quarta-feira, setembro 05, 2012

Boca e coração


O texto do Evangelho de Marcos no capitulo 7 nos coloca diante de uma pergunta: da boca ou do coração: de onde vem a religiosidade que agrada a Deus? Um conflito com os lideres religiosos surgiu de uma questão cerimonial: Lavar ou não as mãos antes de comer(não como o fazemos hoje, mas um ritual de purificação). Mas outra pergunta precisaria ser feita: o que realmente precisava ser lavado? Aquele tipo de religiosidade ensinava que era possível, pelo praticar de sua numerosa lista de leis, ficar limpo, longe do pecado.

Aqueles lideres já morreram. Mas e sua maneira de ver o mundo?...

Talvez não. E um resumo desta visão encontramos na internet, no mundo das redes sociais. Lá, todo mundo é legal, todo mundo odeia a mentira, ama os animais, é sempre sincero, não fica por uma noite, odeia a mentira e a hipocrisia... Até mesmo somos empurrados a aderir a causas mesmo contra nossa convicção, para não sermos vistos como politicamente incorretos. Em resumo, nesta visão “religiosa”, folhas e galhos contam mais do que tronco e raiz.

Jesus aproveitou aquela oportunidade educativa para mostrar aos fariseus de seu tempo, e a todos nós, do que a verdadeira religião cristã trata: da raiz. Sujos por dentro, e não apenas por fora, precisamos ser salvos, renovados, transplantados para o terreno da Palavra de Deus. Para aí produzir frutos que partem do coração com fé Nele.  

Ou seja, o que, de fato, precisa ser lavado? As mãos, os braços até os cotovelos? Jesus responde: o coração. O perfil precisa ser completamente refeito, de dentro para fora, e então refletir quem realmente somos.  A vida de fé não é um educar apenas a boca para falar frases feitas ou os braços e pernas para fazerem o que se diz ser o mais certo. Até porque uma simples atitude derruba centenas de palavras. Elas querem educar o coração. Plantar e semear princípios cristãos, que permanecem. Para que nossa convicção apareça, sim, em palavras e testemunho.

Mas com a boca sempre conectada ao coração.




Rev. Lucas André Albrecht
Postar um comentário