Sinceridade


Não é tão incomum ouvirmos ou lermos a afirmativa “eu sou muito sincero’, ou “o que tenho para dizer eu falo mesmo.”

Por um lado, depoimentos assim apontam uma virtude, já que é importante falar a verdade.

Por outros dois motivos, no entanto, pode ser uma situação preocupante:

-Porque não somos sinceros sempre. Se alguém disse algo diferente, já está começando a mentir. Desde mentirinhas inocentes, ocultação dos fatos para não assustar ou protelação do que se vai dizer, mentiras brancas, mentiras ‘do bem’...não importa o nome, não há qualquer ser humano que seja sempre sincero.
-Quando é dito sem consideração. Então, o que era para ser sinceridade pode tornar-se grosseria. Falar tudo o que vem e do jeito que vem à mente pode não ser sinceridade, mas apenas rudeza e até agressão. Falta de respeito pelo próximo. Um das maneiras de verificar isto é que não abaixamos a cabeça nem gostamos nada quando uma pessoa fala o que quer e como quer conosco. Nem mesmo quando ele está certa!...

Sincero mesmo, só Deus. Ele nunca mente. E Sua sinceridade se manifesta em verdade e amor, mostrando quem somos e como estamos. Principalmente, o que Ele fez por nós, por meio de Jesus Cristo, mostrando que sempre fala a verdade por um grande motivo: amor pelo ser humano.

Este amor de Deus pode se refletir em amor fraterno em nossos momentos de sinceridade, o que vai trazer também a situação a partir do que o outro vê. E esta mesma verdade pode nos levar ao arrependimento por tantas vezes em que a sinceridade não é a virtude da qual fazemos uso com convicção.

Para construirmos relacionamentos onde o que temos a dizer, falamos mesmo - com a sinceridade que nunca deixa de ser acompanhada de amor. Ou, pelo menos, consideração.


Rev. Lucas André Albrecht


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração