Dá pra entender

Foto: UOL


A cabeçada do melhor da Copa, Zinedine Zidane, no zagueiro italiano, recebeu muitos comentários do tipo "não dá pra entender porque ele fez isso".

Ora sejamos sinceros, dá pra entender, sim. Claro, ele poderia ter preservado sua imagem, com tanta câmera dentro do estádio ele não escaparia ileso. Mas quem joga futebol sabe como, depois de correr tanto, com o ombro doendo, ser xingado e agredido verbalmente(fora o resto, que não sabemos), uma cabeçada não é uma atitude correta, mas perfeitamente compreensível.

Mas nem precisa jogar futebol pra isso. Às vezes, no ambiente de trabalho, confortáveis e calmos; em casa, mesmo sem estar extenuados fisicamente; na sala de aula, revidamos goipes agressivos com mais agressão. Se não der pra cabecear, vão palavras ásperas mesmo. No trânsito, então, nem se fala. Às vezes basta um sinal de luz ou uma falta de pisca-pisca para transformarmos um meio de locomoção em uma arma.

Mas claro, neste caso, não temos culpa disso, é o outro que nos provoca...

Sejamos sinceros e coerentes, dá pra entender sim. E muito bem. Estava em campo um ser humano, e não Deus.
Aliás, Deus foi o único que esteve em campo, aqui na terra, e agüentou todo tipo de coisa até o fim, inclusive orando por aqueles que xingavam sua família.

Isso sim, não dá pra entender. Mas dá pra crer. E o melhor, receber - perdão por qualquer revide ou cabeçada que, em nossos rompantes de seres humanos, dermos pela vida.

4 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida