E, se deixarmos um pouco de lado o império dos sentidos com o qual especialmente romances, filmes e novelas insistem em querer o amor rotular, veremos que o cotidiano é que contem a essência do que é o verdadeiro amar.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração