sábado, agosto 25, 2012

Palavra certa


Quando se está apreendendo outra língua, sempre existe o risco de engano em alguma palavra. Erramos, mesmo querendo acertar. Por exemplo, no inglês, dizer “push” para puxar. No espanhol, arriscar um ‘descuelpa’ para parecer mais correto. Ou ainda, a armadilha pode estar na tradução. Algumas mais inocentes, como dizer que “eventually”  é sempre o mesmo que “eventualmente”. Ou que “embarazado” signifique” embaraçado”. Algumas, até constrangedoras, como a tradução de “excited” ou, “bixa”, do Português de Portugal.

Quando isto acontece, o normal é alguém xingar a pessoa? Claro que não. Pode até haver risos, mas não raiva, pois sabemos que a intenção era certa. A expressão é que foi errada.

Bem que poderíamos utilizar esta mesma postura e boa vontade em outras áreas da vida. Com a esposa, filhos, colegas de trabalho... Nem sempre estão nos ofendendo ou magoando. Podem apenas não ter conseguido utilizar as palavras corretas, sem a intenção de dizer algo errado. Pode ser que ainda não dominem bem a linguagem que melhor entendemos, cometendo, assim, erros de interpretação. Mas não raramente somos rápidos no gatilho, condenado a má verbalização e a imprecisa tradução.

A Palavra nos ensina palavras que têm sentido real e definido, sempre que lidas com atenção e, principalmente, com fé. E nelas encontramos também o pedido de tolerância, compreensão e amor.  Paciência para não repreender de cara, mas procurar o sentido por trás das palavras, que é o que fazemos sempre que alguém tenta falar nossa língua, ainda que imperfeitamente. Evidentemente que há situações em que a repreensão é mesmo necessária. Mas há muitas em que é a compreensão a ferramenta mais eficaz.

Como fez o próprio Jesus Cristo, ao nos dar acesso à Palavra que perdoa nossas palavras, erros e incompreensões, colocando Seu cuidado no centro de nossa vida, e faça para do nosso relacionar com o próximo. Buscarmos a melhor tradução para cultivarmos a melhor relação.

E, não tenha dúvida, isto eventually vai dar muito resultado.



Rev. Lucas André Albrecht

Postar um comentário