Evitar a convivência

Achei que um dia aconteceria. Seja por sono, distração, algum assunto tomando conta dos pensamentos... Hoje de manhã, aconteceu.
Acontece que, em cima da pia do banheiro, no mesmo recipiente, estão o creme dental e o creme de barbear. De cabeça pra baixo.
Não preciso nem contar o resto, não?... Felizmente, a gente logo sente o gosto estranho, pára tudo e recomeça.
Acontece.

Pior é quando deixamos juntas em nossa vida coisas que não deveriam conviver, e que nem sempre dão logo sinais de algo errado. Achamos que não tem problema e vamos indo, até que um dia a confusão acontece. Aí, o problema é muito maior do que cuspir fora e começar de novo.
Não dá pra deixar conviver no mesmo recipiente duas ídéias religiosas diferentes. Duas opiniões diferentes sobre uma pessoa, a 'na frente' e a 'pelas costas'. Não termina em boa coisa querer ter mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Não pode acabar bem deixar ocuparem espaços contíguos pensamentos e virtudes recomendadas e idéias perniciosas que podem deixar mais que um gosto ruim na boca. E outros produtos correlatos. Um dia a gente se engana e...
Acontece.

Quando Jesus Cristo comentou que nossa palavra deve ser "sim, sim e não, não", já mostrava o perigo de não distinguir o certo e o duvidoso. E a armadilha de deixá-los conviver. Tanto que em outro momento diz "ninguém pode ser vir a dois senhores". Não dá mesmo. O resultado mais comum é tanto a cárie tomar conta como a barba ficar mal feita. Nem um nem outro são bem atendidos.

Começar o dia revendo as convivências perigosas ajuda a viver uma semana de cabeça pra cima, previne 'cáries' e 'ressecamentos'. E evita confusões indesejáveis.

Aliás, preciso fazer isso quanto ao meu creme dental
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça