Pregação e prática


Religiosos, em geral, têm vida mais dura do que alguns ídolos pop e famosos.

Os religiosos precisam primeiro praticar tudo o que dizem para que se queira ouvir o que pregam. Qualquer sinal de erro ou deslize, ou mensagem ‘desatualizada’, contra valores de consenso momentâneo, imediatamente faz a mensagem ser criticada e esvaziada. Se o erro for mais sério, do tipo bebidas em excesso, vida promiscua ou drogas..nem pensar. É o fim.

Já alguns ídolos pop e famosos pregam moral e condenam o mundo em canções e declarações. Letras cheias de razão, denúncias contra o sistema e a ‘sociedade podre’, moralismos de consenso sobre os erros que os outros vivem cometendo e auto-justificativas ancoradas no “tenho erros e defeitos como todo mundo”. Não precisam se importar em momento algum se vivem de fato ou não o que pregam, mesmo se houver bebida em excesso, vida promiscua, apologia ou consumo de drogas ou outras atitudes que sirvam de péssimo modelo não só para jovens, mas pra todo mundo... Trata-se de “estilo de vida”, “personalidade”, “atitude”.  
E, sim, é verdade que têm erros e defeitos como todo mundo.

O problema é que, independente disto, no fim muitos são louvados como mitos e exemplos.

Mas os religiosos – ao menos os cristãos -  já sabem disso tudo. Conhecem a cruz que precisa ser carregada. O peso constante de procurar assumir o que se crê e agüentar julgamentos que às vezes vem de quem acredita que pagar as contas em dia, não matar e não roubar(seja a interpretação que se dê para isto) é o suficiente para uma vida modelar.

O curioso é que, na verdade, os cristãos levam uma vantagem, que chega a ser até covardia: o seu Modelo, que é também o único exemplo perfeito de coerência pregação--prática. Sua pregação é precisa, preciosa e providencial.

E a vantagem vai ainda mais longe. Jesus não é apenas modelo, pois se assim o fosse, a vida continuaria uma batalha ingrata, já que ninguém consegue imitá-lo. Mas Ele é Salvador. Ele carregou toda a incoerência humana sobre suas costas, arcou com todo o peso para dar certeza de que, pela fé, não precisamos imitá-lo perfeitamente, mas sim ter a fé que está perfeitamente ajustada por Ele dentro do coração. E que, então, passa a ser vivida na prática do melhor jeito seja possível exercer. Sua mensagem é duríssima, a ponto de dizer que, em ultima análise, ninguém é coerente, nem modelo, nem exemplo. Mas é preciosíssima a ponto de mostrar que todos podem ter Nele a fonte de perdão e o modelo de amor.

Vale destacar que Jesus não morreu pelos religiosos. Ele o fez por todos, sem distinção. Por isso, não é questão de condenar ninguém, mas de oferecer descondenação a todos. Todos, do menor ao maior, do mais errado ao menos errado - caso isso fosse possível distinguir -, todos precisam do amor que vem da fé nEle.  Para que, apesar da vida dura que todos, religiosos ou não, têm para unir pregação e prática, no fim tudo não vire apenas mito.

Mas que Ele seja a Verdade, a Vida e a Presença Real. Na vida e no fim dela.




Rev. Lucas André Albrecht
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração