Escumadeira

A esposa fritava bolinhos de arroz na cozinha. Mas não só isso, pensava também em como estava difícil a situação com o filho adolescente. Preparava as batatas para fritura em outra panela e não conseguia esquecer aquela colega maldosa do trabalho. Mantinha um olho no arroz e outro na carne, mas sem tirar o olhar do futuro financeiro próximo, que parecia não ser promissor para a família.

“Como vou lidar com isso?” era seu pensamento constante. Olhando para a frigideira quente à sua frente, sentiu-se como aqueles bolinhos. Ou como aquelas batatas cruas, prestes a enfrentar o calor do azeite.

O marido entrou na cozinha e, conversando, ouviu o desabafo da esposa. Com paciência, compreendeu a angústia dela. E lhe chamou bastante a atenção sua repetição, por três ou quatro vezes, da frase. “Como é que vou lidar com isso?”

Após alguns segundos, ele ofereceu ajuda e se aproximou do fogão. Então, estendeu a mão para retirar os bolinhos da frigideira. Levou um tapinha na mão e ouviu a repreensão: “Ficou louco? Se fizer isso vai queimar os dedos!”

-Como eu faço, então? perguntou ele.
(Parêntese: Maridos são meio lerdos, confesso, para questões de cozinha, mas assim já era o cúmulo. Ele devia ter alguma intenção com isso. E tinha.)
Ela lembrou:
-Você precisa usar a escumadeira!
O homem pegou o objeto, retirou os bolinhos e, então, disse;
-Meu amor, é isso que você está tentando fazer nesse momento. Enfrentar a ‘fritura’ com as próprias mãos.
Com um suspiro, ela entendeu. E concordou
-É, acho que você tem razão!...
-Pense bem, a gente não tem como evitar a ‘fritura’ financeira, ou familiar, ou seja qual for. Precisamos enfrentar, inevitavelmente. Mas não precisamos queimar as mãos. Temos maneiras, ‘escumadeiras’ ao alcance da mão para lidarmos melhor com tudo isso que está te preocupando.

É pela a fé, colocada por Deus em nossas mãos, ou melhor, em nosso coração, que podemos olhar de um modo diferente para os nossos dias. Não para fugirmos do calor das responsabilidades, mas para as enfrentarmos bem aparelhados. Pode haver um respingo de óleo aqui, ou algo um pouco queimado ali. Mas não há dúvida de que a segurança é maior e o resultado, melhor. Orientação e segurança para não tirarmos os olhos das coisas que mais importam.

È assim que podemos lidar bem com isso. Seja a temperatura, grau de dificuldade ou tamanho do desafio que ‘isso’ significar.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração