Quaresma

por Herivelton Regiani

Esta é uma época em que poderia escrever sobre os perigos e excessos do carnaval. Afinal, muita gente desavisada ou empolgada com a festa e com seus atrativos acaba se machucando, fazendo mal ao seu corpo e alma, ou ao corpo e alma dos outros. Mas resolvi falar de outra coisa (na verdade, não totalmente outra, como poderá notar quem ler todo o texto). Quero compartilhar algumas curiosidades sobre a Quaresma. Sim, este período da tradição cristã que começa hoje, na Quarta-feira de Cinzas.

A quaresma é uma etapa do calendário da Igreja Cristã que lembra especialmente a obra de amor e o sofrimento de Cristo por nós. É preparação para a Páscoa, a data central do calendário cristão. Pela ênfase no sofrimento de Jesus, a quaresma também é tempo de arrependimento, de exame de nossa própria vida, de oração e de reflexão.

No início da era cristã, havia um período de jejum quarenta horas, que terminava com um culto pascal no domingo. No terceiro século, o período ganhou mais seis dias, e ficou que conhecido como Semana Santa. Em 731 d.C, no tempo de Carlos Magno, foi que se instituiu a quaresma como a temos hoje. São quarenta dias (sem contar os domingos), de preparação para a Páscoa. O número quarenta lembra vários acontecimentos bíblicos. Entre eles, o tempo que durou a tentação de Cristo no deserto, o jejum de Moisés no Monte Sinai, o jejum do profeta Elias e os anos que o povo de Israel viveu no deserto.

O primeiro dia da Quaresma passou a ser chamado de "Quarta-feira de Cinzas", pois desde o Antigo Testamento as cinzas são símbolo de arrependimento.  Se tornou tradição colocar cinzas sobre as cabeças dos fiéis e dizer: "Lembre-se de que você é pó e ao pó tornará."

Outra tradição que surgiu foi a abstinência de algumas comidas nessa época, como a carne vermelha ou alimentos muito fartos. E assim, o dia que conhecemos por carnaval (a terça-feira antes do período de abstinência), foi marcado como o dia de “despedir-se da carne”. Talvez seja essa a razão por que, entre nós, chamamos o dia de “terça-feira gorda”.

Qualquer que seja o costume que você tenha nesse período, é importante refletir sobre as razões que o fundamentam. Qualquer que seja a tradição, deve estar voltada a enaltecer o ponto central: Cristo morreu por nós quando ainda vivíamos no pecado” (Romanos 5.8).

Por causa do que Jesus fez por nós, hoje somos chamados a refletir bem sobre nossos pensamentos, palavras e ações, levando em conta que nosso corpo e alma pertencem a Ele, que se sacrificou para nos libertar. Lembramos que podemos ser felizes e nos alegrar sem fazer coisas que ofendam a Deus, ao nosso próximo ou à dignidade com a qual fomos criados.


(Curiosidades retiradas do artigo do Rev Lotário Sander
para a revista “Mensageiro Luterano”,
Abril de 2001)

Rev. Herivelton Regiani
Capelão do Colégio Ulbra Cristo Redentor
Canoas, RS
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração