Hábitos


Existem momentos em que uma palavra dita, um gesto realizado, um evento do qual participamos ou um livro que lemos podem ajudar em mudanças em nossa vida. Neste último exemplo eu me encaixo, ao lembrar de quando li “Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes”. O que, à primeira vista, foi rejeitado por parecer um mero livro de auto-ajuda, veio a tornar-se uma excelente ferramenta sobre a administração pessoal frente ao tempo, visão de liderança e relacionamentos.

Na segunda-feira, 16.07, seu autor, Stephen R. Covey, faleceu aos 79 anos. Como definiu a nota emitida por sua empresa, “perdemos um grande amigo”. Mesmo sem nunca tê-lo conhecido, de certa forma foi assim que senti. Através de alguns de seus livros, além de uma web conferência em 2009 onde pude ouvi-lo ao vivo, Covey era como um amigo compartilhando muito do que aprendeu ao longo da vida.

Uma de suas idéias principais era a de que “num mundo de tantas mudanças, é preciso ter um centro imutável”. E aí, se referia a princípios, aqueles conceitos atemporais que fundamentam toda e qualquer sociedade. Enquanto os valores variam de lugar para lugar e até de pessoa para pessoa, determinando suas atitudes, são os princípios que determinam as conseqüências. Por exemplo, meu sistema de valores pode me permitir que, sob alguma circunstância, eu pegue o que não é meu. Mas são os princípios da honestidade e da justiça que vão determinar a conseqüência deste ato..

A Palavra de Deus, quando nos apresenta a Sua Lei, mostra Seus princípios para a nossa vida. Não adianta queremos quebrá-los, o máximo que podemos fazer é nos quebrar contra eles. E isto fazemos constantemente, por causa da inclinação para o erro que está em nossos corações.

Mas aqui não são princípios genéricos, do tipo que até quem não tem fé pode ter. Trata-se de algo que não podemos começar se Deus não tiver começado primeiro. Por isso, estes princípios vêm de fora para dentro. São um presente de Jesus Cristo, por meio da fé. A partir desta realidade, podemos, como resposta ao amor de Jesus, de dentro pra fora, viver esta fé diariamente, o que, na linguagem de Covey, poderia ser chamado de “cultivar hábitos”, como a pro-atividade, começar com objetivo em mente e primeiro o mais importante. O cuidado com o próximo se revela ainda no buscar o ganha/ganha, primeiro compreender e a sinergia, que são formas de expressar a fé ativa em amor. A grande mudança acontecida no Batismo, ou na conversão pessoal, conduz a esta outra mudança, no nível do gerenciamento pessoal. É subordinada àquela que ganha força, vigor e relevância.

Deus nos dá muitas oportunidades de aprendizado e mudança na vida diária. Os livros de Covey, para mim e para muitos, foram uma delas. Mas a grande mudança de que precisamos somente um Livro pode oferecer, a partir da qual podemos viver Seus princípios em nossa vida diária.

Um hábito que só poderia vir da Pessoa mais altamente eficaz.



Rev. Lucas André Albrecht

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça