Guia


Recebi do amigo e leitor Mário Tailôr a seguinte história, sem autoria, que compartilho com você:

“Na estrada de minha casa há um pasto. Dois cavalos vivem lá. De longe, parecem cavalos como os outros cavalos, mas quando se olha bem, percebe-se que um deles é cego.

Contudo, o dono não se desfez dele e arrumou-lhe um amigo: um cavalo mais jovem. Isso já é de se admirar. E, se você ficar observando, ouvirá um sino. Procurando de onde vem o som, você verá que há um pequeno sino no pescoço do cavalo menor. Assim, o cavalo cego sabe onde está seu companheiro e vai até ele.


Ambos passam os dias comendo e no final do dia o cavalo cego segue o companheiro até o estábulo.E você percebe que o cavalo com o sino está sempre olhando se o outro o acompanha e, às vezes, pára para que o outro possa alcançá-lo. E o cavalo cego guia-se pelo som do sino, confiante que o outro o está levando para o caminho certo.”


Às vezes somos cavalos cegos, que precisamos de sinos a nos guiar. Em outras podemos nós ser os guias dos que, cegos pela dor, já não conseguem enxergar. É bom saber que Deus nos dá amigos, irmãos, pessoas com quem contar. Ele, o nosso Guia, nos proporciona amizades, carinho, solidariedade.

Para termos a alegria de sermos ajudados e o privilégio de podermos ajudar.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida