Perto

Mil metros. Esta é a distância que, de tempos em tempos, separa uma alegria imensa de uma dor intensa em Porto Alegre.

No momento, a alegria é vermelha. O Internacional vive a euforia de decidir novamente a Libertadores da América, junto com o passaporte já carimbado para o Mundial de Clubes, no final do ano. Já a dor é azul. O Grêmio vive a angústia da falta de vitórias, zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro, saída do técnico e outros integrantes, chegada de um novo treinador.
Em linha reta, o estádio do colorados, Beira Rio, está a não muito mais do que 1000m do Olímpico, casa dos gremistas. Embora às vezes haver momentos em que os dois estão em fase de celebração, a gangorra de sentimentos não é algo que estes vizinhos não estejam acostumados.

Nós, também. Pois muitas vezes realização e frustração, alegria e perda, proximidade e afastamento, carinho e solidão, são também separados por muito pouco. Nem sempre são quilômetros ou metros, mas palavras a menos, a falta de um olhar ou um abraço, a ausência de um pequeno gesto. Pouco, bem pouco... E o cotidiano nos ensina que a distância entre a imensidão alegre e a profundeza dolorosa pode ser menor do que gostaríamos que fosse.

Pelo menos de uma coisa sabemos. A distância entre nosso coração e o de Deus... não existe. Se há fé, não haverá frustração. Se há amor, não há distância. Se há confiança, não há perda. Tudo bem, podemos ter os danos e dores da gangorra de cada dia. Mas estamos firmados no que é duradouro: sabermos que somos acompanhados por Aquele que nos quer fazer ir longe, cada vez mais longe.

Pois Ele está sempre perto, bem perto. Dentro.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça