensagem passa da embalagem e se torna também conteúdo no coração, transforma a vida, muda o olhar. Preenche o ser.

Mas não nos deixa tontos ou nos leva a fazer loucuras. A não ser aquelas que a razão não entende - amar o próximo como a si mesmo, acreditar no que não se vê, viver confiando mesmo na tormenta e compartilhar com o próximo mesmo quando quase não se tem. Deus não quer marketing, quer marcar cada vida com a fé, que dá sentido ao viver.

Rótulos são para os objetos na prateleira. Para os objetos do amor de Deus, é no interior que está a marca e a identificação.



Rev. Lucas André Albrecht




Texto publicado originalmente aqui.




Based on Principles


Somehow you just knew that it was not the best thing to do.

But then you did not say anything. Maybe you were afraid that your actions would be misunderstood, since everything and everyone made you believe there would be another, better alternative for the problem.

As the time goes by you find out that what you had anticipated happened. And you regret that you had not stuck to what you knew was best.

Something like this could have already happened to you, either related to small or big issues. We, besides saying “Yeah, I knew it was not supposed to be that way”, ask ourselves: “How could I be so sure it was wrong when everyone said otherwise”?

I dare to answer: principles. When our opinion and vision are based on principles, we easily imply the notion of the right thing to do and hardly err. It is possible to go against our principles, but we end up broken when we do that. When other opinions are offered to us, oriented toward personal, fugacious, or just plain wrong values, you can be sure that, even though they might look like the right thing to do at the moment, they will not last.

People who keep principles and actually allow their lives to be conducted by them follow the safest path. At many times, they might not do the most popular thing at the moment or pursue the fastest way to get something. They might even find some enemies and cause some faces to turn along the way. But they will not only eventually get to the right place, but instead, they already are there. Jesus Christ, who is The Way, reveals in his Word principles worth keeping. Besides that, they bestow on us vision and something similar to a "prophetic gift”.

For that which is not based on principles will, eventually and most certainly, fail.

Rev. Lucas André Albrecht
Senior Chaplain at Ulbra, Parish Pastor at “St. Paul”,
Canoas ,RS, Brazil
www.ulbra.br/pastoral



Translator:
Rev. Paulo S. Albrecht
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Text  revision
Ms. Kim Starr
MA Practical Theology & Deaconess Certified
Wisconsin, US

quinta-feira, outubro 04, 2012


Às vezes não importa para que lado do muro você caia; o que mais importa é cair. Não é possível fazer progressos sem tomar decisões.

(Jim Rohn)

terça-feira, outubro 02, 2012

Mensagens contraditórias


Eu não tenho certeza aonde este tipo de mensagem contraditória comunicada quase diariamente vai nos levar.

-Queixar-se de uma sociedade ‘conservadora’ ou ‘atrasada’ e frequentar festas intermináveis, com ‘conteúdos’ igualmente sem fim... que atrasam e não conservam o ser humano.
-Reclamar dos maus motoristas, da indústria da multa, da corrupção, e dirigir em alta velocidade, ou pelo acostamento, ou depois de ter bebido só um pouquinho...
-Falar o que quer e depois não querer ouvir o que não quer.
-Proibir uma palmada fora do ventre e autorizar tirar a vida dentro dele.
-Morte ser assunto proibido e sexo ser assunto diário.
-Falar mal de quem desperdiça água e desperdiçar a vida consumindo o que acaba com o corpo e a alma humana.
-Condenar sacolas plásticas e celebrar a plastificação e coisificação humana.
-Achar horrivel agredir o meio ambiente e achar normal agredir e desmerecer o ser humano.
-Reclamar de falta de tolerância com as diferenças com um discurso inflamado, agressivo e...intolerante
-Reclamar da baixaria moral da sociedade e não se dar ao respeito diante da sexualidade promíscua.
-Posicionar sua fé contra a violência...com mais violência.
-Denunciar falta de investimento na saúde e degradar o sexo à casualidade e à falta de comprometimento, assumindo comportamento de risco...à saúde, física e emocional.
-Afirmar que tudo é relativo e que não existe apenas uma verdade utilizando um argumento que é...absoluto.

Não sabemos aonde este tipo de ideia vai nos levar. Ou talvez saibamos, mas não queiramos admitir. Mas duas verdades diferentes não fazem um fato igual. E mensagens contraditórias só conseguem produzir uma coisa: contradição.

Mas sabemos aonde podemos ir quando nossas idéias estão presas a princípios.

Especialmente os princípios que estão presos à Palavra do Autor da Vida. Neste caso, o caminho é certo. Pois além do Caminho, estão também a Verdade, que liberta, e a Vida, que é plena.

Sem contradição. Sem contra-indicação.
Mas com transformação. E ação.




Rev. Lucas André Albrecht