segunda-feira, agosto 29, 2011

Natureza

Algum dos prezados leitores duvida de que eu tenho mãe?

O fato de eu estar aqui escrevendo, de estar no mundo, dá a resposta. É certo de que há uma mãe por meio da qual eu nasci. E um pai também, claro. Olhando para mim, todo mundo sabe que esta mulher existe.

Mas...o que mais você sabe dela? Salvo alguns que me conheçam mais de perto, a maioria não poderá dizer nem seu nome. Quanto mais idade, onde mora, o que faz, no que se formou ou quais os seus sonhos. Minha existência é prova de que ela existe, mas sem ajudar a saber quem precisamente ela é. Poderia ser qualquer mulher na multidão com mais de 50 anos. Para conhecê-la de fato, seria preciso ‘ler o livro ‘ de sua vida.

A natureza, o cosmos, o ser humano, são indicativos de que existe uma inteligência, um criador, um Deus por trás de tudo o que eu vemos. Tudo bem, há quem descarte a idéia, mas tudo é uma questão de fé. O fato é que a probabilidade de que, para tudo ser como é exista alguém que criou e organizou é forte. Ou seja, de certa forma, com muitas vezes se ouve falar, a natureza e o universo demonstram que existe um Deus.

Sim, mas que Deus é esse?
A natureza sozinha não consegue mostrar. Pode ser qualquer um destes que, aos milhares, proliferam na humanidade. Somente olhando a natureza, não temos como saber seu nome, sua essência, seus atributos, muito menos de que Ele é capaz.

Para isso, é preciso ler o Seu livro. O Livro da Vida, com ‘V’, maiúsculo. É ali que encontramos quem é o Deus criador da natureza, do universo, do ser humano, que também nos trouxe à vida por meio de nossas mães, e que se revelou em Jesus Cristo. Para conhecer o Deus cristão, não basta olhar ao redor. É preciso olhar para dentro. Dentro das páginas da Bíblia Sagrada, dentro do coração, onde a fé é implantada. Dentro do seu amor, onde a Vida plena acontece.

E, então, também para natureza, o outdoor permanente da obra de Suas mãos.


(Mensagem a partir de uma idéia
do Pastor Luiz Alberto dos Santos,
Celsp, Canoas, RS)




Pastor Lucas André Albrecht
Postar um comentário