Palavras

“A professora começava a ensinar a letra cursiva (emendada). De início, perguntou:
- Quem tem medo de escrever com letra cursiva?
Alguns iam levantar a mão, mas quando ninguém levantou, os outros acabaram desistindo. Ela ficou olhando e insistiu:
- Ninguém tem medo? Então é fácil?...
- Não! É difícil! - responderam em coro
A professora ficou um tanto confusa. E foi um dos mais novos da turma que esclareceu a situação:
- Eu não fico com medo, professora. Mas fico nervoso, porque eu acho que é difícil!
Os demais disseram a mesma coisa.

Era isso. Eles não sentiam medo. Mas sim, ficavam nervosos.”

A professora iria ensinar, mas acabou também por aprender. Muitas vezes não conseguimos entender o que as pessoas têm pra dizer porque queremos ditar-lhes as palavras que devem usar. Desta forma, corremos o risco de distorcer o que sentem. Talvez façamos com que expressem aquilo que nós queremos que falem.

Às vezes somos tentados a fazer isto até com Deus. Pedir algo e já ir determinando como deve ser a resposta. Mas é sempre melhor se deixarmos que Ele fale conosco na linguagem que Ele considera apropriada – e que sempre será a mais adequada para nosso viver.

Da mesma forma, sempre é melhor ouvirmos nosso próximo com as palavras que ele tem a nos dizer. A compreensão será mais precisa. E ajuda, se necessária, também.

Sem falar em tudo que ainda nem sabemos que vamos aprender..

 
(texto a partir de ilustração enviada pela leitora Candace L. Lassig)
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça