Espera

Quando você menos espera, está com o rosto que outros não esperavam ver. Demonstra na face o que está do lado de dentro, mas que talvez não pudesse vir pra fora. No entanto, você é humano. É ser. É sentimento.


Quando você menos espera, não consegue se considerar capaz. Não enxerga um pouco adiante, se perde um pouco no que ficou para trás. Pensa sobre o que parece que não consegue ser, quando gostaria muito de tentar ir além.

Quando você menos espera, se pega em sentimentos que não gostara de alimentar. No entanto, você é humano. Abastece a fogueira que normalmente tenta apagar. Se abate, se esconde. Desanima. Confessa não conseguir falar.

Então, quando você menos espera, quem menos você espera aparece com a palavra que você já estava a esperar. Talvez até sem saber, mas que o seu coração muito queria escutar.

Quando você menos espera, a espera acaba, a palavra chega, o desânimo evanesce. A solidão não consegue mais ficar. Parece que sua face ganha novo contorno, parece que o seu rosto volta a brilhar. Talvez não no mesmo instante, mas não distante de começar a mudar. Pensar no que está ao alcance, no que está adiante, no que nunca vai mudar.

Pode ser um amigo, um colega, um conhecido. Quando menos se espera, esta palavra terapêutica pode chegar.

Deus envia pessoas, envia amigos, envia palavras de um presente bom. Podemos esperar sempre, sem nenhuma surpresa, sem resistência nem defesa, que Ele sempre vai encontrar o jeito de agir. Ele fala ao coração o que necessita e até o que nem sabia que iria precisar. Pela fé ele age a Seu tempo, fazendo sua Palavra terapêutica atuar.

Quando menos se espera. E quando mais queremos ver chegar.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração