quinta-feira, agosto 16, 2012

O Pai Amoroso


por Vilson Scholz

Que é que as pessoas fazem quando recebem críticas, em especial críticas injustas?  Uns tentam se explicar; outros partem para a ofensiva. Jesus Cristo contava histórias! Quando criticaram o fato de ele sentar à mesa com pessoas de má fama, ele se defendeu, contando as parábolas dos perdidos: a ovelha, a moeda, e o filho.  Todas essas parábolas estão em Lucas, capítulo 15.

Parábolas funcionam em dois níveis, o literal e o alegórico; o que está escrito, e o que a história significa. E para entender o filho pródigo é preciso lembrar que o pai representa Deus, que se manifesta em Jesus Cristo; o filho mais moço representa as pessoas de má fama; e o filho mais velho representa os piedosos, que criticavam a atitude de Jesus, considerada por demais liberal.

O título “filho pródigo” sugere que a personagem principal é o filho esbanjador ou mão-aberta (este o sentido de “pródigo”). No entanto, esse título, acrescentado pelos editores do texto bíblico, é enganoso. A personagem principal é o pai, que faz a conexão entre as duas partes da narrativa. Por isso, já houve quem sugerisse o título de “a parábola do pai amoroso”. 

O ponto alto da parábola é a discussão entre o pai e o filho mais velho, que ocorre bem no final. O filho mais velho reclama da atitude bonachona do pai, e o pai tenta convencer esse filho ranzinza a entrar em casa e festejar com os demais.  Diante disso, é preciso dizer que, por mais que essa história seja apreciada de modo especial por gente que é como o filho mais moço, ela foi contada por causa de gente como o filho mais velho e para gente como o filho mais velho.

Na Bíblia, essa parábola tem um toque característico de muita literatura moderna: ela termina sem concluir; tem um final em aberto.  A grande pergunta é: Será que o pai conseguiu convencer o filho mais velho a entrar na festa? O texto não responde. A rigor, quem precisava responder eram os piedosos daquele tempo – e os piedosos de todos os tempos, inclusive o nosso.


Rev. Dr. Vilson Scholz
Professor de Teologia Exegética - Ulbra e  Seminário Concórdia
Consultor de tradução -  SBB
Postar um comentário