Companhia

Um amigo relatou certa experiência pessoal na qual a companhia foi conforto para superar o medo.

Estava em viagem, perto de atravessar uma ponte. Só que o rio estava cheio, muito cheio. Transbordando por cima da estrada. A cena era mesmo de dar medo. No entanto, já estava ali, havia carros vindo logo atrás, não dava para voltar. Seguiu em frente. E foram exatamente estes carros que o obrigaram a continuar, cruzando a ponte com ele, que lhe trouxeram conforto. Comentou que, caso estivesse sozinho na estrada, talvez não tivesse seguido.
O pensamento que o confortou, mesmo que se julgue um tanto simples, faz sentido: “Bom, não estou sozinho nessa, tem mais gente passando pelo mesmo perigo”.

Pontes perigosas todos enfrentamos e, quando nos recusamos a ser acompanhados em nossas angústias, podemos estar recusando nossa melhor oportunidade de conforto. Se não queremos pedir ajuda, se não nos permitirmos enxergar ao redor, talvez as águas acabem memos passando por cima de nossa alma e sejamos arrastados pela correnteza que nos ameaça. Então, não será mais ameaça, mas certeza...

Para ter conforto, a companhia que todo coração quer eu não sei. Mas a que todos precisam, é clara. A mesma companhia que é também a ponte, nos ligando ao Pai e conduzindo pelo caminho seguro. Companhia que também nos dá companhias - as pessoas que ele coloca em nossa vida para quem junto de nós, trilhem medos e angustias cheios de segurança para seguir.

Pois esta Ponte não há água que carregue nem enchente que destrua.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração