sábado, agosto 30, 2008

Eu sou assim

Uma das frases que já ouvi bastante ao longo da vida é a seguinte:

“Eu sou assim... o que posso fazer?”

Do que normalmente ela fala? Do interior. Do jeito que somos, das coisas que fazemos, das opiniões que emitimos e do jeito que interagimos. Somos assim e não temos como mudar.

Mas e quando se trata do exterior? Aí as respostas e alternativas costumam aparecer com certa rapidez.

Meu nariz é assim, o que eu posso fazer?
– Plástica
Minha barriga é assim, o que posso fazer?
- Dieta
Meus cabelos são assim, o que posso fazer?
– Chapinha, permanente, corte, coloração...
Meu rosto é assim, o que posso fazer?
– Maquiagem, correção, permanente nos cílios (já tinha ouvido essa?...)

O cuidado com o corpo é válido e importante. Mas aqui vemos algo interessante em nós, seres humanos do século XXI. Quando se trata do nosso exterior, não costumamos nos contentar em ser como somos. Se der, mudamos tudo o que for possível para ficarmos melhores. Entretanto todos sabemos que o interior é o que mais conta numa pessoa. O que ela tem no coração, na mente, na vida.

Por que então, quando se trata de aparência, achamos normal querer mudar tudo, e quando se trata de essência às vezes achamos normal não mudar nada?
É claro que todos nós temos partes essenciais não sujeitas à mudança. A fé, a principal delas. E as boas conseqüências dela, como amor, respeito, caráter... Mas todos nós sempre temos algo no interior que também pode ser mudado. Pode ser um pavio curto, impaciência, fofoca, maldade, malícia, tendência a reclamar de tudo, não contentar-se com o que se tem, puxar o tapete do outro, rir da desgraça alheia, ganhar dinheiro a qualquer custo... Más tendências que podem levar a maus caminhos.

-Eu sou assim, o que posso fazer?

Muito. Pois mesmo que minhas próprias forças não possam me fazer mudar, Deus pode. Pela fé, temos forças para cortar o que não agrada, fazer permanente nos princípios, perder o excesso de negatividade, exercitar os músculos da fé, sem passar maquiagem nos defeitos e vícios. Com o perdão que Ele nós dá, somos assim: filhos que cuidam do seu exterior - pois o corpo também é presente de Deus - mas que estão sempre abertos a mudarem no interior aquilo que precisa de mudança. Até porque, pensando bem, é justamente o corpo que pode dizer “Eu sou assim”. Pouco podemos fazer. É lá dentro, no coração, que Deus quer trabalhar, todos os dias, a renovação.

Aí, talvez, poderemos formular a frase de uma nova maneira: “Eu sou assim... e posso fazer muito mais”.
Postar um comentário