quarta-feira, abril 11, 2012

E-mail aos ministros do STF



De: Pastor Lucas Albrecht
Enviada em: terça-feira, 10 de abril de 2012
Para: mcelso@stf.gov.br; marcoaurelio@stf.gov.br; mgilmar@stf.gov.br; carlak@stf.gov.br; gcarlosbritto@stf.gov.br; gabminjoaquim@stf.gov.br; gabinete-lewandowski@stf.gov.br; anavt@stf.gov.br; gabmtoffoli@stf.jus.br; gabineteluizfux@stf.jus.br
Assunto: Sobre o aborto de fetos anencefálicos

Prezados Senhores Ministros do STF:

Respeitosamente, venho à vossa presença para solicitar especial atenção na votação a respeito do aborto de anencefálicos e, por consequencia, sobre a descriminizalização desta prática sob qualquer forma.

Não parece ser uma causa justa permitir que tais crianças sejam abortadas, em função de certa definição humana sobre autonomia e qualidade de vida, geralmente formuladas do nosso ponto de vista dos considerados 'normais', 'autonômos' e 'felizes'. Tal conceito é perigoso, pois abre precedente para uma série de outras interpretações. Várias são as compreensões possiveis do que pode ser 'autonomia' ou qualidade de vida de um ser humano. Uma pessoa em cadeira de rodas tem sua autonomia limitada? Paralisia cerebral, sindrome de down e outras limitações não geram boa qualidade de vida?... É um conceito perigosamente ampliável. Esta pratica interpretativa, no passado, já conduziu a atrocidades.

No entanto, apenas uma definição e interpretação para Vida é possivel: VIDA!

Por analogia, se um feto anencefálico, ou feto de 3 meses, o até mesmo um embrião de 30 horas (fecundação completa) fosse encontrado em outro planeta, o que diriam, muito provavelmente, os cientistas? Afirmariam que descobrimos 'vida em outro planeta'! Por que então não considerar o mesmo no nosso?
E, se uma sociedade nao é capaz de dar amparo, proteção e cuidado à vida dos mais frágeis dos seus integrantes, em que tipo de sociedade estamos nos transformando?

Como teólogo e pastor, poderia ainda elencar argumentos bíblicos, que considero também muito pertinentes. Mas me atenho apenas a estes para demonstrar que esta causa é justa por qualquer ângulo em que for considerada. Assim, peço encarecidamente que se oponham à interrupção da vida humana por meio do aborto!

Desejando a paz de Cristo, despeço-me!

Respeitosamente,

Rev. Lucas André Albrecht
Capelão Geral da ULBRA (Universidade Luterana do Brasil)
Canoas, RS

Postar um comentário