Caminho

No nosso vocabulário cotidiano, ‘ser feliz’ e ‘ser alegre’, são usados como gêmeos. Ou ao menos, primos-irmãos. Mas eu gostaria de colocar um ponto de interrogação nesta certeza. Ser feliz é, de fato, o mesmo que ser alegre, ou vice-versa?

Imagine você de carro, numa estrada, rumo ao seu destino de férias. Andar pela rodovia certa é fundamental. Tão logo você esteja nela, e dali não saia, sabe que vai chegar onde pretende.
No percurso, muito pode acontecer. Frio ou calor, pneus furados ou inteiros. Belas paisagens ou congestionamentos. Mas você sabe que está seguindo pela estrada certa.

Temos, portanto que, ser feliz é estar na estrada certa. Estar alegre ou contente é um dos muitos episódios nela, assim como estar triste ou irritado.
Alegria, portanto, tem como antônimo a tristeza e ambos são episódios do mesmo caminho.
Felicidade, estar na estrada certa, tem como contrário sair dela e decidir por outra. Infelicidade.

Mas parece que não é este o conceito que está por trás da “Aula da felicidade”, que a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, está oferecendo a distância. Trata-se das aulas de “Psicologia Positiva”, que começaram com 8 alunos, conta o titular, Dr. Tal Ben-Shahar, e que na primavera de 2006 recebeu 800 matrículas.
A versão on-line trará aulas gravadas em Harvard, que apresentam aspectos psicológicos de uma vida plena, incluindo tópicos como felicidade, auto-estima, empatia, amizade, amor, conquistas, criatividade, música, espiritualidade e humor.

A maioria destes tópicos, entretanto, são episódios do caminho. Não são a estrada. Não podem, portanto, ensinar a felicidade, mas apenas nos dar dicas de boas atitudes durante a viagem. Não que boas atitudes não sejam importantes. Mas elas serão muito mais proveitosas quando tomadas na estrada certa.

Felicidade mesmo acontece quando temos sentido e propósito de vida. Quando descobrimos no fundo do nosso coração para aonde ir e qual o caminho que nos leva até lá.

E, é claro, quando andamos por esta estrada.

A Palavra de Deus aponta exatamente para isso. Nos dá sentido e propósito de vida, ao nos dizer que, pela fé, somos filhos de Deus e estamos a caminho de seus braços. E nos mostra qual é ele: “Eu sou o caminho”, diz Jesus. Seguir por esta estrada, portanto, com confiança plena, é a felicidade para aquele que crê. Felicidade que persiste, faça chuva ou faça sol. E que pode ser ampliada em muito com uma postura alegre e positiva sobre a vida

Para aqueles que preferirem a ‘aula da felicidade’, é bom saber que ela não vem barata, como escreve
Tara-Parker Pope, do blog ‘Well’, no NY Times, fonte desta notícia. 700 dólares para não graduandos e 1.625 para graduandos.

Em Harvard, portanto, para andar pelo caminho é preciso pagar pedágio.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Só os loucos sabem

Tempo de uma vida

Inveja e justiça