Dilatar


Em determinadas ocasiões, nosso oftalmologista precisa nos submeter a um procedimento que não está na lista dos mais agradáveis: dilatar a pupila. Ele recorre a esta medida porque precisa examinar nossos olhos mais profundamente. Então, após um anestésico, pinga nos olhos aquele liquido que nos deixa com a visão turva. Como a pupila se retrai diante da luz, precisa ser ‘dilatada à força’ para poder ser examinada.

Interessante que permitamos esta ação, já que não só será um momento que nos trará incômodo, como, até certo ponto, um pouco de risco, já que se tratam dos olhos, órgãos delicados de nosso corpo. Sem falar que, por algumas horas, não conseguiremos contar muito com nossa visão.

A resposta está na confiança. Sabemos que a pessoa que está nos tratando sabe o que está fazendo.

Em alguns momentos, nossa alma também precisa de ‘dilatação’, porque nosso orgulho costuma ser resistente e nos impede de enxergarmos o que precisa de correção. É quando precisamos então de luz para revelar o que está errado e apontar o caminho da solução.

Esta é a hora de dilatarmos nossa confiança, nos entregamos a Quem sabe o que fazer. Porque dependendo do consultório ou do ‘especialista’, o problema pode ficar maior do que quando começamos a perceber. A luz de Deus é a lâmpada certa para nossos olhos e também fonte de cura e orientação. É o caminho seguro, consulta que traz resultados para nossa vida, nosso corpo e coração.

Com Ele nosso olhar ganha mais vida e enxergamos bem melhor por onde os pés podem andar.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida