Marca


A estratégia de marketing de uma marca de cerveja gera uma situação interessante entre seus consumidores. Ela comercializa a cerveja oficial de Grêmio e Inter, com embalagens caracterizadas com o símbolo e cores dos clubes.

A parte curiosa vem agora. Embora todas as latas tenham exatamente o mesmo líquido,  a mesma fórmula, a mesma cerveja, há colorados que jamais tomarão o liquido ‘gremista’, e gremistas que não admitirão a hipótese de consumir a cerveja ‘colorada’.  Mesmo sabendo que o só o rótulo as diferencia. O conteúdo, gosto e efeito são absolutamente iguais..

Mais uma lembrança de como é importante evitarmos colocar rótulos uns nos outros. Dependendo da ‘marca’ que utilizarmos, a pessoa vai ficar marcada como alguém a quem evitar, mal vista, intragável ou sem grande valor.

Muito embora tenhamos todos o mesmo conteúdo humano.

Se há um único rótulo que pode ser colocado em todos é aquele que diz: “objeto do amor de Deus”. Este sim identifica cada ser humano sobre a Terra. E quando esta mensagem passa da embalagem e se torna também conteúdo no coração, transforma a vida, muda o olhar. Preenche o ser.

Mas não nos deixa tontos ou nos leva a fazer loucuras. A não ser aquelas que a razão não entende - amar o próximo como a si mesmo, acreditar no que não se vê, viver confiando mesmo na tormenta e compartilhar com o próximo mesmo quando quase não se tem. Deus não quer marketing, quer marcar cada vida com a fé, que dá sentido ao viver.

Rótulos são para os objetos na prateleira. Para os objetos do amor de Deus, é no interior que está a marca e a identificação.



Rev. Lucas André Albrecht




Texto publicado originalmente aqui.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida