Portabilidade

Portabilidade é a palavra do momento. Para ser mais específico, refiro-me à portabilidade numérica, cujo significado é o seguinte: os usuários de telefonia fixa e móvel podem trocar de operadora e manter os números atuais de seus telefones.

Esse serviço prestado pelas operadoras de telefonia está sendo implantado e logo permitirá que milhões de assinantes de telefonia no País passem a contar com ele. Como as operadoras querem mais clientes, e se esforçam para não perder os que já têm, a propaganda está bem insistente.

Na verdade, a portabilidade numérica é uma boa oportunidade para os clientes que não querem trocar de número, mas estão desgostosos com os serviços prestados pela operadora atual.

E a portabilidade religiosa? Há muito que ela está sendo exercitada por milhares de adeptos. É só haver algum descontentamento com a denominação religiosa do momento e lá o “in” fiel debanda para outra denominação. O pensamento é mais ou menos o seguinte: Deus é o mesmo, por isso não importa a religião. Eu mudo de denominação, mas continuo com o mesmo Cristo.

A portabilidade religiosa, no entanto, por causa do corpo doutrinário da denominação, facilmente altera a numeração da fé. O um de único vira dois, quatro, 666 e o três de Trindade vira zero, quatro, mil. E sem perceber o perigo, se fica muito distante da revelação bíblica.

A portabilidade religiosa só faz sentido se a pessoa tem o número certo. Esta senha tem que ser dada pelo Espírito Santo, através da Palavra e dos Sacramentos, e não pela subjetividade de nossas emoções explorada tão insistentemente por algumas denominações religiosas. Aí fica como disse Bráulia Ribeiro: “ Como chocolate, pimenta ou sexo, Jesus se tornou um estimulador da produção de endorfinas. Com esta lógica, deixo de ter parâmetros para julgar minha fé” (Ultimato jan/fev 2009).

Por isso João assinala: Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna (1 João 5:20). E Paulo destaca: “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” (1 Timóteo 2:5).

Portabilidade religiosa? É preciso fazer uma análise cuidadosa do corpo doutrinário da denominação. O número de Jesus “o primeiro e o último” (Apocalipse 22:13) pode ter sido alterado.


Rev. Edgar Lemke


Publicada no site da Comunidade Luterana 'Da Cruz'
Petrópolis, Porto Alegre, RS
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida