As pernas da cama

“Certa vez um homem adoeceu de uma doença esquisita. Toda noite, quando ia deitar-se, imaginava que de baixo da sua cama estivesse escondido um monstro horrível que ia devorá-lo. Com este pesadelo ele não conseguia dormir de jeito nenhum. Vivia apavorado.

Assim, começou a procurar uma cura para a sua enfermidade. O primeiro médico lhe prescreveu um potente remédio para dormir. Não deu certo; o medo era mais forte que o remédio. Outro médico o aconselhou um tratamento de acupuntura e um medicamento homeopático caríssimo. Apesar dos gastos, o pesadelo noturno continuava. Por fim os parentes levaram-no para um famoso psicólogo que iniciou uma série de encontros incluindo sofisticadas técnicas hipnóticas.


Após a segunda sessão de terapia, porém, o homem nunca mais se apresentou ao médico. Este achou impossível que a cura já estivesse sortida efeito. Ficou curioso e foi atrás do paciente. Quando o encontrou, quis saber o motivo da sua desistência no tratamento.

O homem, com toda tranqüilidade, respondeu que uma noite durante a qual o pesadelo era mais forte do que outras vezes, ele, desesperado, tinha procurado o velho pároco da paróquia onde morava. Este lhe disse de serrar as pernas da cama. Com o colchão praticamente no chão o monstro não teria mais onde ficar. Assim o homem fez e o pesadelo nunca mais voltou a importuná-lo.

Nada de mais simples e comum.“

Há momentos em que ajuda especializada é necessária, pois se trata de algo complexo e que precisa de grande atenção. Mas mesmo nessas situações, jamais podemos perder de vista a simplicidade e doçura das Palavras que sustentam nosso coração. É com elas, é com Deus, que serramos as pernas do que nos desanima e somos fortalecidos para as lutas de cada situação. É na simplicidade da fé que recebemos forças diante da complexidade do mundo que não para de aumentar.

Um cuidado simples, porém profundo e fundamental, que Ele sempre dispensa.
Pois quer poder ver a gente dormir em paz.



Fonte da ilustração: Jornal do Dia
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Com consideração