Doutrinação na sala de aula

por Marcos Schmidt
 
Em entrevista no Jornal do Almoço da RBS, o professor de Educação da UFRGS, Fernando Becker, respondeu que “as religiões deveriam se preocupar muito mais em fazer evoluir as suas crenças, mas o que a gente vê são adultos professando crenças infantis”. O assunto foi o projeto de lei para ensinar o criacionismo nas aulas escolares de ciência. Também acho que o projeto é um equívoco já que a afirmação “Deus é o Criador” está no âmbito da fé. Por outro lado, isto abre o debate para tanta coisa na escola que deveria ficar na área da ciência, mas virou “religião”. A exemplo da pregação desse professor, de “fazer evoluir as crenças”, e do deboche que “são adultos professando crenças infantis”. Lembro que no meu tempo do ensino fundamental expressei a fé em Gênesis 1 quando o professor explicou a teoria de Darwin. Não esqueço a risada do mestre e o constrangimento que enfrentei diante dos colegas. Algo parecido com a minha filha ao ser qualificada de homofóbica pelo professor depois de testemunhar sua convicção no casamento de homem e mulher.
 
É inegável certas ideologias por trás daquilo que se chama ciência. Tanto que o maior debate no Plano Nacional de Educação é justamente incluir ou não a ideologia de gênero entre as metas propostas. Quem sai perdendo são as crianças e jovens que vão para a escola em busca de conhecimento e são expostas a doutrinações, às quais não podem questionar sob pena de serem alvo de sarcasmo.
 
Jesus disse algo que nunca podemos esquecer: “Felizes são vocês quando os insultam, perseguem e dizem todo o tipo de calúnia contra vocês por serem meus seguidores” (Mateus 5.11). Quanto ao que disse o professor, o Salvador já respondeu: “Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele” (Marcos 10.15). Ou seja, o ridículo de “adultos professando crenças infantis” é o jeito irracional de chegar ao Deus que não só criou o mundo, mas também se sacrificou por ele – a loucura da cruz (1 Coríntios 1.18).
 
 
                                               
Marcos Schmidt
Pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil
Novo Hamburgo, 27 de junho de 2015
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração