Palavra certa


Quando se está apreendendo outra língua, sempre existe o risco de engano em alguma palavra. Erramos, mesmo querendo acertar. Por exemplo, no inglês, dizer “push” para puxar. No espanhol, arriscar um ‘descuelpa’ para parecer mais correto. Ou ainda, a armadilha pode estar na tradução. Algumas mais inocentes, como dizer que “eventually”  é sempre o mesmo que “eventualmente”. Ou que “embarazado” signifique” embaraçado”. Algumas, até constrangedoras, como a tradução de “excited” ou, “bixa”, do Português de Portugal.

Quando isto acontece, o normal é alguém xingar a pessoa? Claro que não. Pode até haver risos, mas não raiva, pois sabemos que a intenção era certa. A expressão é que foi errada.

Bem que poderíamos utilizar esta mesma postura e boa vontade em outras áreas da vida. Com a esposa, filhos, colegas de trabalho... Nem sempre estão nos ofendendo ou magoando. Podem apenas não ter conseguido utilizar as palavras corretas, sem a intenção de dizer algo errado. Pode ser que ainda não dominem bem a linguagem que melhor entendemos, cometendo, assim, erros de interpretação. Mas não raramente somos rápidos no gatilho, condenado a má verbalização e a imprecisa tradução.

A Palavra nos ensina palavras que têm sentido real e definido, sempre que lidas com atenção e, principalmente, com fé. E nelas encontramos também o pedido de tolerância, compreensão e amor.  Paciência para não repreender de cara, mas procurar o sentido por trás das palavras, que é o que fazemos sempre que alguém tenta falar nossa língua, ainda que imperfeitamente. Evidentemente que há situações em que a repreensão é mesmo necessária. Mas há muitas em que é a compreensão a ferramenta mais eficaz.

Como fez o próprio Jesus Cristo, ao nos dar acesso à Palavra que perdoa nossas palavras, erros e incompreensões, colocando Seu cuidado no centro de nossa vida, e faça para do nosso relacionar com o próximo. Buscarmos a melhor tradução para cultivarmos a melhor relação.

E, não tenha dúvida, isto eventually vai dar muito resultado.



Rev. Lucas André Albrecht

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida