Incompreensivelmente maravilhosa




Mais uma daquelas histórias incompreensíveis.

Nathan Weltzel, 29 anos, sofreu um acidente de carro  no dia 21 de agosto de 2016. Seu filho Isaiah, de 2 anos e meio, também estava no carro. Ambos sobreviveram. Passados alguns dias, Weitzel admitiu o inacreditável: ele tentou matar o filho. Entrou no carro e colocou o cinto em si mesmo, mas não no menino, nem o colocou na cadeirinha de segurança. Então, dirigiu a 120 por hora, até acontecer o acidente. A criança, apesar dois ferimentos, felizmente sobreviveu. O pai também. Está preso, sob fiança de 500 mil dólares.

O motivo? Weitzel achou que não conseguiria lidar com a responsabilidade de ser pai.

O interessante é que podemos encontrar histórias parecidas em mais famílias do que podemos imaginar. Talvez até na nossa.

Nem todo mundo pega filho, esposa, avô ou sobrinho e coloca num carro em alta velocidade. Mas as tentativas de matar a auto-estima, a confiança, a segurança e a alegria de pessoas próximas são atitudes tão frequentes que chegam a assombrar. São palavras, gestos, atitudes; é a indiferença, o egoísmo, a maldade. Em alta velocidade e ferocidade. Uma falta de responsabilidade que vai deixando pessoas próximas presas a um “sinto sem segurança”. E elas podem, a qualquer momento, sofrer ferimentos que vão além do que alguns dias numa cama de hospital possa curar.

O interessante, ainda, é que podemos encontrar uma história semelhante nas páginas da Bíblia.

Deus, o Pai, resolveu entregar seu filho à morte. Enviou a Jesus Cristo para sofrer e morrer em uma cruz, inocente, no lugar do ser humano – este sim, culpado de correr tão rápido e desrespeitar tanto a lei que não tinha mais solução. Nem sob  fiança. Incompreensível,.. Mas, aqui, a história é diferente. O Filho sabia a que veio e aceitou a vontade do Pai, voluntariamente, Por amor. O Pai estava cumprindo Sua promessa – salvar e cuidar de Seus filhos. Sem fiança, sem preço. De Graça.

Esta mesma história transforma vidas, por meio da fé no Filho. E impulsiona a transmitirmos segurança, confiança e amor às pessoas que estão à nossa volta. Especialmente as mais próximas, que são aquelas que mais corremos o risco de ferir. Seguros nos braços deste Pai de amor, seremos capazes de lidar com a responsabilidade de perdoar, amar, viver e ajudar. Transmitir segurança, gerar confiança, mudar o mundo de alguém. Fazer coisas que muitos até julgarão incompreensíveis.

Mas que será mais uma daquelas histórias incompreensivelmente... maravilhosas.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração