Pai


Imagine a cena.

Você em um lugar estranho. Centenas de pessoas estão ao seu redor, mas você não conhece ninguém.

Nesta hora, o que lhe traria conforto: um arquiteto passando ao lado, a quem você pudesse chamar? Pode ser que sentir alguma espécie de energia poderia lhe fazer sentir-se melhor? Ou então, outra alternativa, ver um cara lá em cima do viaduto próximo e poder chamá-lo?

Pode existir alguma chance de algum deles poder trazer alguma coisa. Mas, certamente, nenhum deles traria o conforto, segurança e auxilio que o seu pai, ou a sua mãe, poderiam trazer.

Quando os discípulos de Jesus Cristo pediram que Ele os ensinasse a orar, o Mestre começou dizendo: “Pai Nosso...”. Numa sociedade em que o nome de Deus nem era pronunciado, Jesus não apenas diz que podemos falar direto com Ele, como ainda estimula a chamar da forma mais intima possível: Pai.

Hoje, em nossa sociedade, parece que ainda não se pronuncia o nome do Deus da Bíblia em certos ambientes, ao menos não com naturalidade. Mas a oração de Jesus Cristo permanece modelo.”Pai”. É assim que podemos chamar Aquele que, por amor, nos fez ser quem somos, nos tirando do erro e nos adotando como seus filhos.

Ainda que haja a objeção sobre a figura paterna em nossos tempos, por muitas vezes ser ausente e irresponsável. Não precisamos mirar nos maus, mas nos bons exemplos dos pais que fazem o seu melhor. E, principalmente, lembrar que Ele é o Pai por excelência, que jamais nos abandona nem nos rejeita como filhos.

Conforto. Em todas as horas. Em qualquer lugar.


Rev. Lucas André Albrecht


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração