Coragem e respeito


Pesquisa realizada nos Estados Unidos declara que o Facebook nos deixa “mais gordos, pobres e malvados”. Segundo o texto, isto estaria ligado ao sentir-se bem consigo mesmo e, portanto, sentir-se no direito a reagir fortemente ao que vier pela frente.

Quando às duas primeiras, não há como ter muita certeza. Mas sobre a terceira, parece que as evidências começam a se acumular.

Navegue, por exemplo, por sites e rede sociais, especialmente em temas de “polêmica” e “denúncia”. Tente descobrir quantas das pessoas que aportam quilos que palavras agressivas, julgadoras, contundentes, e muitas vezes obscenas, leram de fato o que viram. Além disso, se interpretaram, ponderaram, se têm condições de opinar a respeito de algo sobre o qual visualizaram algumas linhas. Se dominam o contexto, se sabem do que e de quem se trata. Se têm respeito com quem pode ou não estar sendo vitima de injustiça. Ou se a maior preocupação é apenas com a sua opinão, a sua forma de ver o mundo, o seu julgamento. Ou seja, preocupação maior com a rapidez do seu teclado do que com as consequências das letras dele.

Isto leva a crer que a terceira opção da pesquisa pode estar certa. Em determinados contextos, as pessoas reagem à agressão e intolerância somente com agressão e intolerância ainda maior.

Para o cristianismo, esta pesquisa nem seria necessária. Já sabe que o ser humano é malvado e isto vem por natureza. Não no DNA, porque Deus nos criou perfeitos, mas desde que se afastou do Criador, o homem é um poço de maldade. Talvez o Facebook apenas seja um dos baldes com os quais dele se tira a quantidade desejada. A imagem que fazemos de nós mesmos não corresponde sempre à que realmente somos.

É por isso que o Livro Sagrado dos cristãos traz a noticia de que este ser humano – você, eu, cada um – precisamos. De que esta maldade é perdoada e esta tendência inata é controlada pelo Seu amor.  Ele ensina que Jesus Cristo - cujo fim da vida, se houvesse Facebook na epoca, teria recebido dezenas de comentários raivosos, apressados e cheios de julgamento -, levou tudo nos ombros para que, alem de nosso coração poder ser lavado, nossos dedos tivessem boa orientação. Para digitar com consistência, mas também com prudência. Com consciência. Para, com coragem, denunciar o erro, se ele for comprovado, e com respeito pela pessoa errada, lembrar que todos têm chance de recomeçar para acertar.

Estar face a face com esta realidade não deixa ninguém mais pobre, nem mais gordo. E, com certeza, troca o índice de maldade pela coragem com respeito.
E amor.


Rev. Lucas André Albrecht

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida