sexta-feira, novembro 08, 2013

Fazem bem

Um biólogo e jornalista norte-americano relembrou, com um experimento, aquilo que sabemos, mas esquecemos. Tudo que é humano é sujeito a falhas.

Conforme este post, John Bohannon enviou um trabalho falso sobre as propriedades supostamente anticancerígenas de uma molécula supostamente extraída de um líquen e enviou esse trabalho para 304 revistas científicas de acesso aberto ao redor do mundo. O trabalho não só foi totalmente fabricado e obviamente incorreto, com falhas metodológicas e experimentais que, segundo Bohannon, deveriam ser óbvias para “qualquer revisor com formação escolar em química e capacidade de entender uma planilha básica de dados”. O nome dos autores e das instituições que o assinavam eram todos fictícios. Apesar disso mais da metade das revistas procuradas aceitou o trabalho para publicação. Nada menos do que 157 periódicos estavam dispostos a atestar a veracidade ao trabalho.

É o tipo de coisa de que precisamos ser lembrados pois, de todas as religiões, crenças e sistemas de organização de conhecimento no mundo, uma das que sempre arrebanha novos fieis é a do ‘cientificamente comprovado’. Se foi publicado em algum lugar, se foi demonstrado por alguém em algum artigo ou experimento, se “apareceu na mídia”, então deve ser verdade, para ser aderida e repetida sem a atenção necessária ao contraditório.

Evidentemente não se trata de desmerecer o trabalho cientifico. O próprio Toque de Vida está no contexto de Universidade, a Ulbra, que produz e dissemina conhecimento continuamente. E também porque sabemos que a ciência verdadeira não adere à religião que tem por mantra o ‘cientificamente comprovado’. O objetivo é lembrar o óbvio - o fazer ciência está dentro do contexto de todos os fazeres humanos. Acertos, erros, tentativas, novos acertos e erros.

E este é também o caso da religião. Produto humano que é, está sujeita a falhas.. Perfeito mesmo, só o objeto da fé – Deus, que é a fonte da Ciência, uma vez que é o autor da Criação. Mais do que isso, é a fonte do remédio para o erro – perdão-, que está em Jesus Cristo, o caminho bem perto do chão para quem quer viver o que a fé pode proporcionar.

Isto nos leva a outra obviedade que precisa ser relembrada: humildade e respeito nunca fazem mal. Nem à religião, nem à ciência.


Muito menos ao coração.


P.Lucas André
Postar um comentário