quinta-feira, junho 09, 2011

hora da verdade

Sabe o momento em que você percebe que tem aquele defeito, aquele vicio, aquele costume? Nâo que já não tivesse alguma ideia de que algo estava errado, mas... aquela hora exata em que você cai em si e pensa: Puxa, é verdade. Eu tenho isso mesmo.

É uma das piores horas da vida, não? Descobrir que o orgulho é mais intenso do que o adequado, o ar de arrogância comunica o que não se quer. Dar-se conta de que certas atitudes não são esporadicas, mas tentação constante. Perceber que a vaidade fala mais alto do que deveria falar. E tantos outros itens de uma lista que nos derruba do nosso próprio altar.

Hora dificil.

É por isso que muitos não a têm como uma hora, mas sim, apenas alguns minutos. Segundos, talvez. Tropeçam na verdade, e, então, levantam-se e seguem em frente, como se nada tivesse acontecido.

Pena. Pois pior do que ter algum defeito é não saber que se tem. Ou saber, mas fingir que não.

Hora dificil. Mas finita. Jesus Cristo passou seis horas em uma cruz para que estas horas da verdade, doloridas e amargas, tivessem solução. Pela fé nele, há mudança. Não apenas nos galhos – orgulho, avareza, arrogância – mas na própria raiz de onde tudo isto vem. E esta outra hora da Verdade - com V maiúsculo - é o momento em que percebemos como o amor é maior que imaginávamos, o perdão é mais completo que podiamos ver, o caminho é mais belo do que pode parecer.

Mesmo nas horas dificeis, uma vida sem desespero, com paz, sem fingimento, com segurança.    

E sem hora para acabar.
Postar um comentário