Pena e paz

Há pessoas que conseguem escapar da condenação. Sejam membros de casas dos representantes do povo, maus gestores ou grandes ladrões. Torcem tanto a lei e o direito que as frestas aparecem e eles saem quase ilesos.

Mas isso não significa que não tenham errado.
Com dinheiro, até podem contratar ótimos advogados. Podem também conhecer pessoas. Podem ter influência suficiente para não receberam sentença condenatória.
Mas não significa que não sejam culpados.

Quando se trata da fé, esta alternativa não existe. Quem erra, errou. Deus vê tudo. Sabe de tudo, o tempo todo. Não adianta se esconder da luz da Lei de Deus, porque ela encontra todas as frestas para revelar o que há de mau em nós, e as consequências que isto traz.

No entanto, no campo da fé existe uma alternativa que, no mundo dos homens, não existe. Perdão. Num tribunal, você é condenado pelo que fez, não importa se está arrependido o não. Precisa cumprir a pena. (ou deveria, ao menos). Diante de Deus, a pena foi paga por Jesus Cristo, que levou sobre si o que era nosso. O Perdão nos liberta, cobre, abraça, sustenta. E nos faz escapar da condenação para uma vida de liberdade. Somos livres para servir.

Assim, sabemos que os que conseguem escapar da lei dos homens, não escaparão da lei divina. E sabemos também, no entanto, que se em arrependimento e fé voltarem para a graça Divina, não há lei e pena humana que tire a paz que vai invadir seus corações.

E lá ficar presa para sempre.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida