sexta-feira, junho 29, 2012

Realistic promises


Something that is very frustrating, upsetting, even depressing, is a promise that is not kept.
It might be someone else's promise. He/She promised to be there and did not show up, the wedding vows broken, the date due not honored, the satisfaction guarantee or money back never true. We suffer when someone does not keep his/her word.
Or, it could be our promises. Words said to our children, to our spouse, to our supervisor...soon forgotten. What about the promises we make to ourselves, breaking these could be worse. "Starting today I will lose weight." " This is the last time I will do this." "Yes, I will quit."  "I will never again..." "From now on I will always."
Why is that we are not able to keep them?
Maybe because most of our promises are impossible to be kept.  We ramble about losing weight, recovering trust, starting something, quitting, avoiding temptations. But since we do not ponder enough on them, in a realistic basis, considering our strengths and our weaknesses, they become ill-constructed promises. And, therefore, bad promises, unattainable.
Bad promises easily become unkept promises. They can just as easily be either big or small. Harmless or deadly. Promises that produce life or end up in death - growth of a friendship or end of a relationship. The idea of a great project, the destruction of a beautiful goal.
Thankfully, we can remember the Word of God - gently, firm, trustworthy. No Word from God will ever fail. (Luke 1:37) This does not read "some" or "many," not "almost all of." It reads, "no Word...will ever fail." That equals "He will keep them all." When He promises He keeps His Word. The greatest promise was fulfilled in Jesus Christ and guarantees His promises to be trustworthy. Certain. Enduring. Real!
The record of His promises is in The Bible and that is where we find solid ground to make our promises. Realistic, well though out, possible promises. This is how we know that they will more likely be kept. Yet, even if or when we fail to keep them He gives forgiveness...the renewal of trust and the strength to go on.
With a promise so wonderfully kept, the heart surely rejoices!

Rev. Lucas André Albrecht
Chaplain at Ulbra, Parish Pastor at “St. Paul”,
Canoas ,RS, Brazil
www.twitter.com/lucasdje



Translator:
Rev. Paulo S. Albrecht
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Text  revision
Ms. Kim Starr
MA Practical Theology & Deaconess Certified
Wisconsin, US

sábado, junho 23, 2012


 “A única coisa pior do que uma pessoa que você não consegue controlar e uma que você consegue,”

(Margo Kaufman)

sexta-feira, junho 22, 2012

Consulado de Guaíba promove campanha social


Foi encerrada neste sábado (16/6) a campanha do agasalho promovida pelo consulado do Internacional em Guaíba-RS. Ato contínuo, foi realizada a entrega dos donativos ao pastor Marcelo Muller, capelão da Ulbra-Guaíba, que trabalha no Ulbrasol, movimento que beneficia a pastoral comunitária da Vila Nova Guaíba e o bairro  São Francisco. Foi arrecadada cerca de uma tonelada de agasalhos e brinquedos. Este é o quinto ano que o consulado realiza a campanha, sempre buscando ajudar entidades sociais.




Nuvem


Às vezes, você e eu somos pessoas-nuvem, concorda comigo?

Olhe para um céu azul com nuvens. Aqueles, bem espessas, que parecem algodão doce. Elas transmitem serenidade, calma, “fofura”. Parece que daria para deitarmos em uma delas, como um colchão, e tirar uma soneca;  ou apreciar, lá de cima, a criação de Deus. Podemos ainda procurar formas, objetos, rostos. Olhando de fora, nuvens assim são calmantes naturais.  

Mas quem voa de avião sabe que a história é diferente.

No interior das nuvens, estão as turbulências. Fracas, médias ou muito fortes. O que aparentemente é tranqüilo e “fofo”, no interior é turbulento e traz um dos momentos de tensão que a viagem de avião pode ter.

Nós, pessoas-nuvem em alguns momentos, somos assim. Por fora estamos sorrindo, tudo parece estar fofo e bem. Mas no interior, a turbulência é grande. A angustia chacoalha. A tristeza nos deixa instáveis, pensando que não vamos conseguir continuar.

Mas, aqui, vale continuarmos com o exemplo da aviação. Segundo os especialistas, nunca uma turbulência derruba um avião, seja a nuvem alta, espessa ou de chuva. Pode haver outros problemas que levem a isto, mas não a turbulência. A aeronave chacoalha, às vezes de maneira forte, mas não cai.

Vivendo na fé em Jesus Cristo poderemos entrar no meio de muitas nuvens, pequenas ou imensas. Mas sempre teremos a certeza de poder prosseguir. Podemos, ainda, contar com pessoas que Ele coloca ao nosso lado, para nos amparar e não deixarmos vivermos uma vida de aparências.  E, assim, podermos carregar um sorriso genuíno, não de quem tenta fazer de conta que está bem, mas de quem está certo e seguro de que, por mais que turbulências sempre existam, nunca vamos deixar de voar.

E a vida adquire, assim, a forma que é reflexo autêntico do interior, onde está presente o Seu modelar.
                                 




Rev. Lucas André Albrecht

quinta-feira, junho 21, 2012



“O coração do homem traça seu caminho, mas é o SENHOR quem lhe dirige os passos”

(Livro de Provérbios, 16.9)

“...e agradeço muito por isto”


“Boa tarde Pastor Lucas,

Tudo bem com você?... Estou entrando em contato apenas para agradecer suas mensagens. Sinceramente, eu gosto muito das suas mensagens, pois SEMPRE, trazem uma assunto do nosso dia a dia. Seja ele da vida pessoal ou profissional. E sempre acaba relacionado com o que a Palavra de Deus nos diz. Também, gosto porque são mensagens curtas, mas muito eficientes.

Suas mensagens trazem algo para elevar nosso espírito e pensamentos ao Senhor. Hoje não estou indo em nenhuma igreja, mas sempre faço minhas orações. Até porque eu sou um milagre de Deus. No dia 09 de março de 2012, eu sofri um acidente de moto. Um caminhão me atropelou e eu fraturei a perna direita. Desta fratura exposta que eu tive, subiu uma "gordura" de dentro do osso pela corrente sanguínea, e foi parar nos pulmões. Nisto, tive parada respiratória, e graças a Deus que minha prima irmã estava comigo no momento em que passei mal. A enfermeira mediu com uma aparelho a oxigenação no sangue. Ela identificou que esta porcentagem estava muito abaixo do normal, e pensou que o aparelho não estava funcionando. Então ela pegou outro aparelho e mediu novamente. A mesma medição, muito abaixo do normal. Foi então que ela pegou um terceiro aparelho e diagnosticou que eu estava tendo uma parada respiratória. Resumidamente, fiquei por 15 dias em coma na UTI e mais 15 dias me recuperando até dar alta hospitalar. Neste período minha família foi quem mais sofreu, porque eu estava lá, deitado, sem sentir dor alguma. Só de imaginar a dor deles por me ver sem reação e todo cheio de tubos para me manter vivo,chega me dar arrepios. Mas graças a Deus, Ele me permitiu viver e agradeço muito por isto. Certamente Ele tem um grande plano na minha vida. Também pude contar com as orações dos meus amigos e colegas, tanto do trabalho quanto do curso. Enfim, gostaria apenas de compartilhar um momento de minha vida, da qual nunca poderei esquecer e muito menos meus familiares e amigos.
Obrigado pela suas mensagens. Que Deus possa nos abençoar igualmente todos os dias, assim como Ele vem fazendo.”
(depoimento do leitor William S. Pinto).

Planos.
Quando são os de Deus, nunca vão falhar.

Até porque o Grande Plano de Deus já foi realizado - por Jesus Cristo. Seu maior plano é nos ver ligado a Ele, pela fé no Salvador. A partir disso, podemos olhar pra frente e deixar que nossos passos sejam guiados a cada dia. Agradecendo por isto e por tudo o mais que Ele ainda vai proporcionar em nossas vidas

Então, mesmo nos momentos em que achamos que não, nossos pés estarão, sim, andando no caminho certo.




Rev. Lucas André Albrecht

sábado, junho 16, 2012

sexta-feira, junho 15, 2012

Connection


As we live with people, we not only have relationships, but end up connecting our lives to their lives. As we get to know each other better, the connection becomes stronger and lasting. And this we consider a good thing, don’t we?
Well, not always.

Some connections might put us into trouble. This is what we can see with politicians, when they are accused of illicit connections. In these last week in Brazil many politicians are trying to prove that they are not connected to a well known briber called Carlinhos Cachoeira. For many connections to him are popping up in the news.
However, the danger is found not only in “Cachoeiras” (waterfalls, in Portuguese). It is also in the small reservoirs filled with putrid water and wells with stagnant water around us.  The danger of harmful connections is not only “out there” but sometimes closer than we might think.

In the gospel of John, chapter 15, Jesus says that he is the vine and those connected to him are the branches. He who is connected to him bears much fruit. Here is a connection that is always good and brings much benefit to our life. Connected to the Master we receive strength and guidance to bear many and good fruits.
This connection which can be announced to all the world might become hidden, maybe out of fear or shame. On the other hand the “Cachoeira” connection should not be advertised, it is better if it remains hidden, people involved in it think, since they deal with the base desires of human life: money, power, carnal lusts….Nonetheless, even though the fruits of the Vine connection do not look the best from a human standpoint once the fruits from the “cachoeiras” connection are better looking, they remain and they lead us to life eternal.

Even better, they are from a different nature and values than the fruits of the “cachoeiras” connection. This is so that if you google “videira perto de cachoeira” (“vine nearby waterfall”) the result is “
nenhum resultado encontrado” (no results found). A small joke just to illustrate that the values of the vine are different and lead to life, establishing the best and everlasting connection.
How wonderful if that blessed connection was the one on the news...

Rev. Lucas André Albrecht
Chaplain at Ulbra, Parish Pastor at “St. Paul”,
Canoas ,RS, Brazil
www.twitter.com/lucasdje



Translator:
Rev. Paulo S. Albrecht
Rio de Janeiro, RJ, Brasil


Text  revision
Ms. Kim Starr
MA Practical Theology & Deaconess Certified
Wisconsin, US


Perdão


Nesta semana, foi aprovada pela Câmara Federal a medida provisória número 559, que, entre outros temas, traz o ProIES, condição que beneficiará cerca de  500 universidades comunitárias e filantrópicas em todo o Brasil. A redação desta medida traz a possibilidade de que até 90% da divida destas instituições com a União seja convertida em bolsas, ficando os 10% restantes para pagamento em dinheiro.

Alguns órgãos de imprensa, ao falarem desta troca, utilizaram a palavra “perdão”.(outros acharam que praticamente só a Ulbra seria a grande beneficiada, ignorando as demais 499...). Mas o ponto é que este vocábulo foi aqui empregado de uma maneira que não condiz com seu sentido original

Na verdade, quando se olha mais de perto o texto da MP, logo se vê que de perdão não existe nada. Além do pagamento da dívida por bolsas, o que em si já não perdoa a divida, há também pontos do texto que incluem concessões que as instituições deverão fazer. Como já sabemos, nada, ou quase nada neste mundo é de graça. Muito menos ‘perdão’ de dívidas que algum governo pudesse conceder.

Perdão de verdade, de fato, no sentido da palavra, é aquele que está no texto da Bíblia sagrada, obtido por Cristo, pago com sangue. Incondicional e gratuito. Não existem condicionantes, ainda que a Bíblia diga “se confessarmos os nossos pecados..”. O que parece uma condição, na verdade é conseqüência, “quando confessarmos os nossos pecados...’,. Pois o arrependimento e fé necessários para o perdão em si já são presentes gratuitos do próprio Deus vêm do próprio Deus. Presente de Deus para ser também graciosamente repartido com o próximo.

Está lá, tudo no texto que Deus redigiu, sua Palavra. Uma Medida que não é provisória, mas definitiva.

E para muito mais do que 500 instituições.






Rev. Lucas André Albrecht

terça-feira, junho 12, 2012

Engarrafamentos


Com o aumento do número de veículos em circulação, especialmente nas grandes cidades, eles passaram a nos fazer companhia diária. Aqueles torturantes minutos, talvez horas, de perda de tempo e combustível que quase sempre prejudicam nosso humor. Dificilmente alguém responderia ‘sim’ á pergunta “você gosta de um engarrafamento?” Entrar em um deles costuma ser sinônimo de demora, mau humor, atraso para compromissos.

Mas talvez tudo dependa de para onde estamos indo ou o que estamos esperando.

E se estivermos indo para um jogo importante, ou seguindo naquela longa fila de carros comemorando a conquista de um campeonato? Se estivermos indo para uma festa em que a multidão de carros indica que ela está ‘bombando”? Ou se estamos indo ao encontro da pessoa amada?

Pode ainda não ser o melhor dos mundos. Mas tenho certeza de que nossa espera neste engarrafamento terá um clima totalmente diferente.

O que esperamos para a vida que temos à frente? O que esperamos para depois desta vida? A resposta a estas perguntas, sem dúvida, influencia o modo como enfrentamos os ‘engarrafamentos’, isto é, os problemas e desafios que a vida diária nos apresenta. Se a vida acaba logo ali, se não temos visão de futuro;  se esperamos apenas pelo pior ou mesmo não esperamos mais nada, não há dúvida de que isto influenciará o humor do hoje.

No entanto, quando sabemos que em Cristo temos um futuro promissor e uma vida eterna pela frente, nossos congestionamentos diários terão outro humor. Nem sempre estaremos alegres e vibrantes, mas sempre seguros e confiantes de que vamos seguir em frente. Pois a forma de viver e encarar a vida é outra, ela não termina logo ali. Não está rodando a esmo e nem trará apenas coisas ruins.. A vida em fé, na perspectiva da vida eterna, muda nosso humor e fortalece nossa vontade de ultrapassar as barreiras, rumo ao que o futuro nos trará de bom.

Pode não ser o melhor dos mundos. E não é.  

Pois o melhor, de fato, ainda está por vir.



Rev. Lucas André Albrecht

Pastoral Visita: CEULS, Santarém, PA

Situada à beira do Rio Tapajós, no ponto em que as águas deste se encontram com as do Amazonas , Santarém, cidade paraense de 300 mil habitantes, conta com o trabalho da ULBRA já há 23 anos, através do CEULS (Centro Universitário Luterano de Santarém). E o trabalho pastoral, liderado pelo Rev. Maximiliano Wolfgramm Silva, também é o encontro das águas de oportunidades e desafios.

Capelão do CEULS desde 2008, o Rev. Max, doutorando em Teologia pelo Concordia Seminary de St. Louis. EUA, atua em diversas frentes, desde a Escola de Ensino Fundamental e Médio até o Ensino Superior, liderando devocionais, aulas de Cultura Religiosa, Palestras, ações no Hospital local, trabalho pastoral e comunitário, entre outros. Além disso, atua como Coordenador Regional Norte e Centro-Oeste da Capelania Geral e também como conselheiro do Distrito Amazônico da IELB.

Em vídeo, saiba mais sobre o trabalho local!:

video

O projeto “Pastoral Visita”, em sua segunda temporada no ano de 2012,  teve origem no objetivo de conhecer trabalhos pastorais da Grande Porto Alegre, mas já abrange também outras cidades e estados, aproveitando oportunidades de mútuo conhecimento e troca de experiências.


Próxima Visita: Capelania em Cachoeira do Sul., RS -  13 e 14 de junho


Visitas anteriores:
ULBRA Santa Maria, RS
CEULM Manaus, AM
ULBRA Torres, RS
UniLassale
Província Marista Centro-Sul
Capelania Hospitalar Luterana
IENH
PUC-RS
Faculdades Dom Bosco

sexta-feira, junho 08, 2012

Reencontro


No dia primeiro de junho deste ano, eu e os colegas de formatura de 8ª série do Colégio Luterano Concórdia, turma de 1989, tivemos a mesma alegria: a do reencontro. Depois de uma avalanche de emails e posts no Facebook, foi marcada a data de reviver, ao vivo, muito do que aquele tempo guardou.  Estudamos juntos por um bom tempo; eu, desde a 6ª série, alguns, desde o primário.

Na data combinada, além dos amigos, estiveram presentes também alegria, risadas, lembranças dos ‘micos’ e dos talentos e marcas que cada um deixou. Para mim, o fato de destaque deste evento foi notar que a amizade foi retomada do mesmo ponto deixada há 23 anos. Os caminhos se separaram, as vidas seguiram seu rumo. Houve conquistas, ganhos, perdas... Mas naquele dia tudo voltou ao ponto em que parou. “Parece que foi ontem” foi um dos chavões mais repetidos da noite.
Quando se trata da vida de fé, temos também um grande amigo, Jesus Cristo, do qual algumas vezes nos afastamos e seguimos rumos diferentes. Só que neste caso, ao seguirmos outras estradas, pensando poder confiar somente em nossas forças, acabamos tristes, em escuridão, angustiados...longe da amizade que um dia tivemos e perto da incerteza que só nos faz mal ao coração.

No entanto, este Amigo está sempre lá, no mesmo lugar de sempre. Nele não há variação ou sombra de mudança, sua amizade permanece intacta. Seu amor e tudo o que Ele fez por nós continuam os mesmos. Tudo continua no mesmo lugar, esperando nossa volta, em arrependimento e fé. Naquele momento, Ele retoma a amizade do ponto em que parou. É como se o tempo de intervalo não tivesse existido, e voltamos a viver a vida de alegria e segurança sob seu cuidado e carinho.

Encontrar-se com Ele e manter esta amizade fortalece, anima e faz caminhar em frente.

E dá outra perspectiva a todo e qualquer reencontro que a vida vier a nos proporcionar.






Rev. Lucas André Albrecht

Conexión


En el convivio con personas, establecemos no solamente relaciones, pero también, construimos conexiones. Cuando en nivel del relacionamiento se profundiza, nos conectamos al otro de una forma constante y duradera.

Bueno, no siempre.

Algunas conexiones pueden complicarnos. Es lo que sucede en el centro de Brasil hoy. Conexiones son hechas a la persona de “Carlinhos Cachoeira” (Carlos Cascada), y por consecuencia, sus actos ilícitos de corrupción. Y puede haber mucha gente nerviosa por las nuevas conexiones que pueden aparecer. Esto porque no solamente llevan una persona, pero, a un conjunto de valores y actitudes en la vida pública y privada.

Pero, no solamente en las “cascadas” encontramos el riesgo. También en aguas sucias, o en los pequeños lugares con aguas paradas, bien cercano de nosotros. Alli están las tentaciones de establecernos conexiones, que primeramente son buenas, pero que traen contaminación para dentro de nuestras vidas y corazones.

En el evangelio de Juan, capitulo 15, Jesús habla que El es la Vid y nosotros los ramos. Quien esta conectado a Él, da mucho fruto. Allí esta una conexión que siempre hace bien y trae solamente buenas consecuencias para la vida. Conectados al Maestro tenemos a fuente de alimentación y sustentación que no solamente nos da la orientación, pero también nos lleva a producir muchos y buenos frutos.

Esta conexión, que puede ser vehiculada a los cuatro vientos, muchas veces por miedo o vergüenza, se queda escondida. Y la conexión a la persona ‘Carlinhos Cachoeira’, normalmente se tiene miedo de divulgación, se trabaja con tranquilidad se está escondida. Por supuesto, porque mueven el interés del ser humano: dinero, poder, influencia, deseos carnales…Entre tanto, los frutos que surgen de la conexión con la Vid son permanentes y producen vida eterna.

No hay conexión más duradera que estar a Cristo Jesús la Vida. Esta conexión si debería ser vehiculada todos los días en la prensa.




Pastor Lucas André Albrecht
Capellán de la ULBRA, Pastor de la Congregación ‘San Pablo’
Canoas, Brasil



Traducción
:
Rev. Walter T.Ries Jr.
Misionero Luterano en La Republica Dominicana

sexta-feira, junho 01, 2012

Pleasing


A broom as a gift to a woman. A high heel for a man. A Math exercise book to make a child happy. Is there any chance that could work?

Maybe, if our intention is to “annoy” or even to “make angry”. But if we actually want to please someone, these gifts are not right. Probabilities of pleasing someone with them are almost zero.

However, at many times something similar happens when we think we are pleasing God. We offer him an occasional visit to His house, a package filled with excuses for what goes wrong, some pennies for a noble cause. “I don’t kill and don’t steal” is enough to demonstrate our integrity and “I pay all my bills” works as evidence that everything is going well in our lives. Just to mention a few examples.

No, it is not that easy to please God. Actually, by our own might, that would be impossible.

Thankfully, God was pleased with us first. Jesus Christ came to sweep away the condemnation, paying the debt on His cross. In his Book of books, we come to know this story of love that brings to our hearts, by faith, the assurance of his tender care. For Him it is always a pleasure to forgive repentant hearts, guide believing feet, instruct renewed lives. So that, as a reflex and result of this pleasing he alone could perform, we may begin to please him with actions, either big or small and with causes, either noble or new.

When we pay attention to what God is pleased to tell us in Christ, we all, women, men and children, quickly learn what is truly pleasing to Him.

Rev. Lucas André Albrecht
Chaplain at Ulbra, Parish Pastor at “St. Paul”,
Canoas ,RS, Brazil
www.twitter.com/lucasdje



Translator:
Rev. Paulo S. Albrecht
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Text  revision
Ms. Kim Starr
MA Practical Theology & Deaconess Certified
Wisconsin, US

Promesas posibles


Se hay una cosa que nos frustra, molesta, y hasta deprime, son las promesas no cumplidas.
Pueden ser las promesas de cualquier persona. Aquel que dijo que estaría allá, y no estuvo, la promesa de boda, la entrega en la fecha esperada, la satisfacción garantizada. Aquel individuo prometedor que acostumbró a no cumplir con lo que dijo.
Pueden ser nuestras promesas. Las palabras no cumplidas a los hijos, al esposo (a), al jefe. Especialmente, cuando no cumplimos las promesas que hacemos a nosotros mismos. “A partir de hoy, voy rebajar de peso”. “Esta es la última vez que hago esto”. “Si, yo voy dejar este vicio”. “Yo nunca más hago…”
¿Por qué es que no siempre cumplimos? 
Quizás, porque muchas de las promesas que hacemos son promesas imposibles. Hablamos en rebajar, ganar confianza, comenzar esto, parar aquel, dejar una tentación. Pero, como no son bien reflejadas, con una base realista, llevando en cuenta siempre nuestra fuerza y nuestra debilidad, son promesas impensadas. Y, por consecuencia, imposibles.
Promesa mal pensada es promesa mal hecha. Y promesa mal hecha, es concurrente a ser des cumplida. Sean las pequeñas o las grandes. Sean las que generan vida y las que terminan en muerte. Aún que no físicas, pero puede ser el final de un relacionamiento, de una amistad, de un gran proyecto, de un recomienzo, de un sueño que tenía todo para ser bueno.
En estos momentos, podemos recordar las palabras suaves, firmes y seguras de Dios: para El, no hay imposibles en todas sus promesas. La palabra no es ‘algunas’, o ‘muchas’. Ni ‘casi todas’. Es completo: El solamente promete lo que cumple. Y la más grande promesa: Cristo Jesús, se cumplió y nos certifica de que Sus promesas son siempre posibles, presentes, permanentes y reales.
Y en Su Palabra encontramos todas Sus promesas registradas, que encontramos sustentación para hacer nuestras promesas. Realistas, pensadas, posibles. Y que por esto tenemos más posibilidades de realizarlas. Solo que no siempre se realizarán. Pero en estos momentos la promesa de perdón sigue cumpliéndose, para darnos seguridad y nuevas fuerzas para vivir. 
Promesa así, es imposible no traer alegría al corazón.




Pastor Lucas André Albrecht
Capellán de la ULBRA, Pastor de la Congregación ‘San Pablo’ 
Canoas, Brasil



Traducción:
Rev. Walter T.Ries Jr.
Misionero Luterano en La Republica Dominicana