Comportamento de ligação

Na palestra da qual participei hoje à tarde, entre os recursos utilizados, um vídeo falava sobre o sorriso e seus benefícios. 40 músculos para fechar o rosto e somente 16 para sorrir, e outras informações. E então veio a expressão que me chamou a atenção. Segundo o texto, o bebê utiliza e compreende o sorriso como um comportamento de ligação.

A própria palestrante, Profa. Annelise Rocha, do curso de Educação Física, o utilizou. Sorria boa parte do tempo em que falava e, ao menos em minha opinião, esta atitude foi um dos fatores de conexão com o auditório quase lotado.

Naquele contexto, era o sorriso. Mas existem outros comportamentos de ligação. A mão que se estende para tocar outra mão necessitada. A palavra bem temperada que se liga a um coração. O auxílio que alivia uma vida cansada. O telefonema inesperado e bem-vindo, que liga o passado a palavras de um presente bom.
E quantos outros jeitos de agir que podem promover identificação?

O comportamento sublime do Pai, que se ligou a nós através de Jesus Cristo, aconteceu justamente para mudar nosso comportamento. Sem Ele, a ruptura viria sempre à tona. Comportamentos como aqueles que estamos cansados de nos deparar. Gritos, dissimulações, abusos, desonestidades. Até mesmo sorrisos que, quando falsos, servem somente para desconectar.
Mas que, mesmo com a fé presente, ainda insistem em reaparecer.

Por isso esta ligação, esta proximidade com este Amor, tem sua importância. Para que nossa maneira de agir seja o máximo possível elo, sendo capaz de unir, de estabelecer comunicação. De ser uma fonte de vida e força para agirmos conforme esta orientação.

Pois um comportamento assim, impulsionado por esta fé, favorece em muito qualquer ligação.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida