agradar

O pequeno Daniel, querendo agradar seus pais, resolveu fazer uns bolinhos de chuva.

Só que as coisas não andaram como ele gostaria.

Colocou farinha na bacia, mas quando foi pegar fermento, deixou cair farinha no chão. Tentou limpar, mas nisso bateu na caixa de ovos. Três deles caíram no chão, sujando mais ainda não só a cozinha como ele próprio, cada vez mais coberto de ingredientes. No meio dessa bagunça toda, já também com água e um pouco de azeite espalhados aqui e ali, o menino notou, na porta da cozinha, o pai. Acompanhando tudo.

Naquele momento, Daniel então baixou a cabeça e começou a chorar. “Eu só queria fazer uns bolinhos pra agradar vocês, pai”... foi o que conseguiu dizer.

O pai foi em sua direção. Tomou-o nos braços, mesmo todo sujo, e o abraçou. Demonstrou seu amor pela criança, independente da bagunça. E convidou:

-Vem cá, Daniel. Escuta, que tal fazermos isso juntos?

Rapidamente as lágrimas secaram, o choro desapareceu. De semblante iluminado, Daniel, motivado pela ajuda de seu pai, primeiro limpou toda a sujeira e, depois, fez os melhores bolinhos de chuva da sua vida.

Se você levantar seus olhos, verá o Pai ali, parado na porta. Observando atentamente. Deus conhece muito bem as bagunças que fazemos pela vida, muitas delas, tentando acertar. Mas Ele não está ali simplesmente para punir. Claro, Ele não fecha os olhos para o é errado. Mas o que o Deus mais quer é nos levar a corrigir erros, a confiar em sua ajuda, a esperar em seu amor. Nada muda este amor do Pai para com seus filhos. Não importa a sujeira, não importa a bagunça. Antes de queremos agradá-lo em fé, Ele se agrada de nós, em Cristo. E continua a nos abraçar, oferecer sua ajuda, dar os ingredientes, ajudar a preparar, levar para o forno... e o que for preciso.

E o melhor, nos faz experimentar a melhor vida que nosso coração pode ter. Bagunças? Hum, claro, acontecem. Mas você já pensou que o seu bolo preferido foi composto de ingredientes tão 'ruins' ao paladar quanto ovo cru, sal e azeite?

A vida também é assim: para o filho que trabalha com o abraço do Pai, todos os ingredientes cooperam para um sabor final mais do que agradável.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça