Pegos

Esta semana aprendi mais uma da internet: Ser ‘Rick rolled’. Não é algo recente, mas pra mim foi novidade.

É uma espécie de ‘pegadinha’ americana, como explica este site. Uma pessoa indica um link na web que supostamente é relevante para um assunto que está sendo discutido. A isca para a brincadeira são frases do tipo: “E aí, já viu as fotos de fulana na revista tal?” “Chocante! Imagens do acidente tal”, “Cenas inéditas do escândalo x”. E outras chamadas que aguçam a curiosidade humana. Ao clicar, no entanto, o que aparece é o clipe de Rick Astley, “Never gonna give you up” (“nunca vou desistir de você”), de 1987. Quando a pessoa clica, vê que caiu na pegadinha. Resultado? ‘You’ve been Rick rolled’. Numa tradução livre, “Você acabou de ser Rick-zoado“.

Resgatei este viral americano, que surgiu em 2007, porque me parece que ele retrata o espírito do Natal de nossos dias. Pelo menos no mundo Ocidental. Ao que parece, estamos sendo rickrolleados a cada novo dezembro. Inúmeras chamadas, ‘links’ que aguçam a esperança humana, surgem em nossas telas de televisão, capas de jornal, páginas de internet e conversas de esquina. Promovem e prometem mais paz, amor e prosperidade, união familiar. Tudo isso com preços ótimos, sem gastar muito e garantindo boas festas. Aí muitos clicam esperançosos de que o link conduza a algo relevante para o assunto em questão e, não raras vezes, é pegadinha Quando se percebe, são direcionados a roupas vermelhas e barbas brancas, consumismo, festas, presentes, palavras que parecem prender mas não preenchem o ser.

O estômago e a mente podem até ficar cheios. Mas o coração, não.

Para evitar o Natal Rickroll, o link correto é antigo. Mas verdadeiro, com o motivo central do Natal. Jesus Cristo nasceu na manjedoura para não deixar dúvidas de que é a conexão entre Ele e o Natal que estabelece sua essência e virtude. Neste caso não somos zoados, mas recebemos zoê, que em grego, que dizer ‘vida’. Quando este assunto está em questão, e para Ele a ligação precisa conduzir.

Conectados ao menino de Belém, não caímos em pegadinha, mas somos pegos em seus braços de amor para viver em fé. Uma pegada que traz alegria e celebração renovadas, porque com Ele vivemos a fé do Natal. Sabemos que somos pegos para viver em fé, felicidade, continuando a não desistir. E a fortalecer a nossa ‘pegada’ na luta diária.

Por sinal, o refrão desta canção de Rick Astley, ressignificado, se ajusta muito bem:: “Nunca vou desistir de você, nunca vou dizer adeus, nunca vou dar meia volta e te abandonar. Nunca te farei chorar, nunca direi adeus, nunca vou mentir e te magoar.”

Natal com Ele é clique certo, sem pegadinha. Somos pegos sempre pela mesma mensagem: “Você acabou de ser Deus-amado”.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça