O que você faz pra ser feliz?


Repare em alguns filmes ou peças publicitárias que falam sobre felicidade. Que tipo de cena é retratada?  Alguns exemplos: familia à mesa. Pessoa correndo. Beira da praia. Dança. Caminhada. Amigos reunidos. Gente comprando. Pessoas com animais de estimação. Pessoa deitada numa rede. Gente fazendo outra coisa que não seja aquilo que é considerado ‘pesado’, ‘difícil’ ou ‘inconveniente’.

Posso estar enganado, mas não lembro de alguma propaganda focando a felicidade que enfatize:
-Pessoas trabalhando;
-Pessoas ouvindo outras em seus problemas;
-Mães ou pais disciplinando os filhos ou com olheiras às duas da madrugada;
-Pessoas trabalhando muito;
-Gente tensa estudando muito para ou fazendo uma prova difícil;
-Gente recebendo um não ou dando de cara com uma dificuldade;
-Qualquer cena que ilustre uma das inúmeras dificuldades cotidianas;
-Pessoas contentes trabalhando;

Ou seja, gente fazendo aquilo que é considerado pesado, difícil ou inconveniente. Se existem, são bem poucas.

Mas é preciso atenção para não gerar a expectativa errada, que só vai nos frustrar mais rapidamente e com mais intensidade. Os exemplos da primeira lista não são exatamente felicidade, mas são uma parte dela, chamada alegria. Ou euforia, boas sensações, como queiramos definir. Se só aquilo é felicidade – e que ocupa, vá lá, um terço do nosso tempo acordados, se muito - onde fica o resto todo?  Trabalho é castigo, criar filhos é problema, dificuldades são inúteis e provações não servem para nada?

Felicidade é uma definição que abarca tudo que faz parte da vida enquanto estamos na estrada certa. Pois quando na estrada errada, nada mais vale a pena. Corremos, vamos à praia, temos umas horas de diversão com amigos, ...só para, em seguida, voltarmos à realidade infeliz em que estamos inseridos. E aí o pão e circo, futebol, bebida e diversão, “ainda bem que é sexta/que droga que é segunda” e outras válvulas de escape começam a predominar. Deixar que imagens equivocadas determinem o que nos faz feliz pode justamente minar a felicidade em nossa vida. Pois ela vai além de sensações boas e momentos eufóricos. Está em cada pedaço do caminho quando o caminho em que estamos é correto.


Do ponto de vista cristão, este caminho seguro se recebe pela fé, que nos garante esta felicidade no conceito abrangente do termo. Momentos eufóricos e afônicos, momentos alegres e angustiantes, horas boas ou abatidas... Sabemos que tudo conduz para enxergarmos cada vez melhor e confiarmos cada vez mais que Jesus Cristo conhece cada ponto do caminho em que vamos pisar. E o melhor, não depende de nossas forças, Ele fez tudo para que pudéssemos ser felizes, no sentido completo e perfeito que o termo pode ter.


Rev. Lucas André Albrecht
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração