Em meio à tempestade

por Peterson Machado


Os discípulos conheciam o mar... Olharam para o céu e sentiram-se seguros para mais uma travessia. Quantas vezes já haviam realizado aquela tarefa? Pegaram, pois, os remos e partiram.

Tudo parecia estar bem e se sentiam seguros da jornada. O que não sabiam é que seriam surpreendidos com a mudança inesperada do vento. As ondas, que antes eram favoráveis, tornaram-se uma ameaça. A tempestade os pegou de surpresa, o medo também. Medo trazido pela insegurança da falta de controle. Medo que chegou quando as forças começaram a falhar.

Num mundo de tempestades, muitas vezes somos iludidos com uma falsa sensação de que paz é sinônimo de tempo bom. Tudo parece ir muito bem até que os ventos contrários nos pegam de surpresa. As crises e conflitos, que antes aconteciam somente com os outros, agora também nos atingem. Onde buscar ajuda? Em quem confiar quando tudo está escuro e só o que conseguimos ver são as gigantescas ondas ao nosso redor?

Foi necessário chegar ao limite da sua incapacidade para que os discípulos percebessem o que não conseguiriam sozinhos. E foi justamente quando haviam se desprendido de toda a ilusão humana de auto-ajuda, que mais uma vez foram surpreendidos. Perceberam o que jamais deveriam ter esquecido: que em nenhum momento estavam desamparados. E o que parecia ser o maior obstáculo para eles, era apenas estrado para os pés d’Aquele que tem o verdadeiro controle.

Não temer as furiosas ondas foi uma lição ensinada a todos os que seguiam naquele pequeno barco. Deus dá provas de que, para Ele, não existem impossíveis. Ao sermos confrontados com a realidade dos dias difíceis, portanto, temos também nós ao alcance a mesma certeza daqueles homens sobre Jesus Cristo: “Verdadeiramente és Filho de Deus!” *. Ele traz paz e segurança.

E também a força para continuarmos
a remar.



Rev. Peterson Machado
Capelão da Escola Ulbra Concórdia
Candelária, RS
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida