terça-feira, abril 22, 2008

Terremotos

Meu irmão mais novo, Tiago, escreveu semana passada relatando uma experiência de vida inédita. Ele está residindo em St. Louis, nos EUA, no programa de intercâmbio de Teologia, e pela primeira vez teve a sensação do que é passar por um terremoto.
Um não. Dois. Trechos do relato:

“O primeiro ocorreu as 4:30am, bem forte. Eu estava dormindo, acordei com fortíssimo barulho nas janelas, mas achei que fosse o vento e fui dormir. Mas meu vizinho de quarto disse que tudo tremia bastante! Loucura! O terremoto teve 5.2 graus na escala.
O outro foi bem mais ameno; eles chamam por aqui de ‘aftershock’, mas este eu senti, tanto ouvindo o barulho na jenela, como o chao do meu quarto (moro no 3o. andar do meu predio) tremer. Eu estava on-line com a [minha namorada] Aline bem naquela hora..... Foi bem engracado e uma loucura tb!”

O chão tremeu sob os seus pés.
Para o Tiago, passando por isso pela primeira vez, o susto e a apreensão devem ter sido enormes. Já para para os moradores da região, a não ser em tremores muito fortes, talvez a preocupação não seja tão intensa. Provavelmente seguem com calma os passos aos quais já estão acostumados.

O fato é que tremores sempre nos pegam de surpresa. Também na vida pessoal. E quando nossa estrutura treme, nem sempre podemos prever as consequências.
Entretanto, podemos enfrentá-las, com força e coragem. E a diferença está entre achar que nunca vamos passar por isso, ou vivermos preparados para os tremores que a vida apresenta. Porque terremotos vão acontecer, em algum momento, em algum lugar. Portanto, quanto mais estivermos cientes disto, maior será nossa busca por preparação, auxilio e orientação de quem já está acostumado.

O que, inevitavelmente, nos leva a Jesus Cristo. Ele não só causou um ‘terremoto’ com sua obra, na vida de muitas pessoas, como também muitas pessoas quiseram fazê-lo tremer diante de ameaças. Mas ele não se intimidou e foi até o fim. Para nos dar a certeza de que contamos com alicerces firmes e fundamento confável, enquanto permanecemos na fé. A surpresa até acontece. Mas como, de certa forma, já é esperada, estamos preparados para enfrentá-la. E todos os afterschocks que por acaso seguirem.

Não importa a intensidade do terremoto em sua vida. Na escala de Deus, proteção, segurança e amor têm sempre o grau mais alto.
Postar um comentário