sexta-feira, julho 24, 2015

Depende do ponto de vista

por Marcos Schmidt

Ao pisar na Lua naquele 20 de julho de 1969, Edwin Aldrin fez uma descrição intrigante: “Um lugar tão desolado, tão completamente sem vida”. Segundo consta, Aldrin deixou uma pequena placa na Lua com o Salmo 8, que oferece uma confissão comprometedora a um explorador da Nasa: “Quando olho para o céu, que tu criaste, para a Lua e para as estrelas, que puseste nos seus lugares – o que é um simples ser humano para que penses nele? (...) No entanto, fizeste o ser humano inferior somente a ti mesmo (...) Tu lhe deste poder sobre tudo o que criaste; tu puseste todas as coisas debaixo do domínio dele”. 

Dizem os astronautas que a visão da Terra lá de cima é uma experiência arrebatadora. Mas não é preciso ir às alturas para ver as belezas aqui em baixo. E nem duvidar de que isto é obra do mesmo Deus que um dia desceu para fazer da Terra um lugar diferente da Lua, isto é, com vida. Mas isto depende do ponto de vista. Como, por exemplo, ver o arco-íris, que é um reflexo da luz do sol causado pelas gotas da chuva. Dependendo da posição ocupada, a pessoa não vai perceber o fabuloso colorido no céu. Em Gênesis, o Criador diz que o arco-íris é o sinal da aliança que ele fez com todos os seres vivos da terra. O texto explica: "Não haverá outro dilúvio para destruir todos os seres vivos". No Novo Testamento, o apóstolo fala desse dilúvio para comentar outra aliança: "Aquela água representava o batismo, que agora salva vocês (...) o compromisso feito por Deus" (1 Pedro 3.21). Nesse caso, o compromisso divino é a salvação “por meio da ressurreição de Jesus Cristo” (3.22). Mas que também, por conta da posição, pode estar escondido ou revelado.

Nesta semana o famoso cientista Stephen Hawking (aquele que virou filme) lançou um grandioso projeto para buscar vida extraterrestre. Mas, e se não encontrarem nenhum sinal? Tudo depende do ponto de vista. Ou como diz o Salmo cravado na Lua: “Ó Senhor, nosso Deus, a tua grandeza é vista no mundo inteiro”.
           
                                               
Rev. Marcos Schmidt

Postar um comentário