Perto de nós

William Bonner tem twitter. O apresentador do Jornal Nacional, da Rede Globo, passou a fazer uso desta rede social há não muitas semanas. E, como já era de se esperar, neste pouco tempo ultrapassou 100 mil seguidores.

O que não era de se esperar – ao menos não para mim – é o jeito que ele iria se mostrar ali. Bem humorado, direto, coloquial. Pessoal até. Usa expressões que a gente usa, constrói frases como construiimos. Não ‘se faz”. Fala de um jeito que parece o vizinho ou o amigo da escola. Uma de suas séries de postagens, inclusive, leva o titulo: “Sou rigorosamente quase normal”. E aí menciona fatos como, “molho o pão no café”. Ou “lavo o carro no mesmo lugar há 30 anos”.

De uma das pessoas mais famosas do país, creio que poucos iriam esperar esta simplicidade e proximidade.

Surpresa parecida causa a atitude de Deus na direção do ser humano, o Nome mais famoso que existe. Sendo assim, tão importante, daria para esperar que assumisse forma humana, caminhasse pegando pó, sentisse sede e fome, se sujeitasse a ser zombado, humilhado e esnobado? Que tivesse que aguentar um monte de asneiras que, com um estalar de dedos, resolveria sem se cansar?
Somos muito menos importantes e famosos e que Ele, e garanto que poucos de nós se sujeitariam a tanto. E talvez por isso, tantos resistam em acreditar.

Mas foi exatamente o que aconteceu. Jesus Cristo falou como a gente, andou como nós. Conversou como se conversa com o vizinho, criou uma rede social na qual todos que o conheciam podiam interagir de forma direta. Deu a cara a tapa. Deu as mãos a pregos. Deu a vida à vida. Fez tudo. Para termos tudo.
Ele não tem Twitter. Mas esta sua rede social é ampla, completa. Varre a Terra inteira. Está aberta a quantos seguidores quiserem participar. Conecta-se direto ao coração pela fé, para nos manter ligados a Alguém tão grande, e ao menos tempo simples, próximo. Amigo.

E não, não estou querendo comparar William Bonner a Deus. Começando que mais de 100 mil seguidores conhecem o jornalista; ele, vagamente alguns. Deus conhece a todos os seus seguidores, não só pelo nome, mas até pelo DNA. A ilustração quer pontuar este privilégio da proximidade, simplicidade, comunicação com Aquele que, mesmo sendo o maior, se coloca perto de nós. Do vizinho, do amigo de escola, de você, do Bonner, de mim.

Rigorosamente, de todo ser humano quase normal.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida